Fechar
Buscar no Site

Pontes de São Luís servem de teto para 70 famílias

Cerca de 300 pessoas moram sob as pontes José Sarney e Bandeira Tribuzi, em condições subumanas

Por Oswaldo Viviani e Jully Camilo (JP)

Os governantes se sucedem, dezenas de programas sociais são implantados, mas uma triste realidade não muda na capital maranhense: o cenário de miséria extrema representado por dezenas de famílias que fazem das duas principais pontes de São Luís seu teto. Ao menos 70 famílias (cerca de 300 pessoas) moram embaixo das pontes José Sarney (São Francisco) e Bandeira Tribuzi (Jaracati), em barracos improvisados construídos com lonas, papelão, pedaços de compensado, lata. Muitos desses barracos precários são sustentados por palafitas, para que a maré não os invada.

São homens, mulheres, jovens, adultos, idosos e muitas crianças, vivendo num ambiente insalubre e disputando espaço com ratos e urubus, entre outros animais, que são atraídos pelo lixo e pela sujeira que se espalham por todos os lados.

A reportagem do Jornal Pequeno conheceu de perto um pouco do drama dessas pessoas – seres abandonados pelo poder público, e invisíveis, muitas vezes, a quem trafega sobre as ‘pontes dos miseráveis’, batizadas com os nomes de dois maranhenses célebres.

José Sarney – Na Avenida Ferreira Gullar, no São Francisco, aproximadamente 30 famílias moram sob a ponte José Sarney, numa área que começou a ser ocupada há mais de duas décadas.

A comunidade é composta por 14 homens, 12 mulheres, dois idosos e 38 crianças. Ninguém ali tem renda média mensal maior do que um salário mínimo (R$ 545). Trabalho fixo também é raridade para quem mora embaixo da ponte – o sustento das famílias vem de ‘bicos’, os homens trabalhando como pedreiros, carroceiros, na pesca ou catando caranguejo, e as mulheres às vezes como diaristas (mas a maioria cuida dos filhos e dos afazeres domésticos).

A piauiense Maria Antonia da Silva, mãe de oito filhos, tem 21 anos e mora no local desde os 5. Ela disse que os filhos em idade escolar estão matriculados em escolas da rede pública. Ela explicou que a falta de oportunidades no Piauí fez seus pais virem para o Maranhão, mas ela nunca pôde estudar e se qualificar para melhorar de vida.

‘Meu marido tem uma oficina improvisada aqui no barraco para consertar ventilador. Juntando o que ele ganha, de vez em quando, aos três benefícios do Bolsa Família que recebemos, no final do mês conseguimos juntar R$ 220. Aqui falta tudo. Não temos banheiros, nem água encanada. Fazemos nossas necessidades fisiológicas dentro de latas, depois colocamos em sacolas plásticas e jogamos na maré. A comida é feita no carvão e não temos água filtrada nem gelada. Aqui também não há coleta de lixo’, contou Maria Antonia.

O pedreiro Elias Jorge Gama de Souza, 34, pai de três filhos, vive embaixo da ponte há mais de 20 anos. Ele relatou ao JP que o aparecimento de doenças é muito comum no local. ‘Convivemos dia e noite com muita muriçoca, ratos, baratas e outros bichos’, afirmou. A poeira, segundo Elias, é outro flagelo, pois favorece o aparecimento de doenças respiratórias, afetando diretamente crianças e idosos.

A fome é outra angústia diária. ‘Nem sempre temos o que comer. Hoje faltou o café e tomamos suco artificial com pão. Também não temos, ainda, nada para almoçar. Mais tarde vou até a feira ver se consigo uma ossada para cozinhar. Sou separado e fiquei com os meus três filhos, porém não tenho emprego fixo e preciso sustentá-los. Quando não tenho dinheiro, peço comida. É melhor pedir do que roubar’, declarouo pedreiro.

A aposentada Maud Silva, 70, mora sob a ponte há 18 anos, com o filho e três netos. Disse que recebe um salário mínimo por mês, porém gasta R$ 380 com remédios para hipertensão, artrite, artrose e osteoporose. O restante só dá para pagar o débito mensal feito no comércio vizinho.

‘Hoje vou almoçar um pedaço de mamão, porque não tenho o que comer. Apesar da idade, ainda lavo roupa para os outros para ganhar um dinheirinho extra. Já fomos cadastrados pela Defesa Civil, pelo governo do estado e pela Prefeitura para recebermos assistência social e moradia. Mas a única coisa que nos deram foi um aluguel social de R$ 150, que mal dá para comprar comida. Nos disseram que até o final do ano seremos levados para abrigos no Reviver [Praia Grande], mas eu não vou deixar minha casa para ir a lugar nenhum’, afirmou Maud.

Bandeira Tribuzi – No Jaracati, a situação é semelhante. Aproximadamente 40 famílias residem sob a Ponte Bandeira Tribuzi e também vivem em condições insalubres.

O morador mais antigo do local, Francisco Mendes de Souza, 65 anos, natural do Piauí, disse que mora na área há 22 anos e lá criou os 10 filhos. ‘Hoje tenho 50 netos e todos vivem aqui. Vim para o Maranhão em busca de uma vida melhor, e apesar das dificuldades não me considero uma pessoa infeliz. Aqui já foi pior, pois convivíamos com muito lixo e bichos. Tivemos uma melhora porque moro na parte alta, mas muitas famílias ainda vivem nas palafitas. Já fui catador de lixo, de latas e fiz de tudo um pouco. Agora, abri um pequeno comércio e daqui vou tirando meu sustentando e o da minha família’, disse Francisco.

A dona de casa Francisca Lúcia Carneiro de Souza, 31, contou que é mãe de cinco filhos e que a maior dificuldade dos moradores é a falta de assistência e atenção social por parte do poder público. Ela disse que as famílias locais vivem precariamente: ainda cozinham no carvão, instalam ‘gambiarras’ para obter energia elétrica, e têm de jogar fezes e urina na maré, que passa embaixo das casas.

O catador de latas Carlos Magno Sena Mendes, 42, afirmou que a ponte Bandeira Tribuzi já é seu teto há 22 anos. Sob a ponte, ele cria sozinho seus seis filhos. O trabalho de Carlos Magno é árduo e nem sempre recompensador. Para ganhar R$ 2, o catador precisa juntar um quilo de latinhas (60 unidades). A dificuldade aumentou, recentemente, pois ele sofreu um corte na perna e tem de ficar em casa, se recuperando. Momentaneamente, tem de depender da ajuda de amigos e parentes para se manter e alimentar os filhos.

O que diz o poder público – Depois de três solicitações do JP, via e-mail, para que a Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas) informasse se há projetos sociais direcionados às famílias que moram sob as pontes Jose Sarney e Bandeira Tribuzi, a secretaria finalmente respondeu, na sexta-feira (11), com uma brevíssima nota:

‘As famílias estão cadastradas e acompanhadas pelo Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Algumas saíram e estão em aluguel social. As que desejam sair podem ser incluídas em aluguel social. O objetivo é que todas sejam incluídas em programas de habitação e em outros programas sociais.’

Igreja evangélica recebe donativos

Em julho, a comunidade que mora embaixo da ponte Bandeira Tribuzi fundou a igreja evangélica Casa de Adoração Unidos para Cristo, onde realizam atividades de estudo do evangelho para jovens, adultos e crianças, e já estão em campanha para o Natal.

A igreja recebe alimentos, roupas, sapatos, cobertores, entre outros donativos. Mais informações: (98) 8716-1219 / (98) 8852-2325.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

3 respostas para “Pontes de São Luís servem de teto para 70 famílias”

  1. nonato ferreira disse:

    Em tentativa desesperada de invasão das terras da Prefeitura, o Deputado “EMO” e os Ex-prefeitos e FICHAS SUJAS FUFUCA E NEGÃO em reunião na casa do “Mestre” Altemar Lima (que se diz eleitor de Flavio Dino 2014 para Governador, mas na verdade pede voto para os candidatos de Roseana Sarney) e na Fazenda Piçarreira (aquela em que o MINISTERIO do TRABALHO retirou 12 trabalhadores em estado de escravidão, DO EX-DEPUTADO FUFUCA) tiveram uma reunião para definir as invasões das terras que serão construídas as QUADRAS POLIESPORTIVAS E AS CRECHES nos POVOADOS DE MINEIRINHO, AUZILANDIA E SEDE.
    O ASSECLA, PORNOGRÁFICO, FROUXO, CALÇA CURTA, FALASTRÃO, PRECONCEITUOSO, HOMOFÓBICO, O VERDADEIRO PINÓQUIO, RACISTA E MACHÃO BOBO DA CORTE DUCUELHO vem através do seu Blog incitar a população contra o GESTOR DO NOSSO MUNICIPIO. Compre-me um Coquinho! KKKKKKKKKKKKKKKKKKK.
    O BOBO DA CORTE E HOMOFOBICO DUCUELHO esquece que quem procurou o PREFEITO ATEMIR BOTELHO para que fossem aprovadas as suas contas junto a CAMARA DE VEREADORES E O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO foi o FICHA SUJA NEGÃO.
    ESQUECE ELE (NEGÃO), QUE FOI ARTICULADO A SAIDA DO VEREADOR E IRMÃO DO EX-GESTOR E FICHA SUJA NEGÃO, PARA CONSRTUIR PONTES NO ESTADO DO PARÁ.
    Pergunto mais uma vez aqui para os internautas.
    Quem emitiu o ATESTADO MEDICO PARA O IRMÃO CLEUDE?
    QUAL O CODIGO DA DOENÇA QUE ELE ESTA SENDO TRATADO?
    O QUE DIZ O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA SOBRE ATESTADO FALSO?
    QUANTAS PONTES SERÃO FEITAS COM O DINHEIRO DO POVO?
    Quem esta pagando pelo salario do IRMÃO CLEUDE? O POVO ALTO-ALEGRENSE.
    Pelo visto o HOMOFOBICO, PRECONCEITUOSO, RACISTA, MACHÃO E BOBO DA CORTE DUCUELHO não lembra que os computadores foram arrancados de dentro das SECRETARIAS DO MUNICIPIO pelo FICHA SUJA NEGÃO, numa tentativa desesperada de esconder os desvios do DINHEIRO DA PREFEITURA e que foi constatado pela CGU (CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO) os grandes desvios do dinheiro federal.
    O DITO CUJO, ASSECLA, HOMOFOBICO, PRECONCEITUOSO, RACISTA, MACHÃO E BOBO DA CORTE DUCUELHO DIZ QUE A CIDADE FOI ACORDADA NUMA TENTATIVA de invasão de terras pelos cumpichas do PREFEITO ATEMIR, mas esquece ele que a maioria dos terrenos FORAM adquiridos pela PREFEITURA MUNICIPAL, OU foi colocado no nome dos FICHAS SUJAS NEGÃO E FUFUCA, OU DOS SEUS LARANJAS. Todos nós sabemos que o terreno AO LADO DA IGREJA N.S APARECIDA É DO FUFUCÃO ADQUIRIDO COM O DINHEIRO DO POVO. DINHEIRO DA PREFEITURA, não menos, esta o do lado do CONSELHO TUTELAR, pois quem estava lá era o VAQUEIRO DO FUFUCÃO FICHA SUJA, O SENHOR CHAMADO DE “CAÇAPA”
    Porque o VAQUEIRO DO FICHA SUJA FUFUCA não invade as terras devolutas que esta no município de Bom Jardim, e que agride o MEIO AMBIENTE COM AS MAIORES QUEIMADAS DOS MUNICIPIOS? QUEIMADAS INSUPORTAVEIS.M SERÁ OS RATOS DE ESGOTOS DO MUNICPIO?
    PELO QUE SEI É A ESCORIA DOS ASSECLAS,DOS DESVIADORES DO DINHEIRO PUBLICO, DOS PINOQUIOS, DOS CALÇAS CURTASQUEREM CONTINUAR MAMANDO NAS TETAS.
    KAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKKAKAKAKAKAKAKAKAKAKKAKAKAKAKAKAKAKKAK
    MARCELO VOCE PERDEU A BOQUINHA KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  2. T.tenorio disse:

    Sobre a promessa do estado para a PM? È verdade que a governadora ja convocou a força nacional?

  3. pericles santos disse:

    Jonh, só 70 familias sob as pontes e viadutos de São Luís?
    Porra, tú precisas ver as DEZENAS de pontes feitas pela Guautama no interior do Maranhão, todas ligando nada a porra nenhuma.
    Tem uma lá em Tutóia, mais presisamente em Barro Duro, que esqueceram de licitar ( de forma fraudulente é claro) o rio que iria passar em baixo da ponte , assim, sob a ponte, “moram” cerca de 200 bodes de propriedade de um “fazendeiro” da região.
    É ou não é foda?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens