Fechar
Buscar no Site

Um dos hospitais mais caros do país, Sírio-Libanês tem 22 pacientes com Covid-19 na fila da UTI

O Sírio-Libanês, em São Paulo, contabilizava ontem à noite uma fila de 22 pessoas para internação da UTI de Covid do hospital. É a maior fila desde o início da pandemia. Todos os 22 contaminados são de fora de São Paulo.

A UTI do Sírio está lotada, com 50 pacientes. Desses, 38 estão intubados (na quarta-feira, eram 32). Fora da UTI, estão mais 105 pacientes com Covid-19.

O perfil dos pacientes de Covid na UTI vem mudando nos últimos meses. Hoje, é patente o aumento do número de pessoas mais jovens internadas. Lauro Jardim

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

2 respostas para “Um dos hospitais mais caros do país, Sírio-Libanês tem 22 pacientes com Covid-19 na fila da UTI”

  1. Joao Batista disse:

    Vejam DRA LUCY KERR NO YOUTUBE… IVERMECTINA como prevenção ao COVID , barato, sem efeitos colaterais….MATA O VÍRUS ASSIM QUE entra no organismo.

  2. Aston Beckman disse:

    Essa Pandemia, que talvez fosse uma maldição para punir as transgressões humanas, ela vem-se retroalimentando das próprias transgressões que viria puni-las.
    Ninguém, do alto do seu cinismo, é capaz de confessar mea culpa. Vagabundos irresponsáveis, débeis diante das suas compulsões pelo vício e vadiagem, infringem as regras sanitárias, achando que apenas eles não contraem a praga.
    Esses infames sim, contaminam-se também, mas, infelizmente, muitas vezes, os desgraçados não morrem. Contudo, cumprem o pior dos seus desatinos, qual seja: empestar pessoas vulneráveis, conseguindo levar algumas delas à morte.
    Seria louvável e providencial, se em meio a uma multidão desafiadora, neste período, os governantes autorizassem os agentes de segurança a dispersarem a todos com rajadas de metralhadora e bomba de fragmentação!
    Como aludiu o general Mourão, que o brasileiro não gosta de cumprir regulamento.
    E, neste contexto, soma-se mais um complicador: a autoridade máxima da nação, a qual deveria dar exemplo didático, no enfrentamento à Covid-19, é a primeira a sabotar as contramedidas e os autores delas, que visem a debelar o avanço da peste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens