Fechar
Buscar no Site

Othelino e Carlos Lula anunciam inclusão de agentes de Segurança Pública nos grupos prioritários da vacinação

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), reuniu-se, nesta quinta-feira (1º), com o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, para tratar sobre o panorama geral da pandemia da Covid-19 no Maranhão. Na ocasião, o titular da SES comunicou ao parlamentar sobre a inclusão dos agentes de Segurança Pública nos grupos prioritários da vacinação, tema que vem sendo amplamente debatido na Assembleia com a tramitação de um projeto de lei, de autoria do deputado Rildo Amaral (Solidariedade), neste sentido.

“Esse assunto foi provocado na Assembleia, discutido em duas sessões. E, hoje, tive a excelente notícia, anunciada pelo secretário Carlos Lula, de que conseguiu aprovar esta iniciativa em âmbito nacional e que vai implantar no Maranhão a priorização da imunização dos agentes de Segurança Pública”, frisou Othelino Neto.

Durante a reunião, eles conversaram ainda sobre as estratégias de ampliação de leitos de enfermaria e UTI em São Luís e as ações de combate ao coronavírus na Baixada Maranhense.

O chefe do Legislativo destacou que a inauguração do novo Hospital de Campanha de São Luís, que passa a receber pacientes a partir desta quinta-feira, vai ampliar o atendimento e ajudar no tratamento daqueles que precisarem de internação, dando um reforço para desafogar a rede hospitalar pública e privada, que já carece de leitos, principalmente, de UTI.

Ministério da Saúde acata proposta

O secretário de Estado da Saúde do Maranhão, Carlos Lula, solicitou ao Ministério da Saúde a antecipação da vacinação de profissionais da força de segurança durante a 3ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Tripartite, em Brasília. A proposta apresentada pelo secretário, que também é presidente do Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass), visa a imunização do grupo envolvido no enfrentamento à Covid-19.

“A nossa proposta é que, sem prejudicar a continuidade da vacinação dos grupos prioritários, como idosos e pessoas com comorbidade, a partir da próxima distribuição a gente já pudesse iniciar a vacinação dos profissionais de segurança e salvamento, que estejam diretamente envolvidos no enfrentamento da pandemia”, propôs.

A solicitação é para a inclusão dos profissionais envolvidos no transporte de pacientes com Covid-19, apoio às ações de vacinação e de vigilância. Além destes, devem ser inseridos também os profissionais que atuam em serviços de atendimento de urgência a traumas e acidentes.

Em resposta, o Ministério da Saúde divulgou nota técnica, nesta quarta-feira (31), confirmando a antecipação do envio de doses de vacinas contra a Covid-19 para o grupo de forças de segurança, salvamento e forças armadas. O documento ressalta critérios para vacinação do grupo, dos quais estão inseridos: trabalhadores envolvidos no atendimento e/ou transporte de pacientes; e resgates e atendimento pré-hospitalar; nas ações de vacinação contra a Covid-19; e, envolvidos nas ações de vigilância das medidas de distanciamento social, com contato direto e constante com o público independente da categoria.

Segundo a nota, os profissionais da segurança pública e forças armadas que não se enquadram nestas categorias serão vacinados de acordo com o andamento da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Covid-19.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Uma resposta para “Othelino e Carlos Lula anunciam inclusão de agentes de Segurança Pública nos grupos prioritários da vacinação”

  1. Aston Beckman disse:

    Se isso fosse um governo verdadeiramente justo, o destinatário dessa PRIORIDADE deveria ser a MASSA TRABALHADORA. Aquela que, apesar de explorada com péssimos salários e sob tributação pesada, ainda encontra força e resiliência para continuar como principal provedor do PIB deste estado miserável – ou miserabilizado por sucessivos governos que se nutrem da desgraça popular semeadas por eles mesmos.
    É óbvio que um opressor sozinho não tem como fazer valer a sua imposição sobre a população. Para isso, ele precisa recrutar jagunços tiranos, para sofocar as vozes insatisfeitas; torturar e matar aqueles irmãos que sucumbiram ao abismo da marginalidade, cuja escavação, muitas vezes, é obra desses governantes pandemônicos. E o mais paradoxo: os verdugos chapas-brancas são custeados pelo suor da própria comunidade que gera a receita nesta Unidade da Federação.
    Tal critério de prioridade é uma covardia para com a parcela produtiva, desarmada e “desamada” do Maranhão. Qual seja: por constituir a prevalência do útil sobre o inútil e do mal sobre o bem. Servir de “mula de carga” para sustentar, diretamente, sob regime ignominoso a economia deste estado ou “tonel sem fundo”; isso sim, é uma das piores comorbidades que deveria converter os seus credores, em receptores pioneiros das campanhas de vacinação.
    Ao invés dessa prerrogativa aos agentes da segurança pública, que asseguram ao mandátario, o conforto de assistir ao povo apanhar amarrado, nesse caso, o governo Flávio Dino teria de promover uma faxina, em suas corporações, a fim de extirpar as súcias que, porventura, homiziam-se nelas! Um canal telefônico 0800 ou ferramentas equivalentes, para população manifestar suas denuncias, seriam um ótimo teste para avaliar a má ou boa vontade do governo estadual, em deflagrar a assepsia aqui proposta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens