Fechar
Buscar no Site

Texto do Pr. Sérgio, publicado na PG do Jornal Pequeno do dia 30/05/2021

A IRA E O MAL PROCEDER HUMANO COMO CONSEQUÊNCIA DO PECADO.

“Disse o Senhor a Caim: por que andas irado, e por que descaiu o teu semblante? Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo.” (Gn 4: 6,7).

A maldade que se instalou no coração humano é uma terrível consequência do seu pecado, que primariamente se caracteriza por sua rebeldia contra Deus e a não rendição ao Seu senhorio.
Assim, ao insistir em andar na absoluta independência de Deus, o ser humano está sempre caminhando por terrenos inóspitos e inseguros. E essa insegurança acentua a sua ira, que desemboca em maus procedimentos na vida.
Todavia, o homem precisa entender e reconhecer que, ira, insegurança, e maus procedimentos são efeitos e não a causa do pecado. A causa, pois, está em sua relutância em entregar total e absolutamente o comando e o controle da sua vida, ao Senhor.
O homem precisa reconhecer a sua completa ineficácia em conduzir a sua própria vida, afastado, distanciado, divorciado do Eterno. Fora de Deus, nada é capaz de produzir uma segurança inabalável; nem dinheiro, nem poder, nem intelectualidade, ou qualquer outra coisa que perece e se desfaz quando a vida se vai.
Isto posto, quando nos vemos na prática de maus pressentimentos, de forma a causar dor e sofrimento aos outros, antes mesmo de tentar combater apenas esse mau pressentimento (efeito) ; seria prudente e sábio, checar se não estamos distantes de Deus (causa) . E o único antídoto contra o distanciamento de Deus é a reconciliação com Ele por meio de Jesus Cristo.
Quando reconciliamo-nos com Deus, isso, inevitavelmente desemboca na reconciliação com os outros e também com a nossa própria interioridade. Pare e pense nisso! (Pastor Sérgio Lima, escravo de Cristo por causa da Cruz. Escravo alforriado, mas escravo).

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens