Fechar
Buscar no Site

Presidente do Conselho de Ética, Juscelino Filho diz que ‘imunidade não é impunidade’ sobre caso Daniel Silveira

Com o devido cuidado para não demonstrar juízo de valor sobre o episódio envolvendo Daniel Silveira, o presidente do Conselho de Ética da Câmara, Juscelino Filho (DEM-MA), afirmou que aguarda o caso ser encaminhado para abrir o processo por quebra de decoro parlamentar.

Depois de um ano parado, o conselho volta a funcionar de forma híbrida – com reuniões virtuais e presenciais – na próxima semana.

Para Juscelino, um deputado não pode abusar da prerrogativa da imunidade de opinião que lhe é assegurada.

“Eu acho que qualquer um tem que se responsabilizar pelo que diz. Principalmente os parlamentares. Os deputados têm a garantia da imunidade parlamentar, mas não da impunidade. O parlamentar não pode confundir imunidade com impunidade. Temos que diferenciar uma coisa da outra”, disse Filho em referência ao deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), preso após ofender e ameaçar ministros do STF.

Apesar disso, Filho ressaltou que, como ainda não chegou uma representação formal ao Conselho, o colegiado ainda irá decidir como vai tratar essa questão. “É necessário ter processo formal. E mesmo em um caso como esse, é preciso se obedecer ao devido processo legal”.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Uma resposta para “Presidente do Conselho de Ética, Juscelino Filho diz que ‘imunidade não é impunidade’ sobre caso Daniel Silveira”

  1. Aston Beckman disse:

    Esse tal autoafastamento proposto é uma alternativa para não ferir o orgulho do deputado miliciano, e tambem para conferir a ele uma sensação de autonomia, na condição de como pode ser “punido”.
    A birra e resistência que ele está apresentando, deve ser uma forma de inflamar e atiçar os comparsas simpatizantes da rebeldia dele, inclusive, Jair Bolsonaro; e assim tentar produzir convulsão social e/ou crise institucional.
    Agora, só resta ao presidente da República proibir a PFde cumprir demandas do Judiciário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens