Fechar
Buscar no Site

Professor diz que foi torturado por policiais: “estou em um carro e eles vão me matar”

O professor de canto e artista plástico Simão Pedro Amaral denuncia que foi vítima de agressão e constrangimento praticados por dois policiais militares do 8º BPM, que fazem a ronda da comunidade no bairro do Turú. O fato aconteceu na última sexta-feira, dia 4, por volta das 10h, em uma rua deserta que dá acesso ao condomínio Porto da Barra da Praia, no bairro do Turu, próximo à Faculdade Atenas Maranhense (Fama).

“Foram momentos de verdadeiro terror”, diz Simão. O educador conta que caminhava na estrada, em direção ao condomínio, quando foi abordado por dois policiais, Hernandez Chagas e José Ribamar Vieira, que estavam em uma viatura do 8º BPM, de placa NMU 4540 (Ronda da Comunidade), que ordenaram que parasse imediatamente para uma revista. O professor indagou porque ele seria revistado. Os policiais disseram que ele seria “suspeito” porque possui as características de um marginal que acabara de assaltar uma moradora da área. Samuel tem perfil físico afro-descendente, ou seja, é negro.

Enquanto estava sob revista, a vítima explicava aos policiais que é professor lotado no Centro de Ensino Bernardo Coelho de Almeida (BCA), que dá aulas na Escola de Música do Estado, que é de boa família e, inclusive, tem parentes em corporações militares e um irmão delegado de polícia. Porém, as explicações do professor não foram suficientes para evitar que um dos policiais lhe desse um soco no rosto, mandando que calasse a boca, com palavras de baixo calão. Revoltado com a agressão, o professor disse aos policiais que iria denunciá-los pela agressão e pelo constrangimento ao qual estava sendo submetido. Com isso, um dos policiais lhe empurrou violentamente para o interior da viatura.

Após entrar no veículo, o professor conta que os policiais ficaram dando voltas no bairro do Turú: “uma situação de verdadeiro terror e tortura”, lembra Simão. Mesmo com o clima ameaçador, ele perguntou aos policiais militares para onde estaria sendo levado, mas recebeu como resposta apenas a expressão “cala a boca”. Desesperado, o professor lembrou que tinha um celular no bolso da calça e, sem que os policiais percebessem, discou o número do telefone de sua casa e falou rápido para quem atendeu: “estou em um carro da polícia no Turu e eles vão me matar”.

Depois disso, os policiais pararam em um ponto de maior movimento do bairro e mandaram o professor descer. Um homem se aproximou da viatura. Foi identificado como marido da vítima do assalto. Porém, o homem não reconheceu o professor como o autor do delito. Percebendo a situação embaraçosa em que se encontravam, os policiais perguntaram ao educador: “ainda vai denunciar a gente?” Ele respondeu que sim. Diante da afirmação em tornar pública a ação dos policiais, Simão foi novamente obrigado a entrar na viatura.

Foi levado para a Delegacia do Turú, onde os policiais abriram um boletim de ocorrência, denunciando-o por desacato à autoridade. No mesmo momento, o professor entrou em contato com um advogado e abriu boletim com registro da ação dos policiais, alegando discriminação racial, agressão física e moral, tortura e sequestro.

Descrevendo os momentos de pânico que viveu como resultado da impunidade em casos de violência policial, Samuel repudia a ação dos policiais e pede justiça: “Espero que esses policiais sejam punidos pelo que fizeram comigo. A polícia tem o dever de dar proteção à sociedade e não de agredir e coagir cidadãos nas ruas”, desabafa o professor. (Portal do Sinproesemma)

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

12 respostas para “Professor diz que foi torturado por policiais: “estou em um carro e eles vão me matar””

  1. Vania Frazão disse:

    Temos que denunciar para que assim possamos separar o joio do trigo. Temos que extirpar essa raça preconceituosa, arrogante e prepotente que existe na PM. Eles deviam nos dar segurança no entanto só servem pra nos apavorar.

  2. Cidadão disse:

    Se não reciclar e deixar claro para aqueles que insistem em fazer das suas fardas instrumento de pressão e desacato ao cidadão e fazerem eles entenderem que são pagos é pra dar segurança, pode acontecer o mesmo episódio do pedreiro morto. Comandante neles!

  3. paulo Sousa disse:

    ELES SÓ MANIFESTAM ESSE GOVERNO DE MERDA DESSA CORJA DE BANDIDOS SARNEYS QUE HÁ MAIS DE CINQUENTA ANOS SE APOSSARAM E PENSAM QUE SÃO DONOS DO MARANHÃO E DOPOVO, QUE TRATAM COMO ABESTADOS!!

  4. Jose Trombeta disse:

    Queriam fazer com o professor Simão, como fizeram com Gerô…Ah, também na Guarda Municipal tem um “guardinha” de nome Patricio que também é metido a autoridade e é muito truculento… Esquecem eles, que soldado de policia e guarda municipal são só funcionários públicos, não são autoridade porra nenhuma…

  5. pericles santos disse:

    Tú precisas ver as viaturas das “Rondas dos Bairros” que atendem o Bequimão, Angelim e Maranhão Novo, lá eles não batem e nem ameaçam, pedem educadamente tudo o que você tem no bolso, não importa se são 100, 50, 10 ou 2 reais.
    Agora tú não podes te esquecer que quem matou o Gerô (por ser preto e pobre) à base de porradas , foi a mesma policia que assassinou o pedreiro Ribamar e que tambem espancou esse professor, a diferença é que, um fato aconteceu no governo de Jakson e esses outros, no de Roseana.
    A policia é a mesma, corrupta, assassina, incompetente e desonesta.
    É ou não é foda?

  6. Reinaldo Cantanhêde Lima disse:

    Boa noite Cutrim, será que a tortura ao professor ocorreu em razão da cor negra? Nunca ouviram falar de indivíduos vestidos com fardamento da PM, criarem situações como essa em comento, com o objetivo de conseguir alguns trocados? Os mencionados policiasis envolvidos nesse episódio, são brancos? Pode ser que esse lamentável episódio, o verdadeiro motivo não seja dinheiro! Policiais torturar uma pessoa porque tem a cor negra ou porque o negro não fez para eles o que os esperavam fazer? Não estou afirmando nada! O fato por si só colocou-me em dúvida em razão do que eu tenho presenciado!. Obrigado pelo espaço. Abraço. Reinaldo Cantanhêde Lima

  7. Aurélio Araújo disse:

    John boa noite, no Planalto Pingão todo dia tá tendo assalto, é roubo de celular, bicicleta, arrombamento, e etc. Na semana passada, uma senhora reagiu a um assalto e foi baleada no peito, sábado dia 12/11/12 a Extrafarma foi assaltada e hoje dia 14/11/11 outra vez, vai terminar fechando como outra que não aguentou, pedimos um carro da patrulha do bairro antes que aconteça uma tragédia.

  8. Helio disse:

    Está ficando complicado confiar nessa polícia, todo dia é algo diferente, tortura, execução, espancamento, coitado do cidadão que cruzar com um desses, pois não tem a chance de se defender, pois, o cidadão foi desarmado e agora vive a mercê da bandidagem e também da polícia. É claro que existem policias honrados, honestos que cumprem seu dever, a esses policias todo o nosso respeito. Agora bandido de farda tem que ser expulso e preso. Parece que não há punições para esses indivíduos pois todo dia tem um bandido novo nas ruas.

  9. D'ITALYANO disse:

    AQUI PRESTO MINHA SOLIDARIEDADE AO PROFESSOR SIMÃO PEDRO, QUE HÁ BASTANTE TEMPO VIVE NO MUNDO ARTISTICO E MUSICAL MARANHENSE,PESSOA MUITO PACATA, QUE FOI VIOLENTAMENTE DESRESPEITADA POR ESSES PMS PILANTRÕES DA PM-MA.
    AGORA, O PROFESSOR DEVE FAZER UM QUEIXA NA CORREGEDORIA DA PM PARA MOSTRAR AS ESSES PILANTRAS FARDADOS, QUE DEVEM RESPEITAR UM CIDADÃO DE BEM.
    CARO AQMIGO EU PASEI UM CONTANGIMENTO PIOR,POIS ENVOLVEU PROMOTOR, DELEGADO E JUIZ, QUE TIVERAM QUE ME PEDIR DESCULPAS,POIS ESPEREI TODOS ME ACUSAREM E PEDIR UM CERTIDÃO NA FRENTE DO JUIZ,PARA QUE ELE FORNECESSE O DOCUMENTO DIZENDO QUE EU ERA O AUTOR FO FATO A MIM IMPUTADO. E COMO EU NÃO TINHA NADA A VER FOI UM DEUS NOS ACUDA. O JUIZ,UM EX DELEGADO DE POLICIA PICARETÃO RETROAGIU E ME PEDIU DESCULPAS E ENCERROU O PROCESSO. O DELEGADO POR SEU TURNO FOI DENUNCIADO NA CORREGEDORIA DE DE POLICIA E TRANSFERIDO PARA O INTERIOR DO SUL DO MARANHÃO.

  10. Inácio Augusto de Almeida disse:

    Governadora Roseana Sarney
    COMPROVADA A DENÚNCIA, EXPULSAR.
    A única punição que cabe é a expulsão.
    É preciso sinalizar para a PM do Maranhão que o governo do estado não tolera este tipo de comportamento.
    E isto se faz com punição severa.

  11. Lourenço Louzeiro disse:

    Antes de acusar um policial, é bom que se atente para o alarmante e crescente número de usuários de drogas entre integrantes dessa categoria. Por várias razões: ou porque exercem uma atividade perigosa; ou porque suas funções exigem-lhes um contato diário com entorpecente, sob o pretexto de combatê-lo; ou porque se acham acima da lei e que tudo podem etc. Um grupo drogado e bem armado será um perigo constantes a todos os mortais. Essa degradação não está restrita a uma Unidade da Federação apenas, ela permeia as corporação do Brasil inteira, e deve ser enfrentado como um problema de saúde pública. Há também muitos alcoólatras, em cujos corpos dão abrigo para os narcóticos também.
    Quanto às Rondas da Comunidade, em verdade, muitas delas são Come Unidade, Unidade monetária, dinheiro.

  12. dinho disse:

    essa é a policia do governo Roseana,truculenta,bruta e racista pobre povo maranhense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens