Fechar
Buscar no Site

O que falta para Flávio Dino e uma ala do PCdoB migrarem ao PSB

A indefinição sobre as regras do jogo eleitoral para 2022 é o que impede uma movimentação importante nos partidos de esquerda nessa pré-temporada de alianças políticas.

Como o Radar vem mostrando desde o ano passado, uma ala importante do PCdoB, liderada pelo governador do Maranhão Flávio Dino, busca alternativas para o provável naufrágio do partido a partir da cláusula de barreira.

O caminho mais provável é a mudança ao PSB de Carlos Siqueira a partir de uma fusão, mas os aliados de Dino ainda tentam fazer avançar na Câmara uma proposta de emenda à Constituição que cria federações partidárias, mecanismo que permitiria aos partidos atingidos pela cláusula de barreira formarem federações com outras siglas para atuarem conjuntamente no Parlamento, mas sem perder suas colorações programáticas.

Enquanto essa definição não acontece, os quadros do PCdoB seguem em namoro com o PSB. Como o Radar já mostrou, Dino vai disputar o Senado em 2022. Veja

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

3 respostas para “O que falta para Flávio Dino e uma ala do PCdoB migrarem ao PSB”

  1. anthonymuz disse:

    John Cutrim: Um camaleão, mesmo quando muda de cor continua sendo um Camaleão e não uma lagartixa! O Senhor Flávio Dino é u desastre em pessoa, e mesmo que se mude para a legenda que quiser, vai continuar sendo o Comunista de sempre! Infelizmente temos um STF acuado como bem descreveu Lula_ atolado até os olhos em atos de corrupção e amarrado à hostes ideológicos que os colocou lá, e por isso a famigerada clausula de Barreira não funcionou! Se criou partidos político no Brasil como se cria ratos em paiol de milho! Por isso é que ainda existem uma infinidade de partido orgânicos e inorgânicos, que só servem para aninhar corruptos e as hostes de hienas assassinas do dinheiro Público! Tu conheces as histórias tenebrosas do Consórcio do Nordeste?

  2. Aston Beckman disse:

    O que falta? Majorar o valor do passe, em 300 vezes ao da proposta inicial. E elevar a garantia de impunidade aos recém-cooptados, dentro da nova sigla receptora!

  3. antonio muniz disse:

    Houve a proposta indecente? Será que será mais um caso de uma CPI? Não acredito, mas , sempre há motivos para eternas dúvidas! Vou guardar as minha dúvidas para quendo eu estiver sozinho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens