Fechar
Buscar no Site

Veja foto do professor da UFMA que é acusado de práticas de racismo contra aluno nigeriano

Por Jully Camilo (JP)

O aluno nigeriano Nuhu Ayuba, de 21 anos, estudante do primeiro período do curso de Engenharia Química da Universidade Federal do Maranhão (Ufma), declarou ao Jornal Pequeno, na manhã de hoje (1º), que já há algum tempo vem sendo vítima de racismo por parte de um professor do curso.

O estudante revelou que o professor responsável por ministrar a disciplina de Cálculo Vetorial, Cloves Saraiva, o tem humilhando sistematicamente na frente de todos os alunos da turma, com frases do tipo “Somos de mundos diferentes”; “Aqui é diferente da África, somos civilizados”; “Com quantas onças você já brigou na África?”, entre outras expressões.

Professor Cloves e o aluno nigeriano Nuhu Ayuba. Foto: G. Ferreira

Em decorrência desse suposto comportamento racista do professor, colegas de turma de Nuhu elaboraram um abaixo-assinado (veja aqui), que foi divulgado na internet e já está com a reitoria da Ufma. Segundo o relato dos alunos, por mais de uma vez o professor interpelou Nuhu afirmando que o mesmo deveria “voltar à África” e “clarear a sua cor”. Noutro caso, o professor faz chacota com a pronúncia do nome do aluno relacionando com o palavrão “no cu”.

Nuhu Ayuba contou ao JP que está em São Luís há três meses. Ele veio para o Brasil por meio do Programa de Estudantes – Convênio de Graduação (PEC-G), administrado pelo Ministério das Relações Exteriores, por meio da Divisão de Temas Educacionais, e pelo Ministério da Educação, em parceria com instituições de Ensino Superior em todo o país. (Veja a matéria completa na edição de amanhã (2) do JP)

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

18 respostas para “Veja foto do professor da UFMA que é acusado de práticas de racismo contra aluno nigeriano”

  1. Hiram Alvim disse:

    Agora vejam os senhores a que ponto chegamos, vcs olharam a cor desse professor, por acaso é branco, não isso com certeza nãoo é. Agora, um professorzinho desse de bosta deveria era ser afastado pelo reitor e ser denúnciado na delegacia de polícia com uma abertura de BO.
    Estamos numa cidade em que a maioria das pessoas são da cor negra e com certeza ou o pai ou a mãe desse infeliz dever negro, e nem nisso ele pensou deve ser um PROFESSORZINHO DE BOSTA PREPROTENTE se acha a própria bala que matou Kennedy.
    Se olha no espelho infeliz, e aprende a respeita as pessoas, por que uma coisa sabemos : Todos um dia iremos ficar a sete palmos da terra.

  2. Heloisa disse:

    Achei isso um absurdo! esta pessoa não merece ser chamada de professor. Assinei a petição, apesar de não ser aluna e nem professora da UFMA apenas como cidadã, por considerar que a Universidade deve repudiar qualquer forma de preconceito.

  3. edgar ribeiro disse:

    fui aluno do prof. saraiva e todos sabem que ele é brincalhão e pode ser que os alunos desse curso não tenham entendido assim. é um professor que sempre tem nos ajudado.
    todos do curso de matemática o conhece como excelente professor. tenho certeza que está havendo exagero na interpretação do dialogo do aluno com o Saraiva.

  4. Björn Börg disse:

    UM VERDADEIRO ESCANDINAVO ESSE MULATO RACISTA. COMO É QUE UM CARA DESSES, COM UM PÉ NA SENZALA QUER SER PRECONCEITUOSO. É UM MESMO QUE UM JUDEU NAZISTA. KKKKKKKK

  5. ricardo balaio disse:

    Só uma pergunta para o professor da UFMA acusado de atos racista contra o aluno nigeriano. Quando entrevistado pelo IBGE de que forma ele próprio definiu a sua etnia?

  6. mario disse:

    nao sei o que passa com o saraiva. ele merece umas ferias mais que forçadas. é ceerto que passa por crises familiares e estressianas que não podem ser repassadas a seus alunos e alunos. tomara que algumas gracinhas dele nao venha a baila.

  7. Cloves Saraiva disse:

    RETRATAÇÃO PÚBLICA

    José Cloves Verde Saraiva, professor associado III da UFMA, vem mui respeitosamente pedir desculpas públicas a interpretação, certamente, dúbia do aluno nigeriano NUHU AYUBA, que durante as aulas de Cálculo Vetorial, no curso de Engenharia Química da UFMA, sentiu-se ofendido, e vem esclarecer este engano nos três itens seguintes:
    1. Ao perguntar o seu nome não houve qualquer sentido jocoso, visto que sua pronúncia no seu idioma induz isto no nosso e que foi esclarecida por ele mesmo como o equivalente deste a NOÉ JOSUÉ.
    2. Em conversa particular, referir-me ao Prêmio Nobel Nigeriano W. Soyinka sobre a frase “UM TIGRE NÃO DEFINE TIGRITUDE. UM TIGRE SALTA!” Quando me referi aos LEÕES AFRICANOS, que nas dificuldades de todo estrangeiro para o entendimento subjetivo de acusações preconceituais, esta não induz isso, pois sou também de cor Parda, assim como os meus familiares, e durante toda minha existência jamais proferiria tal insulto, principalmente para aluno.
    3. Já referir-me em classe que “ser universitário é muita responsabilidade” e é costume dos alunos novatos (calouros) usarem as dependências da Universidade para outros fins fora do contexto educacional. Reclamei a você e aos outros colegas que não compareciam as aulas, nem fizeram os exercícios e, principalmente você, não compareceu ao PRÉ-TESTE e nem fez a sua 1ª Avaliação, além disso, não fez o PRÉ-TESTE da 2ª Avaliação, nem as suas notas de aula no caderno desta disciplina foram escritas e apresentadas até hoje. É lamentável! Faço o meu dever de professor cobrando o bom entendimento da disciplina, tendo formado excelentes alunos durante todo esse tempo, veja que a maioria dos seus colegas de classe cumpriram seus deveres e a turma passada não teve problemas deste tipo. Embora sabendo que você tem suas dificuldades naturais, como qualquer estrangeiro, deveria pelo menos se explicar, evitando interpretações errôneas sobre o seu atual comportamento como estudante da UFMA.
    Firmo-me nestes termos públicos e receptivo a quaisquer outros esclarecimentos.

  8. LIMA disse:

    UÉ!!! O CARA É AFRODESCENDENTE TAMBEM!

  9. Marcus Oliveira disse:

    O racismo é um dos apetrexos da ignomínia. Atos racistas são infâmes e seus idealizadores crápulas covardes. Em algum país europeu o tal professor já estaria afastado e preocupadíssimo com o rigor da justiça (deles) nesses casos. A UFMA deve tomar medidas para coibir que esse senhor continue apregoando ato tão ignóbil.

  10. Norberto Bonini disse:

    Então esta é a cara do canalha!!!!! Um típico arianozinho…ao ver sua imagem tive até lampejos, visões de bailes vienenses…ora, faça-me o favor!!!
    Todo covarde utiliza a técnica Bolsonaro de ser…quando peitado diz que foi mal entendido!! O interessante é que ele foi mal compreendido pela quase totalidade da turma que assinou o manifesto.
    O sujeitinho é tão covarde que tenta desqualificar o aluno….então tá, por ser relapso, o nigeriano pode e merece sofrer discriminação racista!!! Ah!! Agora entendi!!! Pelo que sei o Maranhão tem um dos piores índices de desenvolvimento do Brasil, certo?.. Não deve ser muito diferente da Nigéria! Portanto abaixe a bola, querido “professor” !!!
    Lamentável!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  11. Zé do Caixão disse:

    Sei até onde um ou mais alunos são capazes de querer “ferrar” com um professor, antes de ser tomada qualquer atitude os fatos devem ser apurados, a nossas universidades públicas hoje estão cheias de alunos que saem do ensino médio sem saber no mínimo as quatro operações básicas e quando encontram, integrais, derivadas, cálculos vetoriais ficam a ver navios durante as aulas e com isso as aulas tornam-se desinteressantes a ponto do aluno sentir que a aula é chata e querer atrapalhar quem tá conseguindo entender alguma coisa. Se esses alunos querem reivindicar alguma coisa reivindiquem não a saída do professor mais sim as melhorias na qualidade do ensino básico, pois além de terem o ensino ruim ainda tem essa das cotas que proporcionam o acesso desses alunos a cursos que os mesmos não tem a mínima condição de cursar, haja vista que os índices educacionais em muitos países africanos ainda são piores que os nossos.

  12. Maira Matsui disse:

    Estudei com diversos estudantes africanos na UnB e nunca, de maneira alguma, vi um professor proferir piadas ou insinuações de sentido jocoso/ pejorativo. O maranhense não se reconhece como negro apesar de ser um estado de negros. Pardo é mais uma maneira de se afastar da negritude. Esse professor como disse o leitor acima é tão covarde que procura agora denegrir a imagem não só do Nuhu Ayuba como também dos demais estudantes. Pedido de desculpas contem palavras de absolvição não de acusação. Se ele for concursado que o remanejem como professor visitante para uma universidade federal lá no Rio Grande do Sul, terra de brancos como ele. Se for contratado que seja demitido pois não precisamos desse tipo de gente disseminando ódio e racismo dentro de nossas salas de aula.

  13. IX_Rio disse:

    Infelizmente, os “mulatos” s]ão mais racistas, pois nem são brancos nem preto

  14. Elisa Margarida disse:

    Infelismente a justificativa do Professor não é convicente. Entendo que o estudante nigeriano tenha dificuldades de se expressar em Português porquanto a sua lingua de comunicaçao seja o Inglês e acredito que o Prof. tenha dificuldades de o entender por nao estar familiarizado com o mesma. Mas, nao se justifica a relaçao que ele estabeleceu com o aluno e os leões africanos. Isso é de forma obvia uma forma de manifestaçao racial. Tamém acredito que ao questionar ao aluno com quantas onças já brigou, seja sinonimo de inferioridade de alguma frustaçao nao revelada e por outytro mais uma manifestaçao de racismo e pior de ingnorancia poi se o aluno de origem africana já tivesse brigado com alguma nao estaria certamente onde está no momento.
    O Brasil é um país civilizado…masi sr. professor, ainda existe analfatos, fome, miséria, falta de saneamento basico, entre outros adjectivos que definem um pais como sub-desenvolvido e o exemplo disso é a sua postura. Muito teria que escrever a respeito mas, infelismente este espaço nao é o mais indicado. Pergunto: Porque este individuo nao está preso se no Brasil o crime de racismo é inafiançalvel e em particular no caso em que existe um consideravel numero de testemunhas? Também pergunto: Se fosse o inverso? Onde estaria esse estuadante negro?
    Sou negra, sou africana e tenho enorme honra de o ser.

  15. MARIA EUNICE disse:

    ESTE PROFESSOR NUNCA PODERIA ESTAR LECIONANDO, AS AUTORIDADES SE NÃO TOMAREM UMA PROVIDÊNCIA IRÁ MOSTRÁ-LA QUE ELA É A FAVOR DO RACISMO E PRECONCEITOS. ESTA PESSOA, ISTO É ESTE MONSTRO, NUNCA FOI OU SERÁ UM PROFESSOR POR QUE PROFESSOR ALÉM DE ENSINAR AS MATÉRIAS ELES ENSINAM E DÃO AMOR, CARINHO E RESPEITO.
    NÃO TENHO VERGONHA DE SER BRASILEIRA, TENHO VERGONHA DESTA PESSOA QUE SE JULGA PROFESSOR SER BRASILEIRO.

  16. Lopes disse:

    ESSE PROFESSOR É UMA PROVA DE QUE, PARA SER RACISTA, NÃO PRECISA SER BRANCO…. SÓ PRECISA SER IDIOTA! HE HE HE HE HE EH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens