Fechar
Buscar no Site

“Me assusta como Deus me mudou tão rápido”, diz ex-traficante que se entregou a Jesus

Vincent Dorsett passou a pregar nas ruas após sua conversão. (Foto: Reprodução / God Reports)

Vincent Dorsett tornou-se um traficante de drogas em Nova York. Ele era do tipo que nunca usava drogas, um truque que aprendeu com uma garota no colégio que, segundo ele conta, aproveitou-se de sua própria beleza e sua solidão e se lançou para corrompê-lo.

Ele ganhou muito dinheiro vendendo drogas, mas percebeu que outros traficantes chamaram a atenção das autoridades quando compraram carros luxuosos e acabaram na prisão.

A operação de Dorsett atingiu níveis impressionantes. Ele diz que até tinha policiais em sua folha de pagamento.

Mas ele não gostou da pessoa que se tornou. “Eu realmente não gostava do que fazia para viver, embora tivesse muito sucesso”, diz ele.

Desejando deixar aquela vida para trás Dorsett mudou para Tucson, Arizona.

“Achei que meu problema era Nova York. Se a deixasse, mudaria. Eu era traficante de drogas. Eu estava fugindo de mim”, lembra ele. “Mas quando vim para Tucson, descobri que o mesmo Vincent estava aqui comigo. Descobri que os remédios eram ainda mais baratos aqui e eu poderia me tornar uma pessoa muito poderosa muito rapidamente. Comecei a fazer isso.”

Planos alterados

Ele comprou drogas e recrutou traficantes para as ruas, mas dois dias antes do lançamento do negócio ilícito, ele se distraiu. Ele estava com a namorada quando ouviu um homem gritando com um cristão na rua.

“Ele estava dizendo que o sangue de Jesus era uma mentira”, lembra Dorsett. “Ele disse que o sangue de Jesus era igual ao de qualquer outra pessoa.”

Com sua curiosidade aguçada, Dorsett – que usava em suas correntes de ouro uma meia-lua muçulmana, um crucifixo católico e uma estrela de Davi sem saber o que qualquer um deles significava – aproximou-se do homem furioso e pediu uma explicação.

Eles marcaram um encontro para o final da tarde na casa de Dorsett, mas o homem nao apareceu.

No dia seguinte, Dorsett o viu na quadra de basquete local e o abordou para perguntar por que o havia deixado esperando.

“Você foi o cara que disse que o sangue de Jesus era uma mentira”, disse ele ao homem. Mas Dorsett havia se enganado.

Estudo bíblico

Era um caso de identidade equivocada. Mas o homem o convidou para um estudo bíblico. “Ele olhou para mim como se eu fosse louco”, diz Dorsett.

“O sangue de Jesus me libertou”, disse ele.

No estudo, Dorsett se perguntou porque a alegria dos outros caras, então quando o líder disse abertamente se alguém queria experimentar a mesma alegria – como se ele lesse seus pensamentos – sua mão se ergueu.

Ao aceitar Jesus em seu coração com uma oração de salvação, Dorsett não sentiu nada.

Mas deram a ele um livrinho que ele leu em casa. Quando ele viu que seus pecados foram perdoados e ele passou a ser uma nova criação, Dorsett conta que experimentou algo sobrenatural.

Livrando-se do passado

“Parecia que alguém jogou algo em cima de mim”, disse ele. Então a alegria veio em ondas. “Comecei a rir tanto que caí da poltrona reclinável em que estava sentado.”

Quando sua namorada apareceu, ele ainda estava no chão. Ela o abraçou e ele a afastou. “Não podemos mais fazer isso”, disse.

“Por quê?” ela perguntou. Foi estranho porque Dorsett era muito dado ao pecado sexual, conta.

Ele tentou explicar como havia aceitado Jesus e sido transformado. “Voltarei amanhã, quando você recobrar o juízo”, disse ela ao sair.

Em seguida, ele jogou as drogas no vaso sanitário. Novamente ele teve a sensação de que óleo estava sendo derramado sobre ele. “Uau, acho que estou fazendo a coisa certa”, concluiu.

Ele derramou o vinho na pia. Mais uma vez, o “óleo fluiu”. “Foi uma noite explosiva”, lembra Dorsett. “Me assusta como Deus me mudou tão rápido.”

Pregando Jesus

Dorsett começou imediatamente a frequentar a Door Church, onde se casou e teve três filhas. Ele se tornou gerente do Wal-Mart e sempre estava nas ruas falando às pessoas sobre Jesus.

Foi aí que ele começou a ter problema com a polícia. Para um cara que nunca teve problemas com os policiais enquanto vendia drogas, parecia estranho ser preso por empurrar Jesus. Ele ia a bares e encorajava os clientes a se arrependerem.

“O único problema que tive com os policiais foi quando fui salvo”, diz ele. “Quando comecei a pregar nas ruas, fui ser preso.”

Mas logo depois, os policiais começaram a deixá-lo sozinho. Por fim, tornou-se amigo dele e até começou a recomendar lugares para ele ir e pregar para ajudar na limpeza, diz ele. Ele liderou um grupo nas “marchas de Jericó” em torno de teatros e estabelecimentos de leitura de mãos proibidos para menores.

Hoje, os alunos em muitas localidades são ensinados a odiar a polícia e pisar na bandeira americana.

“Eu sempre odeio os mascates de corrida que tentam nos fazer odiar uns aos outros”, diz ele. “Minha mãe era meio judia e meio indiana. Meu pai era das Bahamas. Então, realmente me incomoda quando eles chamam os brancos de ‘demônios’”.

Ele agora frequenta uma igreja com um grande número de policiais, enfermeiras e socorristas. Ele se aposentou do emprego, mas não do evangelismo na rua.

Fonte/ Guiame

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens