Deputado desmonta discurso de Andrea Murad e dispara: campanha bancada pelos fornecedores da SES

A primeira sessão da Assembleia Legislativa no exercício de 2017 começou quente, com um forte embate nesta segunda-feira (06). Andrea Murad e Marco Aurélio protagonizaram o que deve ser o ritmo da casa no ano pré-eleitoral: embate entre os governistas e a oposição ligada ao clã Sarney. O deputado comunista desarmou as críticas da parlamentar e de quebra ainda alfinetou a história da família Murad no Maranhão. O pai, Ricardo Murad, foi apontado pela Polícia Federal como líder de uma organização criminosa que desviou milhões na Saúde do Maranhão.

Com uma calma fora do comum, Andrea Murad iniciou sua primeira cantilena na Assembleia com um discurso lido sobre registro de ata de preços na Secretaria de Saúde. O deputado Marco Aurélio então subiu a tribuna e disse que a denúncia era “infundada, incabível, uma denúncia que não procede, sobretudo pela maneira como ela faz, dando um tom político e pessoal a algo que logicamente é fruto de um sentimento por terem perdido o espaço que hoje é responsável por atender diretamente às famílias mais carentes do Maranhão”.

A desconstrução do deputado Marco Aurélio deixou a parlamentar ensandecida. “Vossa Excelência será que tem noção quanto tempo eu e minha equipe nos aprofundamos nisso aqui para eu subir nesta tribuna e falar?”, chegou a questionar Andrea Murad, que depois disso perdeu a compostura e vociferou, de forma desequilibrada, várias farsas acerca do atual Governo.

Diante do discurso raivoso, Marco Aurélio voltou a tribuna e detonou Andrea, dizendo que “é difícil até de compreender um discurso vindo de quem vem, um discurso de quem teve a campanha grande parte bancada pelos próprios fornecedores da Secretaria Estadual de Saúde”, e “teria vergonha se na minha cidade, da mesma forma que foi a deputada, que vem aí fazer o grande juízo do universo, se tivesse perdido a eleição, com toda a estrutura, com a máquina, aí sim eu entenderia que foi uma resposta para mim, para o meu grupo, para minha família”.

A falta de postura da deputada Andrea Murad e o silêncio diante das denúncias do deputado Marco Aurélio deram a senha de como será a postura da parlamentar em 2017. Após ver a mãe, Tereza Murad, perder a eleição em Coroatá, o pai arrolado em denúncias de desvios de bilhões na Saúde e na falta de uma pauta verdadeira contra o Governo, o desequilíbrio da filha de Ricardo Murad só tende a aumentar.

PGR pede nova investigação contra Sarney na Lava Jato

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu nesta segunda-feira (6) ao Supremo Tribunal Federal (STF) abertura de novo inquérito para investigar o ex-senador José Sarney (PMDB-AP), os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-diretor da Transpetro Sérgio Machado. Eles são suspeitos de criar embaraços às investigações da Operação Lava Jato.

Para Janot, Renan, Sarney e Jucá estavam se articulando para criar uma base de apoio político e, com isso, ” aprovar a proibição de acordos de colaboração premiada com investigados ou réus presos; a proibição de execução provisória da sentença penal condenatória mesmo após rejeição dos recursos defensivos ordinários, o que redunda em reverter pela via legislativa o julgado do STF que consolidou esse entendimento; e a alteração do regramento dos acordos de leniência, permitindo celebração de acordos independente de reconhecimento de crimes”.

Caberá ao ministro Luiz Edson Fachin, novo relator da Lava Jato no STF, autorizar ou arquivar o pedido de inquérito.

Renan, Jucá e Sarney tiveram conversas com Sérgio Machado gravadas pelo ex-diretor da Transpetro, que se tornou posteriormente um dos delatores do esquema de corrupção.

Nessas conversas, eles discutiram, por exemplo, formas de “estancar e impedir, o quanto antes” os avanços das apurações sobre políticos – especialmente do PMDB, do PSDB e do PT –, inclusive mediante supostos acordos com o Supremo Tribunal Federal (STF) e com aprovação de novas leis que, na visão da PGR, poderiam inibir as investigações e esvaziar os processos judiciais.

Numa das conversas gravadas por Sérgio Machado, Sarney afirmou que a delação premiada de executivos da Odebrecht seriam “uma metralhadora de [calibre] ponto 100”. Em nota, Sarney disse lamentar que “conversas privadas tornem-se públicas, pois podem ferir outras pessoas que nunca desejaríamos alcançar”.

O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado revelou em delação premiada que o ex-senador José Sarney (PMDB) recebeu propina de contratos da Transpetro durante nove anos, no valor total de R$ 18,5 milhões. Desse montante, R$ 16 milhões foram recebidos em espécie.

O primeiro repasse de propina a Sarney foi realizado em 2006, no valor de R$ 500 mil. A princípio, o dinheiro era repassado sem periodicidade certa. A partir de 2008, as parcelas eram pagas anualmente. Os repasses perduraram até agosto de 2014. O dinheiro era transferido ora como doações oficiais ao PMDB, com recomendação expressa de repasse a Sarney; ora em entregas em espécie. A origem dos recursos eram as empresas com contrato com a Transpetro, que são investigadas na Lava-Jato.

Sarney é derrotado

O ex-senador José Sarney não conseguiu emplacar o substituto de Teori Zavaski no STF (Supremo Tribunal Federal). O indicado foi o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

O presidente Temer decidiu indicar Moares à vaga que era ocupada por Teori Zavascki, morto em um acidente aéreo no dia 19. A escolha de Moraes ganhou força no fim de semana, superando o favorito até então, o presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), Ives Gandra Filho.

O preferido do ex-senador José Sarney para o STF era o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas.

Sarney fez lobby também, ao lado do ministro Ricardo Lewandowiski, para que o presidente Michel Temer nomeasse Marcus Vinícius Furtado Coelho, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, para a vaga de Teori Zavaski.

Por último, o pai de Roseana Sarney trabalhou o nome do ministro maranhense Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Após atirar para todos os lados, Sarney perdeu todas.

Temer anuncia indicação de Alexandre de Moraes ao STF

Brazilian President Michel Temer (R) and Justice and Public Security Minister Alexandre de Moraes are pictured during the inauguration ceremony of the ministers of Justice and Public Security, Alexandre de Moraes, of Human Rights, Luislinda Valois and the presidency's Secretary General Wellington Moreira Franco at Planalto Palace in Brasília, on February 3, 2017. / AFP PHOTO / ANDRESSA ANHOLETE
O porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola, anunciou oficialmente nesta segunda (6) a indicação do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, ao STF (Supremo Tribunal Federal).

O presidente Temer decidiu indicá-lo à vaga que era ocupada por Teori Zavascki, morto em um acidente aéreo no dia 19.

A escolha de Moraes ganhou força no fim de semana, superando o favorito até então, o presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), Ives Gandra Filho.

Em uma troca de mensagens pelo telefone celular, o ministro da Justiça avisou uma pessoa que seria indicado pelo presidente nesta segunda, segundo imagem flagrada pela Folha. “Hoje, lá pelas 19h00, o Presidente indicará meu nome para a vaga do Supremo Tribunal Federal. Se Deus quiser, em pouco tempo”, diz trecho digitado pelo ministro. Logo depois, ele começa a escrever sobre a sabatina que tem de ser realizada pelo Senado para que seu nome seja aprovado.

Nos bastidores, Moraes recebeu respaldo de líderes partidários no Congresso e de ministros do próprio STF.

Depois que houver a oficialização de sua indicação, Moraes será sabatinado pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado e terá seu nome apreciado pelo plenário do Senado.

A expectativa é que ele não tenha dificuldades em ser aprovado. (Folha de SP)

Dúvidas a serem esclarecidas sobre o ”Caso Brunno Matos”

Em razão de muitos pontos não esclarecidos sobre o julgamento dos três acusados da morte do advogado Brunno Matos, buscamos junto a fontes que estiveram no Fórum Desembargador Sarney Costa, na última quinta-feira (2), mais detalhes sobre o que foi apresentado no tribunal do júri.

Lembrando que:

*Brunno Matos – assassinado na madrugada do dia 6 de outubro de 2014, no bairro do Olho D´Água em São Luís

*Diego Henrique Marão Polary – acusado de ser o assassino de Brunno Matos

*Carlos Humberto Marão Filho – tio de Diego acusado por participação no homicídio

*João José Nascimento Gomes – vigia da rua na ocasião do crime

*Alexandre Matos – irmão de Brunno Matos

* Kelvin Kim Chiang – estava junto com Alexandre Matos, tentou defender Brunno Matos e foi ferido

Abaixo, transcrevemos ipsis litteris o repassado por um leitor do blog presente ao julgamento.

Foi exposto no julgamento que Carlos Marão, tio de Diego Polary, não estava com nenhuma arma, e a faca do vigia que ficou cravada nas costas do Kelvin não possuía nenhum traço de DNA nem do Bunno e nem do seu irmão Alexandre, portanto os advogados de acusação alegaram que foi usada outra faca.

As perfurações no corpo do Brunno e do Alexandre foram comprovadas pelo ICRIM que se tratavam de perfurações feitas pela mesma arma, que não foi a faca do vigia. A faca foi periciada em Brasília, pois o ICRIM-MA alegou não ter condições de fazer exame de DNA.

O vigia confessou que esfaqueou Kelvin pelas costas quando voltava de pegar os cachorros.

No início da confusão estavam presentes Carlos Marão e o vigia da rua João José Gomes, sendo que este se deslocou até a casa de eventos para buscar os cachorros do Marão que haviam adentrado naquele local.

Enquanto Brunno Matos discutia com Marão, surge uma terceira pessoa, a qual o golpeou Brunno sem dar-lhe nenhuma chance de defesa, e em seguida partiu para atingir Alexandre (irmão de Brunno) que se encontrava a uns oito a dez metros do mesmo, que apenas recuou e encostou-se no muro.

Foi divulgado no dia do júri, um áudio onde Carlos Marão confessa que quem desferiu as facadas em Brunno e Alexandre foi Diego Polary. Consta dos autos e está gravado em áudio.

Foi questionado por que um tio e padrinho iriam colocar na cena do crime o Diego. Ainda dentro da viatura, Marão (tio de Diego) confessou a um sargento que Diego Polary participou do assassinato.

O vigia informou à OAB e ao juiz que estava sendo ameaçado pelo Marão para que o mesmo não colocasse Diego na cena do crime, pois caso isso acontecesse ele seria um homem morto.

Os advogados de defesa de Diego Polary sustentaram que o mesmo não se encontrava no local do crime e que estava dormindo, longe do local onde tudo aconteceu. A acusação rebateu ao dizer que todos dizem que em razão do som alto, ninguém conseguiu dormir, mas só Diego alegou estar dormindo, e acordou após o encerramento da festa, quando a diarista tocou a campainha.

Houve a seguinte indagação: se Carlos Marão estava desarmado e a faca do vigia ficou cravada nas costas do Kelvin e não possui nenhum material biológico do Brunno nem do Alexandre, quem matou o Brunno e esfaqueou o Alexandre?

Comentário do blog:

O grande mistério que ficou por conta da outra faca usada na cena do crime, utilizada para assassinar Brunno Matos. Já que a primeira faca, a do vigia, que ficou cravada nas costas do Kelvin não possuía nenhum traço de DNA nem do Brunno e nem do seu irmão Alexandre. Outro ponto é a pena arbitrada. Uma vez Diego Polary condenado pelo assassinato de Brunno Matos, a pena jamais poderia ser oito anos de prisão.

O julgamento

Julgamento dos acusados da morte do advogado Brunno Matos, em São Luís (Foto: Flora Dolores/ O Estado)

A Justiça decidiu condenar na madrugada desta sexta-feira (3) no Fórum Desembargador Sarney Costa, em São Luís, os três acusados de matar o advogado Brunno Eduardo Matos ocorrida na madrugada do dia 6 de outubro de 2014. O julgamento dos três acusados durou aproximadamente 19 horas.

Os réus Carlos Humberto Marão Filho, Diego Henrique Marão Polary e João José Nascimento Gomes foram considerados culpados e condenados a prisão pela a morte do advogado Brunno Matos e também pela tentativa de homicídio de Alexandre Matos, irmão dele, e Kelvin Kim Chiang, amigo do advogado morto.

Segundo a decisão judicial, Diego Polary foi responsabilizado por ter sido o autor das facadas que levaram o Brunno a morte e foi condenado a oito anos de prisão, Carlos Humberto Marão por participação no homicídio e nas tentativas de homicídio foi condenado a seis anos de reclusão e João José, que era o vigilante da rua na ocasião do crime, foi condenado a um ano de detenção.

Os acusados deverão recorrer das decisões em liberdade porque o resultado dessas penas ainda serão transitados e julgados.

Entenda o caso

O advogado Brunno Eduardo Soares Matos, de 29 anos, foi assassinado a facadas na madrugada do dia 6 de outubro de 2014, após a festa de comemoração do senador eleito Roberto Rocha (PSB), realizada no comitê de campanha do candidato, no bairro Olho-d’Água, em São Luís.

O irmão dele, Alexandre Soares Matos, e o amigo Kelvin Kim Chiang, também foram feridos. Segundo informações da polícia, o crime teria sido resultado de uma discussão por causa do som alto da festa.

Inicialmente, Carlos Humberto Marão Filho, de 38 anos, foi aprontado como principal suspeito do crime. No dia 16 de outubro, o vigilante João José Nascimento Gomes assumiu a autoria do assassinato. À polícia, ele disse que não lembra a ordem dos fatos, mas que foi ele quem desferiu os golpes de faca nas vítimas. No dia 21 de outubro o vigilante foi até a sede da Ordem dos Advogados do Brasil da seccional do Maranhão (OAB-MA) e negou toda a autoria do crime.  A informação é do G1 MA.

Ele disse que foi coagido por um advogado a assumir a autoria do crime e ainda que teria recebido a quantia de R$ 4,9 mil para declarar-se culpado.

“Coisa de gente que tem ilha privada para seu lazer”, reage Flávio Dino sobre ataques do grupo Sarney

Com base em um levantamento publicado neste domingo (5) no jornal Folha de São Paulo, os veículos de comunicação ligados à oligarquia Sarney divulgaram reportagens apontando que todas as praias da região metropolitana de São Luís estariam impróprias para o banho.

No entanto, e de acordo com nota oficial do governo do Estado sobre o assunto, o levantamento produzido pela Folha de São Paulo usou dados desatualizados, relativos ao início de 2016, quando obras de despoluição das praias ainda estavam sendo iniciadas pela atual administração estadual.

O governador Flávio Dino (PCdoB) usou as redes sociais para se posicionar sobre o tema. Para ele, as falsas notícias fazem parte de uma estratégia dos seus opositores ligados ao grupo Sarney, para tentar atacar seu governo e os avanços já obtidos na despoluição das praias e melhoria da balneabilidade da orla da Grande Ilha.

“Deturpando dados sobre as praias, eles acham que atrapalham o Governo. Mas atrapalham de verdade o turismo, bares e restaurantes”, disse o governador lembrando os desserviços que esse tipo de “desinformação” pode acarretar para a economia local.

Flávio Dino voltou a frisar que o Governo do Estado divulga semanalmente, de forma transparente e com base em padrões fixados por resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), relatório sobre a balneabilidade da orla da capital.

“Como já esclarecido, divulgamos boletins semanais, que mostram claramente os parâmetros melhores ou piores nas praias. Com transparência. Essa gente nunca se preocupou com as praias. Nós estamos trabalhando para consertar mais esse erro deles. E estamos avançando”, ressaltou Flávio Dino.

Já em 2017, Flávio Dino fez um vídeo-selfie após um banho de mar em uma das praias da capital maranhenses, para falar sobre os avanços obtidos com as ações de saneamento que vem paulatinamente despoluindo a orla ludovicense.

“Estranha obsessão da oligarquia de ver praias de São Luís poluídas. Coisa de gente que tem ilha privada para seu lazer, sem se ‘misturar’. Hoje estive por horas em uma das nossas praias, como faço sempre. Povo se divertindo no mar. Só os donos de ilha privada estão chateados”, disse Flávio Dino em referência à Curupu, ilha privativa da família Sarney localizada no município de Raposa, e um dos símbolos do poderio do clã no Maranhão.

Nota do governo do Maranhão

Em nota, o Governo do Estado contra-argumentou os dados apresentados pela Folha de São Paulo.

De acordo com a nota, o levantamento da Folha usa critério segundo o qual são consideradas “péssimas” as praias que passaram 50% do ano impróprias. Portanto, aponta um quadro já superado desde julho de 2016, quando os relatórios técnicos e laboratoriais passaram a apontar a balneabilidade de quase a totalidade das praias da capital.

A nota ressalta ainda que foi com base nesse cenário favorável, com quase todas as praias próprias para o banho, que a revista Exame colocou São Luís entre as capitais com as praias mais limpas do país.

Ainda segundo o Governo do Estado, o monitoramento divulgado semanalmente pela Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema), “obedece aos padrões fixados na Resolução CONAMA nº 274/00, segundo a qual, as águas das praias serão consideradas PRÓPRIAS, quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras, obtidas em cada uma das cinco semanas anteriores, e colhidas no mesmo local, houver no máximo 100 Enterococos/100 mL”.

Sarney pressiona por Lobão na CCJ

O impasse dentro da bancada do PMDB do Senado para a escolha dos presidentes das comissões permanentes levou ao adiamento da decisão para esta semana. A expectativa inicial era de que tudo ficasse resolvido na última quinta-feira (2).

A principal disputa é pelo comando da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a mais importante do Senado. Isso porque há três candidatos do partido: Edison Lobão (MA), Marta Suplicy (SP) e Raimundo Lira (PB).

O Antagonista apurou que Raimundo Lira só não foi confirmado presidente da CCJ porque a turma de José Sarney não desistiu de convencer Eunício Oliveira (recém-eleito presidente do Senado para um mandato de dois anos) a emplacar Edison Lobão.

Lira tem o apoio da maioria da bancada do PMDB.

Lobão e Sarney na delação da Odebrecht

A Revista Veja desta semana informa que o senador e presidente nacional do PMDB, Romero Jucá (RR), alvo de inquéritos relacionados à Operação Lava Jato, anda espalhando pelo Senado que o apelido Caju na delação da Odebrecht se refere ao senador maranhense Edison Lobão.

E Lobão não é o único maranhense que deve ser citado na delação da Odebrecht.

A ex-governadora Roseana Sarney e o ex-senador José Sarney aparecem nas planilhas da Odebrecht que listam pagamento de propina, segundo publicação do site Congresso em Foco. Sarney é descrito na lista pelo codinome “escritor”. A empresa é acusada de pagar propina para políticos e funcionários da Petrobras.

As planilhas foram apreendidas em fevereiro do amo passado com o então presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa Silva Júnior, no Rio de Janeiro, durante a fase Acarajé da Lava Jato. Os papéis, entre os quais cópias de planilhas com várias anotações a mão, atribuem doações eleitorais a cerca de três centenas de políticos, entre os quais Roseana e José Sarney.

PM do MA envolvido em confusão em Teresina pode perder a farda

Do site Elias Lacerda – O policial militar do Maranhão envolvido numa confusão na noite do último sábado (4) num dos clubes mais chiques de Teresina, o Iate Clube, pode perder a farda. De acordo com o Comandante da PM de Timon, coronel Xavier, o militar não trabalha no Batalhão timonense, ele é da Companhia de Colinas.

Em um vídeo que nas circula nas redes sociais, o policial militar saca de uma pistola .40 em plena festa de pré-carnaval e a segura na mão enquanto é envolto por seguranças e outras pessoas. Em aparente estado de embriaguez, o militar circula com a arma na mão dentro do salão até que é seguro por uma mulher e amigos. Ao ser convencido a deixar o ambiente é vaiado por muitos dos presentes. (veja o vídeo acima)

A posição da Polícia Militar

Em conversa com o eliaslacerda.com, o comandante da PM de Timon, coronel Xavier explicou que a pistola do militar está apreendida no 11º Batalhão timonense porque o militar não apresentou o documento da arma e a mesma pertence a polícia militar do Maranhão.

Xavier informou que o fato causou mal-estar em muitos da corporação. “Ele não foi preso porque na Delegacia de Flagrantes de Teresina o delegado não o autuou em flagrante. Ele ingressou na corporação em 2014. Ainda está em estágio probatório e agora vai ter que responder pelo fato que proporcionou. O comando do interior já está ciente do ocorrido e deve abrir procedimento administrativo para avaliar o caso. Nesses casos, normalmente, abre-se o processo de expulsão do militar, entretanto ele terá direito a defesa e deve ser apurado o que realmente aconteceu. O que impressiona e entristece é que este militar é do Cosar- a Companhia de Operações de Sobrevivência em Área Rural, tropa de elite da PM para o combate ao crime no interior”, disse.

Pai de Brunno Matos se pronuncia pela primeira vez

O pai do advogado Brunno Matos, Rubem Soares, sente-se revoltado com o resultado do julgamento dos acusados de matarem o seu filho na madrugada do dia 6 de outubro de 2014, no bairro do Olho D´Água em São Luís. Em comentário enviado a este blog, Rubem diz que a pena de oito anos ao assassino Diego Polary foi “lastimável, triste e vergonhoso!”.

Os  três acusados da morte do advogado Brunno Matos foram condenados pelo Juri Popular. O julgamento realizado pelo 2º Tribunal do Júri, no Fórum Desembargador Sarney Costa, resultou na condenação de Carlos Humberto Marão Filho, Diego Henrique Marão Polary e João José Nascimento Gomes. Diego Polary foi condenado a oito anos, Cláudio Marão pegou uma pena de seis anos e João José Nascimento Gomes foi sentenciado a um ano de prisão. Os acusados deverão recorrer das decisões em liberdade uma vez que o resultado dessas penas ainda serão transitados e julgados.

Segundo a decisão judicial, Diego Polary foi responsabilizado por ter sido o autor das facadas que levaram Brunno Matos a morte e foi condenado a oito anos de prisão; Carlos Humberto Marão por participação no homicídio e nas tentativas de homicídio foi condenado a seis anos de reclusão; e João José, que era o vigilante da rua na ocasião do crime, foi condenado a um ano de detenção.

Em publicação no Facebook, o pai de Brunno Matos desabafou: “Estou sem chão. No Brasil as coisas são assim mesmo. Você pode matar uma vez, nada acontece, basta ter curso superior e residência fixa. Uma pena de 8 anos para um assassinato e uma tentativa. O réu em questão, saiu pela mesma porta que entrou, mesmo condenado. Quem foi realmente condenado fomos nós, que perdemos nosso filho de forma brutal, dor que nunca passa, saudade que nunca cessará. Tenho certeza que onde o Brunno estiver, ele está muito triste, por ter abraçado uma profissão que hoje nos condenou a um sofrimento eterno“, declarou Rubem Soares.

Que os responsáveis por essa condenação reflitam e cheguem à conclusão que cometeram um grande equívoco“, completou.

Os condenados devem responder em liberdade, até o o julgamento do recurso em segunda instância que será feito pelo Tribunal de Justiça. Caso o TJ mantenha a condenação eles devem iniciar o cumprimento da pena. Os três réus foram sentenciados pelo Tribunal do Juri pelo homicídio e as duas tentativas de homicídio – contra o irmão de Brunno, Alexandre Matos, e do amigo Kelvin Kim Chiang – resultaram de uma discussão, decorrente de quebra de retrovisores de alguns veículos que estariam obstruindo o acesso à garagem da residência do acusado Marão Filho, localizada na Rua dos Magistrados, no bairro do Olho D’Água.

Sarneysistas usam dados desatualizados da Folha para atacar melhoria na balneabilidade das praias

Virou uma espécie de obsessão da oposição oligárquica contestar os avanços obtidos pelo governo Flávio Dino no que se refere a balneabilidade. Desde que o governador fez um vídeo-selfie explicando que a limpeza das praias estava em um processo longo de investimentos em saneamento que começaram a dar resultado, os que nunca conseguiram tal feito estão fazendo de tudo para desconstruir um avanço que trouxe vários benefícios para a ilha de São Luís.

Com apenas 4% dos esgotos tratados até o governo anterior, o quadro das praias de São Luís passou décadas em situação vergonhosa, o que afastou o turista e diminuiu o ritmo da economia do turismo. Desde que assumiu o Estado, tem sido uma das marcas do governador Flávio Dino o investimento em saneamento básico, fator que incide diretamente na balneabilidade das praias.

Dados divulgados neste domingo pelo site da Folha de São Paulo referentes ao ano de 2016 classificam as praias de São Luís como péssimas. O levantamento usa critério segundo o qual são consideradas “péssimas” as praias que passaram 50% do ano impróprias. Portanto, aponta um quadro já superado desde julho de 2016, quando os relatórios técnicos e laboratoriais passaram a apontar a balneabilidade de quase a totalidade das praias da capital.

A notícia foi festejada pela oposição oligárquica que, além de não querer ver a economia do turismo bem e pulsante, faz questão de querer desvirtuar todos os avanços obtidos pelo atual governo, sobretudo quando se trata de uma mudança concreta e que foi obtida com rapidez, o que denota ainda mais a incompetência e o descaso dos governos oligárquicos com o povo do Maranhão.

O último laudo de balneabilidade realizado pelo Laboratório de Análises Ambientais – LAA demonstra a manutenção do maior número de pontos balneáveis, já que 15, dos 21, pontos aferidos estão próprios para banho.

Várias estratégias estão em curso para a retomada da balneabilidade das praias da Região Metropolitana, entre elas a limpeza dos rios. De acordo com Flávio Dino, o Governo trabalha no Rio Pimenta e Claro e vai começar a despoluição do Rio Calhau em breve. Além disso, a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) estão concluindo obras que se prolongavam há muito tempo, inaugurou a Estação de Tratamento (ETE) do Vinhais e está recuperando elevatórias que são importantes para que esse sistema funcione.

A oposição que festeja as praias ‘impróprias’ e desinforma a população, é a mesma que ignorou levantamento feito pela Revista Exame no final do ano passado que, com dados atualizados, reconheceu que as praias de São Luís estão entre as mais limpas do Brasil.

E assim segue a oposição oligárquica, se apegando a números defasados, sem explicar os critérios utilizados com clareza e torcendo muito pela política que foi praticada nos últimos 50 anos no Maranhão: “quanto pior, melhor”.

Deu no Dr. Pêta (Jornal Pequeno)

A emocionante despedida que Lula fez para Marisa

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez neste sábado (4) uma emocionante despedida para Marisa Letícia, sua companheira por quase 43 anos. (assista ao vídeo acima)

Com o saguão do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campos (SP) lotado, onde o corpo da ex-primeira-dama foi velado, Lula fez as últimas homenagens a sua mulher.

“Marisa morreu triste porque a canalhice, a leviandade e a maldade que fizeram com ela… Quero provar que os facínoras que levantaram leviandades contra ela tenham um dia a humildade de pedir desculpas”, discursou Lula.

Olhando para o caixão de Marisa, o ex-presidente disse que “esse homem que está enterrando sua mulher hoje não tem medo de ser preso”.

“Descanse em paz, Marisa. O seu ‘Lulinha Paz e Amor’ vai ficar aqui para brigar por você”, avisou Lula, que foi às lágrimas.

Sarney, o melhor amigo de Lula

Na noite de quinta-feira (2), políticos foram ao Hospital Sírio-Libanês prestar condolências ao ex-presidente Lula pela morte de dona Marisa Letícia. Lá se iniciou um novo processo de diálogo entre o líder petista e o presidente Michel Temer.

Deste encontro, participava o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP), reverenciado por Lula.

Segundo relatos de presentes ao encontro, os elogios a Sarney foram os mais efusivos. Por diversas vezes, Lula se referiu ao ex-senador como ‘meu companheiro’ e ‘meu amigo’.

Antes do encontro com Lula, Temer e Sarney foram hostilizados por cerca de dez simpatizantes petistas, que gritaram “assassino” e “golpista” na porta do hospital. Eles não responderam aos ataques. José Sarney aparece nas planilhas da Odebrecht que listam pagamento de propina, segundo publicação do site Congresso em Foco. Sarney é descrito na lista pelo codinome “escritor”. A empresa é acusada de pagar propina para políticos e funcionários da Petrobras.

Relação de camaradagem

A relação de camaradagem dos dois ex-presidentes da República é antiga. Lula, juntamente com o PT, beneficiaram o quanto puderam a família Sarney, inclusive com a cassação do ex-governador Jackson Lago num golpe engendrado nos tribunais com o apoio do ex-presidente petista.

A bem da verdade, tanto a ex-governadora Roseana Sarney quanto o pai, o ex-senador José Sarney, usaram e abusaram dos governos Lula e Dilma. Se apoderam de ministérios, indicaram aliados para cargos federais de primeiro escalão dos governos petistas e ainda usufruíram do poder político junto ao Planalto para ganharem as eleições no estado.

José Sarney, então presidente do Senado, enfrentava uma avalanche de denúncias de corrupção. O então presidente Lula, em viagem à Ásia, a pretexto de defender Sarney, afirmou que o maranhense “tem história no Brasil suficiente para que não seja tratado como se fosse uma pessoa comum”. Claro que muito antes disso, antes de se tornarem amigos, mais precisamente em 1987, José Sarney era, segundo Lula, “o maior ladrão da Nova República”.

E não foi só uma vez que Lula saiu em defesa do pai de Roseana Sarney. Em visita ao Maranhão, Lula foi taxativo ao dizer que era “preconceito” qualificar de oligarquia a Famiglia que durante 50 anos esteve no controle do poder no Maranhão. Á época, Lula mandou inclusive um repórter se tratar. Conta-se nos bastidores que Sarney, presidente do Senado, evitou o impeachment de Lula.

Além das benesses físicas, Sarney também recebeu todo o apoio político de Lula e Dilma. Ele atrapalhou o mandato de Jackson Lago (ministros eram impedidos de vir ao estado) e depois cassou o pedetista com a ajuda de Lula. Sarney conseguiu também intervir na eleição de Flávio Dino, tirando o PT da coligação comunista em 2010, o que garantiu a vitória de Roseana.

Fora isso, Lula foi o maior defensor de Sarney quando este, presidente do Senado, enfrentava denúncias de nepotismo e corrupção. Graças ao ex-presidente e à tropa do PT, Sarney se manteve no cargo até o fim.

Câmara Municipal de São Luís realizará concurso público

Astro reúne a imprensa, fala em parceria e anuncia concurso

O presidente da Câmara Municipal de São Luis, vereador Astro de Ogum (PR), reuniu a imprensa no final da manhã deste sábado (4),  ocasião em que fez um pequeno balanço das suas atividades à frente daquele poder, afirmando que sempre se pautou por um trabalho compartilhado com a sociedade e anunciou que o Legislativo Municipal está no firme propósito de realizar concurso público ainda este ano, a ser organizado pela Fundação Sousândrade, para o preenchimento de alguns cargos, principalmente na área técnica.

Descontraído, Astro disse que a Câmara tem um repasse constitucional da ordem de R$ 6,3 milhões, enfatizando  que, com esse montante, tem arcar com as despesas da folha, de custeio e com as previdências federal e municipal, entre outros compromissos.

“Consegui fazer com que algo em torno de 40 servidores, que já estavam com mais de 70 anos, fossem aposentados, após quitar débitos com o IPAM. Também saldamos  as dívidas com o INSS e a Câmara está conseguindo se movimentar”, ressaltou Astro de Ogum.

Concurso público

“Durante todo esse tempo de existência, a Câmara Municipal jamais realizou um concurso público e o primeiro será realizado este ano. Temos que nos adequar à realidade, temos de avançar no tempo. Tenho  certeza de que serei um presidente marcante nesta Casa em seus quatro séculos de existência”, acrescentou  Astro de Ogum.

Sobre seu relacionamento com a imprensa, ele foi bastante enfático: “A boa imprensa, aquela imprensa séria, compromissada com a verdade é fundamental sobre todos os aspectos no contexto da sociedade. Merece o nosso respeito e a nossa admiração, até porque ela nos orienta e nos auxilia, ao contrário de uma parte da imprensa, que age por interesses escusos , essa merece a nossa repulsa”, salientou.

  Ele também falou sobre as obras estruturais feitas no prédio, acrescentando que a Câmara continua sendo adequada à sua importância, oferecendo maior comodidade a quem nela trabalha e a quem  a procura.

Conforme Astro de Ogum, são 31 vereadores, cada um com sua liberdade de ação, dentro de suas escolhas de cunho partidário e ideológico. “Fui reeleito presidente por unanimidade dentro de um conjunto de diversos matizes partidários. Isso mostrou um grau de confiança dos colegas e isso tenho tentado corresponder de todas aas formas, com muito trabalho e muita dedicação”, acrescentou.

Mostrando-se preocupado com os servidores que não tem estabilidade, disse que vem buscando alternativas para que não sejam prejudicados por conta do concurso público que será realizado.

“Aqui tem gente beirando os 30 anos de serviço, mas sem qualquer amparo dentro das leis que regem o serviço público. Garanto que essas pessoas jamais serão prejudicadas, porque esse não é o nosso pensamento. O que queremos é ajudar a quem tem folha de serviço prestado a este poder” finalizou o presidente da Câmara Municipal.

Deu na Veja: além de Sarney e Roseana, Lobão deve aparecer na delação da Odebrecht

A Revista Veja desta semana informa que o senador e presidente nacional do PMDB, Romero Jucá (RR), alvo de inquéritos relacionados à Operação Lava Jato, anda espalhando pelo Senado que o apelido Caju na delação da Odebrecht se refere ao senador maranhense Edison Lobão.

E Lobão não é o único maranhense que deve ser citado na delação da Odebrecht.

A ex-governadora Roseana Sarney e o ex-senador José Sarney aparecem nas planilhas da Odebrecht que listam pagamento de propina, segundo publicação do site Congresso em Foco. Sarney é descrito na lista pelo codinome “escritor”. A empresa é acusada de pagar propina para políticos e funcionários da Petrobras.

As planilhas foram apreendidas em fevereiro do amo passado com o então presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa Silva Júnior, no Rio de Janeiro, durante a fase Acarajé da Lava Jato. Os papéis, entre os quais cópias de planilhas com várias anotações a mão, atribuem doações eleitorais a cerca de três centenas de políticos, entre os quais Roseana e José Sarney.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, homologou as 77 delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht na última segunda-feira, 30, sem remover o sigilo do material. A decisão sinaliza à opinião pública que o Supremo não deve retardar as investigações sobre a Operação Lava Jato.

A decisão ministra Cármen Lúcia torna oficiais os depoimentos de 77 executivos e ex-executivos da empreiteira. Agora, as centenas de páginas de depoimentos produzidos pela operação Lava Jato serão analisados pela Procuradoria Geral da República (PGR). A partir disso, os procuradores decidirão contra quem serão apresentadas denúncias à Justiça.

Segundo a assessoria de imprensa da PGR, cabe ao Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, analisar essas delações, mas não há um prazo para que isso seja feito.

Uma vez feitas as denúncias, caberá ao relator do processo no STF, ministro Edson Fachin, decidir se elas devem ser aceitas ou não.

Policiais impedem suicídio em frente ao Palácio dos Leões

Policiais Militares de São Luís impediram que um homem cometesse ato de suicídio em frente ao Palácio dos Leões (sede do governo do Maranhão). Conforme imagens do vídeo (acima), os PMs, em uma atitude nobre que merece aplausos, conversam pacientemente com o rapaz que está em cima da mureta a ponto de se jogar. Depois de muita conversa, um dos policiais se aproxima e evita que o cidadão cometa o suicídio. Parabéns ao trabalho da Polícia Militar.

Informe JP – Sobre o julgamento da morte de Brunno Matos

Lula diz a Temer lamentar ruptura de diálogo com FHC

This handout picture released by the Brazilian Presidency on February 3, 2017 shows Brazil's President Michel Temer (L) giving his condolences to former president Luis Inacio Lula da Silva after the death of Lula's wife Marisa Leticia at the Sirio-Libanes Hospital in Sao Paulo. The wife of Brazil's embattled former president Luiz Inacio Lula da Silva died on February 2, a week after she was hospitalized with a brain hemorrhage, doctors in Sao Paulo said. / AFP PHOTO / BRAZILIAN PRESIDENCY / Beto Barata / RESTRICTED TO EDITORIAL USE - MANDATORY CREDIT "AFP PHOTO /BETO BARATA/BRAZILIAN PRESIDENCY " - NO MARKETING - NO ADVERTISING CAMPAIGNS - DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS ORG XMIT: NAL003O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ao presidente Michel Temer que lamenta não ter conversado mais com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao longo dos anos.

Na noite quinta-feira (2), ao receber a visita do presidente no hospital Sírio-Libanês –onde sua mulher, Marisa Letícia, foi internada– Lula se disse disposto a dialogar com Temer sobre reforma política e agenda econômica.

No encontro com Temer, o petista lembrou que, por várias vezes, ele e FHC desenharam uma aproximação. Mas que, por culpa dos dois, o movimento nunca se concretizou.

O petista citou também a viagem em que, a convite da então presidente Dilma Rousseff, ele, FHC, e os ex-presidentes Fernando Collor e José Sarney foram ao enterro de Nelson Mandela, na África do Sul. Reunidos, os ex-presidentes concordaram que seria necessário conversar mais. O encontro, no entanto, nunca se repetiu.

Visivelmente comovido com a iminência da morte de sua mulher, Lula elogiou a atitude de FHC, que o visitara sete horas antes. Segundo o senador Cassio Cunha Lima (PSDB-PB), Lula afirmou que a visita de FHC é “um exemplo pedagógico para os jovens”.

Por várias vezes, Lula afirmou que pretende conversar com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, presente ao encontro. Ele aconselhou Temer a mudar o argumento adotado em defesa da reforma previdenciária.

Segundo Lula, é um erro afirmar que a Previdência Social está quebrada. O correto seria alegar que a aposentadoria das futuras gerações está em jogo.

Na conversa, Lula insistiu que as divergências políticas não podem impedir o diálogo. Lula deu um abraço no ministro José Serra (PSDB) dizendo que tinham uma boa relação pessoal, embora tenham disputado uma eleição presidencial.

Ele chamou Sarney, presente ao encontro, de amigo. Ainda segundo participantes, Lula relatou ter recebido horas antes a visita da senadora Marta Suplicy (PMDB-SP). À comitiva liderada por Temer, reproduziu o que dissera a Marta.

“Para mim, não interessa que você tenha brigado com o PT aqui [de São Paulo]”.

Lula citou ainda o ex-governador pernambucano Eduardo Campos (PSB) –morto em 2014 num acidente aéreo. Disse que Campos criticava sua política de fomento da economia. Lula defendeu sua agenda econômica, alegando ter permitido o aquecimento da indústria brasileira.

A conversa com Temer consumiu 18 minutos. Só depois, Lula foi informado que o presidente fora chamado de “assassino” por um grupo de militantes petistas na chegada ao hospital.

Informado do contratempo, Lula reclamou com amigos. Disse aos aliados que não gostaria de transformar o momento das condolências em um “espetáculo de intolerância”. Ele também afirmou que os petistas deveriam servir de modelo contra o ódio. A seu pedido, militantes e sindicalistas foram orientados a deixar a portaria do hospital.

Na tarde desta sexta (3), Lula recebeu Dilma. Ao lado do empresário Josué Gomes, Lula e Dilma lembraram da luta travada contra o câncer pelo ex-vice-presidente José Alencar, que morreu em 2011. Na conversa, Lula e Dilma afirmaram que Alencar fora um guerreiro. Lula confessou que se arrepende até hoje de não ter insistido para que Alencar fosse à sua posse em 2007.

Filho de Alencar, Josué revelou ter comprado um sapato novo para que Alencar participasse da posse. Mas disse que sua mãe nunca permitiria que o pai, doente à época, cometesse essa extravagância. O sapato nunca foi usado. (Folha de SP)

Vereadores de São Luís cotados para disputar eleição de 2018

A eleição de 2018 deve contar com a participação de um bom número de vereadores de São Luís.

Os vereadores Astro de Ogum (foto), Ricardo Diniz, Gutemberg Araújo, Pavão Filho, Pedro Lucas, Honorato Fernandes devem disputar um mandado de deputado no próximo ano.

Todos têm grandes chances de serem eleitos, o que abriria vaga para os suplentes Barbosa Lages, Rommeo Amin, Armando Costa, Melk, Joãozinho Freitas, Antonio Garcez.

Estudam também participar do pleito eleitoral de 2018 os vereadores Marquinhos, Beto Castro e Josué Pinheiro.

Em encontro em SP, Lula e Temer acertam retomada de diálogo

A noite de quinta-feira, no Hospital Sírio-Libanês, quando políticos foram prestar condolências ao ex-presidente Lula pela morte de dona Marisa Letícia, não foi só de gestos de solidariedade. Lá se iniciou um novo processo de diálogo entre o líder petista e o presidente Michel Temer.

Depois de contar a Temer e ao grupo que acompanhava a visita sobre os últimos momentos da “galega”, como chamava a esposa, Lula, abatido, com olhos vermelhos, quis conversar um pouco sobre o governo do peemedebista. Segundo relatos, o petista fez comentários sobre a política econômica liderada pelo ministro Henrique Meirelles (Fazenda) e emendou: é hora de todos os ex-presidentes se unirem para ajudar o país, inclusive ele.

— Estou pronto e à disposição para esse diálogo — disse Lula a Temer, ressaltando que os ex-presidentes têm muito a contribuir neste momento pela experiência e crises que já atravessaram, segundo relatou um participante da conversa.

Deste encontro, participava o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP). Horas antes, Lula havia recebido a visita do ex-presidente Fernando Henrique, com quem teve conversa no mesmo sentido, o que quebrou o gelo para a abordagem feita à noite com o atual presidente.

A Temer e aos peemedebistas que acompanharam a visita, em uma sala reservada do hospital, Lula contou que havia considerado um “gesto importante” de Fernando Henrique a iniciativa de abraçá-lo num momento de dor. E, neste momento da conversa, é que propôs a retomada do diálogo. Lembrou que em 2013, quando ele, Fernando Henrique, Sarney, Dilma Rousseff e Fernando Collor de Mello viajaram juntos para a África do Sul para acompanhar o funeral de Nelson Mandela, haviam discutido essa ideia. Observou que, até então, não foi colocada em prática e que este seria o momento ideal.

Apesar das vaias recebidas por Temer na porta do Sírio-Libanês, sua ida foi cuidadosamente planejada. O peemedebista conversou ao telefone com a direção do hospital para fazer saber se não seria inconveniente fazer a visita. Foi então que Lula deu sinal verde para o encontro. (O Globo)

 

Base de distribuição de combustíveis será construída no Itaqui

Atraída pelo crescimento da economia do Centro-Oeste e parte da região Norte, especialmente por conta do desempenho do agronegócio, a Raízen vai investir R$ 200 milhões de recursos próprios em uma base de distribuição de combustíveis (gasolina, diesel, querosene de aviação) no polo industrial de São Luís, no Maranhão, no Porto de Itaqui. O empreendimento fica fora da área de concessão portuária.

Ainda em fase de licenciamento ambiental, o projeto deve ser concluído em até dois anos e será o maior terminal de distribuição da companhia isoladamente, sem a participação de outros sócios. A base de distribuição vai ocupar uma área de dez hectares do governo do Maranhão pela qual a empresa pagou R$ 1 milhão.

A cifra equivale a 20% do valor de mercado do terreno, que a companhia desembolsou pelo seu uso, mediante o compromisso de geração de empregos e outras contrapartidas sociais. Com a base de distribuição, a empresa quer dobrar em dois anos o volume de combustíveis que movimenta na região, hoje de 1,2 bilhão de litros por ano.

“Estamos investindo para eliminar os gargalos, apesar da crise”, afirma Nilton Gabardo, diretor de Desenvolvimento de novos negócios e infraestrutura da Raízen. Ele conta que, desde que a Raízen foi formada, em 2011, a partir de uma associação entre a Shell e a Cosan, a companhia tinha intenção de ampliar a capacidade de distribuição na região, mas não conseguiu investir no porto por questões de legislação.

Agora o projeto começa a se concretizar e deve, segundo Gabardo, reduzir o custo dos combustíveis localmente e garantir o abastecimento da rede de postos na região. A empresa, segundo ele, não dava mais conta de atender aos postos da Shell na região, que inclui Maranhão, leste e sul do Pará, Tocantins e Piauí. Mais da metade do volume de combustíveis dessa área é movimentada por operadores logísticos. Isso representa custos adicionais, que oneram o preço dos produtos. A empresa tem 600 clientes na área de influência do terminal portuário de São Luís, entre postos Shell, postos com bandeira branca e clientes empresariais (B2B).

“É um investimento para propiciar o crescimento da empresa nessa área geográfica que pega o meião do Brasil: Tocantins, Maranhão e leste do Pará, onde a fronteira agrícola ainda está se desenvolvendo”, observa o diretor.

Ele lembra também que a sinalização da Petrobrás de que não pretende investir em logística e de que pode vender o controle acionário da BR Distribuidora acelerou o processo. (Estadão)

Veja o vídeo: Temer, Sarney e Serra são hostilizados

Eram 22h30 desta quinta-feira (2) quando o presidente Michel Temer (PMDB) e o ex-senador José Sarney (PMDB) chegaram ao hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, acompanhados de uma comitiva de pelo menos quinze aliados para visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB), também fazia parte da comitiva.

Temer e Sarney entraram pela porta principal do hospital e foram hostilizados por cerca de dez simpatizantes petistas, que gritaram “assassino” e “golpista”. Eles não responderam aos ataques. José Sarney aparece nas planilhas da Odebrecht que listam pagamento de propina, segundo publicação do site Congresso em Foco. Sarney é descrito na lista pelo codinome “escritor”. A empresa é acusada de pagar propina para políticos e funcionários da Petrobras.

A comitiva de Temer ficou meia hora dentro do hospital. O presidente, que estava apressado e nervoso, assim como seus aliados, cumprimentou Lula em uma sala reservada na presença do ex-ministro Jaques Wagner e do ex-prefeito de São Bernardo do Campo (SP) Luiz Marinho –os dois petistas mais próximos ao ex-presidente atualmente.

Lula recebeu a comitiva liderada por Temer agradecendo o gesto e dizendo estar feliz com o fato de eles terem deixado “a disputa política” de lado para levar a ele votos de solidariedade.

Grupo Sarney perde o apoio do PRTB

Caso Roseana Sarney ou outro membro do grupo Sarney se candidate a governador no próximo ano, não poderá mais contar com o Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB). Em release distribuído nesta sexta-feira (3), o partido anunciou que está fechado com a candidatura de Roberto Rocha ao governo.

“Se em 2014, não estivemos juntos, em 2018 estaremos, com certeza”, garante o presidente estadual do partido no Maranhão, Márcio Coutinho.

No último sábado, 29, Roberto Rocha participou de um encontro estadual do PRTB, realizado no Hotel Veleiros, com a presença do presidente nacional do PRTB, Levy Fidélix, que encontrava-se em São Luís para a inauguração da nova sede do partido. Pré-candidato à Presidência da República, Levi Fidélix reafirmou o apoio do PRTB a Rocha.

O PRTB no Maranhão tem um histórico de apoio ao grupo Sarney e, no próximo ano, será a primeira vez que a sigla não marchará com o clã. O ex-senador José Sarney e a ex-governadora Roseana não ficaram nada satisfeitos.

Informe JP- Waldir se comporta

Assassino de Bruno Matos é condenado a 8 anos de prisão

Os  três acusados da morte do advogado Brunno Matos, assassinado em outubro de 2014 foram condenados pelo Juri Popular. O julgamento realizado pelo 2º Tribunal do Júri, no Fórum Desembargador Sarney Costa, resultou na condenação de Carlos Humberto Marão Filho, Diego Henrique Marão Polary e João José Nascimento Gomes. Diego Polary foi condenado a oito anos, Cláudio Marão pegou uma pena de seis anos e João José Nascimento Gomes foi sentenciado a um ano de prisão. Os acusados deverão recorrer das decisões em liberdade uma vez que o resultado dessas penas ainda serão transitados e julgados.

Segundo a decisão judicial, Diego Polary foi responsabilizado por ter sido o autor das facadas que levaram Brunno Matos a morte e foi condenado a oito anos de prisão; Carlos Humberto Marão por participação no homicídio e nas tentativas de homicídio foi condenado a seis anos de reclusão; e João José, que era o vigilante da rua na ocasião do crime, foi condenado a um ano de detenção.

Os condenados devem responder em liberdade, até o o julgamento do recurso em segunda instância que será feito pelo Tribunal de Justiça. Caso o TJ mantenha a condenação eles devem iniciar o cumprimento da pena. Os três réus foram sentenciados pelo Tribunal do Juri pelo homicídio e as duas tentativas de homicídio – contra o irmão de Brunno, Alexandre Matos, e do amigo Kelvin Kim Chiang – resultaram de uma discussão, decorrente de quebra de retrovisores de alguns veículos que estariam obstruindo o acesso à garagem da residência do acusado Marão Filho, localizada na Rua dos Magistrados, no bairro do Olho D’Água.

O advogado Brunno Matos, de 29 anos, foi assassinado a facadas na madrugada do dia 6 de outubro de 2014. Alexandre Matos e Klevin Chiang também foram feridos com arma branca.

Entenda o caso

Brunno com o irmão Alexandre e o pai Rubens (Foto: Arquivo Pessoal)

O advogado Brunno Eduardo Soares Matos, de 29 anos, foi assassinado a facadas na madrugada do dia 6 de outubro de 2014, após a festa de comemoração do senador eleito Roberto Rocha (PSB), realizada no comitê de campanha do candidato, no bairro Olho-d’Água, em São Luís.

O irmão dele, Alexandre Soares Matos, e o amigo Kelvin Kim Chiang, também foram feridos. Segundo informações da polícia, o crime teria sido resultado de uma discussão por causa do som alto da festa.

Inicialmente, Carlos Humberto Marão Filho, de 38 anos, foi aprontado como principal suspeito do crime. No dia 16 de outubro, o vigilante João José Nascimento Gomes assumiu a autoria do assassinato. À polícia, ele disse que não lembra a ordem dos fatos, mas que foi ele quem desferiu os golpes de faca nas vítimas. No dia 21 de outubro o vigilante foi até a sede da Ordem dos Advogados do Brasil da seccional do Maranhão (OAB-MA) e negou toda a autoria do crime.

Ele disse que foi coagido por um advogado a assumir a autoria do crime e ainda que teria recebido a quantia de R$ 4,9 mil para declarar-se culpado. (Com informações do MA 10 e G1MA)

Página 5 de 615« Primeira...34567...102030...Última »