Fechar
Buscar no Site

Perseguição na China

Mais de 281 congregações protestantes foram demolidas em cidade da China

Um local congregacional da igreja da casa de Tangxia na vila de Zhentian foi demolido à força. (Reprodução/Bitter Winter)

Um local congregacional da igreja da casa de Tangxia na vila de Zhentian foi demolido à força. (Reprodução/Bitter Winter)

 

O número cada vez maior de locais de culto assediados na cidade de Xinyu, na província de Jiangxi, está superando as tristes estatísticas de perseguição religiosa na China. A cidade, que tem aproximadamente 1,2 milhões de habitantes, é declaradamente a economicamente mais avançada da província.

De acordo com informações do Bitter Winter, desde o ano passado, pelo menos 281 locais de congregações protestantes na cidade foram demolidos, incluindo alguns que pertencem à Igreja Tree-Self, aprovada pelo governo. Além disso, 81 locais de congregação protestantes foram fechados e 16 destruídas.

Em novembro de 2018, as autoridades demoliram à força um local de congregação de igrejas domésticas na vila de Jiangjia, sob a administração da cidade de Shuixi, alegando que “temiam que o prédio desmoronasse e matasse alguém”.

Porém, o prédio onde os cristãos se reuniam era estruturalmente estável. Quatro meses antes, o governo proibiu reuniões de cultos no local, alegando que não tinham as licenças necessárias.

Os aldeões de Jiangjia relataram que devido a novas regulamentações mais rigorosas dos locais religiosos, o chefe da vila foi previamente multado em 10.000 RMB (aproximadamente US $ 1.428) por “não conseguir manter os locais onde os fiéis se reunem no controle” e por não se esforçar o suficiente na administração dos assuntos religiosos.

Em julho de 2018, um local congregacional da igreja local de Tangxia na vila de Zhentian, sob a administração da cidade de Shuixi, também foi demolido, deixando quase 300 crentes sem um lugar para cultuar.

Autoridades alegaram que a razão para a demolição era que os membros da igreja “acreditavam no Deus dos ocidentais”.

Alguns locais de congregação foram forçados a serem vendidos ou demolidos pelas autoridades, como uma igreja na vila de Luosha, sob a administração da cidade de Huze, em Xinyu.

Em julho de 2018, depois que a igreja foi fechada, oficiais do governo exigiram que a capela fosse alugada gratuitamente à filial do Partido da aldeia para suas reuniões. Quando o chefe da igreja se recusou, o secretário do Partido local ameaçou vender a igreja; se não fosse vendida, seria demolida. O pastor não teve escolha a não ser vender o local da congregação.

Um mês antes, um local de congregação de igrejas domésticas em uma vila sob a administração da cidade de Xinyu Luofang também foi vítima das manipulações do governo. Primeiro, funcionários do governo fizeram membros do registro da igreja na Igreja Three-Self. Enquanto os crentes estavam dispostos a fazê-lo, os oficiais aproveitaram a oportunidade para demolir o local da congregação.

O reaproveitamento forçado de locais de congregação também ocorreu na cidade de Xinyu. Em maio, parte das paredes ao redor de um local da congregação na cidade de Hexia em Xinyu foi demolida, e o local foi fundido com a sala de reuniões do comitê da vila ao lado e transformado em uma sala de exposições.

E assim como em Henan, onde a perseguição aos cristãos tem sido relatada como mais severa, o governo de Xinyu também está forçando os lares dos crentes a remover cruzes e pinturas religiosas e as pessoas que recebiam assistência social, que se recusaram a desistir de suas crenças religiosas, tiveram seu subsídio de subsistência cancelado.

Fonte/ Guiame

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens