Fechar
Buscar no Site

Diretórios do PSDB nos estados refletem divisão tucana

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), ao lado o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), durante entrevista após reunião do partido

A divisão na disputa pelo comando nacional do PSDB se repete na maioria dos estados, que fazem hoje suas convenções para eleição dos diretórios. O resultado dessas eleições indicará a correlação de forças entre os candidatos a presidente do partido, na convenção de 9 de dezembro, até agora o senador Tasso Jereissatti (CE) e o governador de Goiás, Marconi Perillo. Entre os convencionais, entretanto, há um apelo para que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, seja aclamado novo presidente para evitar o agravamento da disputa interna.

São Paulo, com cerca de 100 convencionais, está dividido, mas Tasso tem a simpatia da maioria, além dos 25 delegados do diretório do Ceará eleitos ontem. Marconi tem fechado Goiás, com 27 delegados, e apoio quase maciço dos 90 convencionais de Minas Gerais, aliados do presidente licenciado Aécio Neves (MG).

O atual presidente do diretório paulista, que deve ser reconduzido ao cargo, o deputado estadual Pedro Tobias, já explicitou apoio a Tasso. Mas o senador tem a oposição de convencionais ligados ao ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes Ferreira, ao senador José Serra, ao prefeito João Doria e ao presidente do Instituto Teotônio Vilela, José Aníbal.

— O apoio do Pedro Tobias não significa que o partido em São Paulo irá apoiar Tasso. Teremos mais de 40%, se não for mais. O Tasso vai se surpreender com os diretórios de todo o país. Está agindo como um coronel que não agrega e isso assusta — disse José Aníbal.

No Acre os sete convencionais devem votar em peso em Tasso. Seus adversários o acusam de ter feito uma intervenção no diretório do estado.

— Aqui estamos 100% fechados com Tasso. A Executiva antiga tinha sido apagada mas ganhamos na Justiça o direito de reativar a diretoria eleita há dois anos — disse o deputado federal Rocha.

Outro estado onde Tasso tem forte apoio é na Paraíba do senador Cássio Cunha Lima e do filho, o deputado cabeça preta Pedro Cunha. O atual presidente, Ruy Carneiro, será reconduzido e a maioria dos 15 votos é pró-Tasso.

Na Bahia, o deputado João Gualberto, presidente do diretório e que será reconduzido, acredita que Tasso terá cerca de 60% do apoio nacional para assumir a presidência.

Em Minas, o deputado Domingos Sávio, aliado de Aécio e um dos mais ferrenhos críticos de Tasso, será reconduzido para dirigir o partido. Fora esses casos, poucos dirigentes locais anunciam voto. (O Globo)

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

2 respostas para “Diretórios do PSDB nos estados refletem divisão tucana”

  1. Mandioca disse:

    De uma coisa eles tem certeza: Não acompanharão comunistas em nenhum estado, independente de ser primeiro ou segundo turno.

  2. Carlos disse:

    Quem dera que todos os estados do Brasil tivesse um governo comunista o Brasil tava muito bem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens