Fechar
Buscar no Site

Quase 550 igrejas evangélicas foram fechadas em um semestre, na China

Cruz que foi derrubada por funcionários do governo chinês em uma igreja protestante no vilarejo de Taitou, na província de Zhejiang, em 2015.  (Foto: Mark Schiefelbein / Associated Press)

Cruz que foi derrubada por funcionários do governo chinês em uma igreja protestante no vilarejo de Taitou, na província de Zhejiang, em 2015. (Foto: Mark Schiefelbein / Associated Press)

Por ordem direta do presidente Xi Jinping, uma campanha de repressão de seis meses contra as igrejas protestantes foi lançada no ano passado na província de Jiangsu, no leste da China, visando as maiores populações cristãs. De acordo com os novos dados, o número relatado anteriormente de quase 200 locais fechados aumentou em mais de 100%.

Ao todo, 549 locais — tanto os administrados pelo Movimento Patriótico das Três Autonomias (ligadas ao Partido Comunista Chinês), quanto igrejas domésticas não registradas — foram fechados em quatro cidades de nível de prefeitura: 241 em Huai’an, 142 em Lianyungang, 121 em Yancheng e 45 em Suqian, no segundo semestre de 2019.

 

Em 30 e 31 de outubro, oito locais no condado de Donghai, administrado por Lianyungang, foram fechados por “estarem sem licença ou em ruínas”. As autoridades ameaçaram impor multas de 200.000 RMB (cerca de US $ 29.600) às congregações das igrejas domésticas, caso continuassem as reuniões.

No caso das igrejas das Três Autonomias, as autoridades ordenaram que vários locais se fundissem — uma medida adotada em toda a China para reduzir o número de locais religiosos. De acordo com um funcionário do condado de Guannan, em Lianyungang, apenas um terço dos locais protestantes estatais na área foram autorizados a permanecer como estavam, o resto foi fundido em junho do ano passado.

O governo da cidade de Sankou do condado de Guanyun ordenou a redução do número de igrejas protestantes oficiais de 26 para 6. Os locais poupados não poderiam ser próximos a rodovias nacionais, governo municipal ou edifícios de comitês de vilarejos, escolas e comunidades residenciais.

Em Shuyang, um condado do norte sob administração direta da província, o Escritório de Assuntos Religiosos ordenou que os diretores das mais de 20 igrejas oficiais entregassem seus livros de contas e documentos legais. Apenas oito foram autorizados a continuar funcionando.

“As autoridades ordenaram que os diretores da igreja assinassem acordos de fusão”, disse um diretor da igreja de Shuyang. “Muitas igrejas grandes foram fundidas com outras pequenas, e agora elas não podem mais acomodar todos os crentes que reunia antes”.

“Existem três igrejas em nossa aldeia, e os cristãos superam em número um pouco mais de uma dúzia de membros do Partido Comunista Chinês. Isso é o que o governo central teme e por que eles ordenam a redução do número de crentes”, disse um oficial de uma vila em Lianyungang. “Eles primeiro retificam igrejas, antes de gradualmente fechar todas elas”.

Violência

As autoridades também costumam usar a força enquanto obrigam os locais protestantes a se fundirem ou para fechá-los. Em dezembro do ano passado, mais de 30 funcionários do governo do condado de Guannan foram à Igreja das Três Autonomias de Lu’nan para fechá-la. Eles informaram à congregação que o local havia sido fundido com outra igreja. Quando os crentes começaram a expressar sua insatisfação com a ordem, cinco dos agentes carregaram um membro da igreja de mais de 70 anos para fora do templo e o jogaram no chão. O idoso começou a vomitar e desmaiou. Quando outro membro da igreja protestou contra esse comportamento brutal, ele foi agredido até sofrer um ataque cardíaco.

A cadeira de rodas de outro crente quase foi derrubada, mas o incidente foi interrompido a tempo por outros membros da congregação. Quando um frequentador da igreja começou a filmar a cena, funcionários do governo apreenderam seu telefone, ameaçando prender o homem.

Funcionários comunistas usam outros métodos tortuosos para fechar locais religiosos. Em agosto do ano passado, um diretor da Igreja das Três Autonomias no condado de Shuyang foi obrigado a levar os certificados do local e outros documentos para o Escritório de Assuntos Religiosos local para serem renovados. Dois meses depois, não apenas novos documentos não foram emitidos, mas o local foi fechado. Funcionários explicaram que “apenas uma igreja é permitida em um subdistrito”.

Cerca de 23 outras igrejas na área foram fechadas como “locais ilegais”, depois que seus documentos foram confiscados. Os locais foram reaproveitados, vendidos ou mesmo demolidos para evitar que as congregações se reunissem novamente.

Um diácono da Igreja das Três Autonomias de Guannan disse à agência Bitter Winter que os diretores de todas as igrejas estatais no condado foram convocados para uma reunião e receberam a ordem de alugar ou vender seus locais, ou “o governo os destruiria com escavadeiras”.

A Igreja das Três Autonomias do condado de Younan, com 400 membros, foi forçada a se fundir com uma igreja menor em junho do ano passado. O governo ordenou o aluguel da igreja em três dias; caso contrário, seria demolido.

Fonte/ Guiame

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens