Fechar
Buscar no Site

Uma grande vitória para o Maranhão

José Reinaldo Tavares

O mundo bate palmas para o Maranhão. Não é à toa que venho falando que o melhor porto brasileiro está em construção no Maranhão, precisamente em Alcântara. E atenderá ao Centro Espacial Brasileiro, com minério, grãos, fertilizantes, terminais de gás natural, combustíveis, cargas em contêineres, artefatos espaciais e todo o tipo de carga que for necessário transportar.
O Terminal Portuário de Alcântara, TPA, é um porto privado de empresários nascidos em Portugal, que moram há quase uma década em São Luís. São engenheiros experientes, com muita experiência em portos, ferrovias, pontes, rodovias e obras civis.
O TPA tem localização privilegiada, escolhida por eles com assessoria da Associação dos Práticos que são, por dever de ofício, conhecedores profundos da baia de São Marcos, de seus canais, suas correntes e das profundidades de cada região da Baía, por isso a escolha foi de um acerto enorme e graças às condições em que será construído, um porto inigualável.
Para isso, tiveram que estudar, com empresas especializadas, de dentro e fora do país, todas as condições possíveis para terem e fornecerem segurança total na operação do porto. Estudos como os projetos de engenharia do terminal portuário e do ramal ferroviário; estudos de demanda do empreendimento; estudo das condicionantes sócio ambientais, levantamento batimétrico; medição de velocidade das correntes; estudo de modelagem hidrodinâmica; estudo de sedimentação do canal de acesso e da bacia de manobra dos navios; simulação “real time” de manobras dos navios (realizada na Dinamarca); simulações de operações portuárias; orçamento do empreendimento; estudo de modelagem econômico-financeira; estudo de impacto econômico do empreendimento.
Todos esses estudos resultaram em um porto muito bom, com oito berços, todos com profundidade natural de 25m e em um canal de acesso diretamente ligado ao canal principal de acesso aos portos da baía, com largura e profundidades adequadas ao empreendimento e com uma área de retroporto imensa, um diferencial positivo a mais nesse terminal portuário.
Assim poderá operar com os maiores navios disponíveis, o que permitirá fretes até 40% mais baixos do que em outros portos brasileiros.
Por essas virtudes, todas no 13º Fórum Global de Liderança em Infraestrutura, que identifica avanços inovadores em projetos de engenharia, em encontro realizado em Washington D.C., em 17 de setembro de 2020, a CG/LA anunciou os vencedores do Prêmio Projeto do Ano em Infraestrutura 2020.
Os prêmios reconhecem os projetos – e os líderes por trás dos projetos – identificados como modelos globais. São cinco categorias: Criação de Empregos; Sustentabilidade, Infraestrutura verde; Finanças, financiamento; Engenharia e Estratégica. Os vencedores foram: 1- Criação de Empregos – Sistema Metropolitano Integrado de Trânsito em Florianópolis, Brasil.
2 – Infraestrutura Verde, Sustentabilidade: HYdroPort Wales – País de Gales, Reino Unido, um terminal de contêineres que funciona com energia de turbinas reversíveis, que produzem energia quando a maré passa por elas, na subida e descida.
3- Finanças / Financiamento: Centro de Transporte Solidário. A Polônia é um centro de transferência planejado nos limites de Varsóvia, que integrará transporte aéreo, ferroviário e rodoviário. O aeroporto atenderá 45 milhões de passageiros/ano. A base é que, para qualquer lugar a que se destina no país, o passageiro chegará ao seu destino em 2,5 horas.
4 – Engenharia: Terminal Portuário de Alcântara, Brasil. É uma solução logística multimodal que compreende um porto de águas profundas e uma ferrovia, a Ferrovia do Maranhão. Existem três segmentos de mercado: agrobusiness, minério de ferro e o Centro Espacial que resultam no desenvolvimento desse terminal.
5- Estratégico: o Plano Clara, Austrália é um projeto multibilionário que liga Sidney e Melbourne. Esse projeto integrativo está procurando construir uma cidade inteligente entre as duas áreas metropolitanas, conectando-as por uma Auto Estrada desenhada e projetada para altas velocidades a um custo de US$ 11,9 bilhões e mais US$ 3,49 bilhões para a infraestrutura inicial da cidade inteligente, incluindo hospitais, sistemas de trânsito, escolas, água e esgoto, energia, etc.
Prêmio Internacional – O Terminal Portuário de Alcântara foi escolhido entre mais de 300 grandes projetos de todo o mundo. Os prêmios são patrocinados pelo principal provedor de software de projetos de capital a Oracle Construction and Engineering. Esse prêmio é uma grande distinção a esses projetos facilitando a captação de recursos de grandes fundos de investimento.
O TPA na verdade, com a projeção de crescimento do agrobusiness e da exportação de minérios na região do Arco Norte é uma solução para o Brasil que cresce, pois o potencial do Matopiba deverá chegar ao seu limite com 150 milhões de toneladas/ano de grãos, conforme disse a Agroconsult, quinta passada. E deverá vir de Mato Grosso com a conclusão da Ferrovia de Integração do Centro Oeste (FICO) e da Ferrovia Norte Sul cerca de 43 milhões de toneladas/ano.
Por onde escoaria toda essa produção sem o Terminal Portuário de Alcântara e da Ferrovia do Maranhão? Temos que levar em conta que a Ferrovia dos Carajás não vai conseguir atender, mesmo porque a Vale vai aumentar muito a sua produção de minério, que ocupará essa ferrovia por inteiro ou então a Vale sairá muito prejudicada.
Esse prêmio veio na hora. Mostra que estamos certos em nossa pretensão logística. Precisamos fazer a Ferrovia do Maranhão e a EF-232, ligando Balsas a Estreito. O futuro de toda uma região depende disso. Não vamos esperar pelo Ministério, vamos tocar adiante, pois sabemos como fazer.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens