Fechar
Buscar no Site

No Maranhão Bolsonaro pode ter palanque duplo

A ampliação da base aliada do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pode criar um cenário de palanques duplos e até triplos em seu apoio nos estados na eleição do próximo ano.

De um lado, o chamado bolsonarismo raiz –aquele que ascendeu junto com ele em 2018– briga para manter o seu protagonismo junto ao presidente e busca voos mais altos em 2022. De outro, novos aliados de Bolsonaro, sobretudo do centrão, também miram governos estaduais.

Dentre os estados do Nordeste, Maranhão e Paraíba podem ter palanque duplo para Bolsonaro. No primeiro, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) se aproximou do presidente e diz ser pré-candidato ao governo.

Na ala raiz, contudo, o prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim (PSL), e a prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge (PSDB) também podem disputar o cargo como representantes do bolsonarismo.

O cientista político Cláudio Couto, professor da FGV Eaesp (Fundação Getulio Vargas), afirma que os palanques estaduais de Bolsonaro devem ser marcados pela fragmentação, repetindo o cenário da eleição municipal de 2020.

Sem um partido com estrutura sólida, diz Couto, o presidente terá dificuldade em construir uma coordenação nacional, impor alianças regionais e unir candidatos em um único palanque nos estados.

“Em 2020 foi um barata-voa. E acredito que isso deve se repetir no próximo ano. Em um partido pequeno e com filiação em cima da hora, o presidente terá menor capacidade de liderar uma frente nacional com ramificações locais”, avalia. Com informações da Folha de SP

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Uma resposta para “No Maranhão Bolsonaro pode ter palanque duplo”

  1. Aston Beckman disse:

    Como todo ser humano, Jair Messias Bolsonaro não é 100% errado. Alguns novos conceitos impostos que ele ataca, é porque vão contra a lógica e as leis da compensação e descompensação. Exemplo: minoria se sobrepor à maioria – o carro diante dos bois. Arrancar o dinheiro de pessoas produtivas, para repassar aos inúteis por opção. Será se esses “assistidos” nunca aprenderam: casal pobre que se empesta de filhos, está empurrando-se para a miséria? É justo, nós que contribuímos para a grandeza da pátria, sermos forçados a financiar as “trepadas” dessas gentes e nutrir suas crias? Por que elas não procuram identificar os culpados pela miserabilização delas?
    COTAS RACIAIS? Bolsonaro tem-se posicionado frontalmente contra. Mesmo porque, quem aceita uma “muleta intelectual” dessa, junto, está também admitindo que é inferior e precisa de um handicap para guindá-lo! E no mercado de trabalho: como serão esses “profissionais”, cujo ingresso no curso formacional foi facilitado?
    Outra questão que o presidente tem batido de frente são as concessões especiais feitas ao segmento LGBT, inclusive, pelo Supremo Tribunal Federal, em detrimento de outras comunidades. Homotransfobia equivale a crime de racismo. Sim, quem optou por essa vereda, que tenha lá seus direitos – mas que não receba nenhum incentivo, como o demonizado e diretivo kit gay, por exemplo. Por que, de igual modo, tal esforço sofismático não se aplica ao estabelecimentos dos direitos doutras comunidades?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens