Fechar
Buscar no Site

Maranhão tem maior proporção de baixa renda, segundo IBGE

A taxa de analfabetismo em municípios de até 50 mil habitantes na região Nordeste do Brasil é mais de três vezes superior que a média nacional.

O dado consta dos Resultados Definitivos do Universo e dos indicadores sociais municipais, divulgados nesta quarta-feira (16) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na forma de estudos que complementam o Censo 2010, divulgado em abril deste ano.

A divulgação foi feita na sede do instituto, no centro do Rio, e considerou todos os 5.565 municípios brasileiros.

Conforme o levantamento, em todo o país a taxa de analfabetismo da população com idade igual ou superior a 15 anos caiu de 13,63% em 2000 para 9,6% em 2010. Ainda assim, o índice atinge os 28% nos municípios do Nordeste e é maior entre pretos (14,4%) e pardos (13%). Esse contingente representava, em 2010, quase o triplo dos analfabetos entre a população branca, com taxas de 5,9%.

A situação apontada pelo Censo é considerada preocupante no Nordeste também entre os jovens: pouco mais de 502 mil deles, na faixa dos 15 aos 24 anos, declararam não saber ler e escrever. Na região do semiárido, a taxa de analfabetismo também foi bem mais elevada do que a média nacional, ainda que, desde 2000, tenha caído de 32,6% para 24,3% em 2010.

Entre os analfabetos do semiárido, segundo o Censo, a maioria (65%) são pessoas com mais de 60 anos.

Metade da população tem rendimento per capita de até R$ 375

Apesar da tendência de redução observada nos últimos anos, a desigualdade de renda ainda é bastante acentuada no Brasil conforme mostram os resultados do Censo Demográfico 2010. Embora a média nacional de rendimento domiciliar per capita fosse de R$ 668 no ano passado, 25% dos brasileiros recebiam até R$ 188 e metade recebia até R$ 375, valor menor que o salário mínimo daquele ano, que era de R$ 510.

As diferenças entre áreas urbanas e as rurais são visíveis. Ao observar os números do levantamento feito pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), observa-se que metade da população urbana recebia até R$ 415 em média, enquanto que esse valor recuava nas áreas rurais: R$ 170.

O Instituto explica que, como os números ainda são preliminares, considera-se apenas pessoas e domicílios de rendimento positivo, excluindo aqueles com renda zero ou sem declaração.

Nas cidades com até 50 mil habitantes, predominou o valor de até um salário mínimo para 75% da população. Por outro lado, naquelas com mais de 500 mil habitantes, metade da população recebia até R$ 503. A média da renda domiciliar per capita nesses municípios mais populosos era de R$ 991, mais de duas vezes superior ao observado nas cidades com até 50 mil habitantes.

No caso das capitais, mantém-se a tendência histórica de melhores níveis de rendimento domiciliar per capita nos estados das regiões Sul e Sudeste. O maior valor, de R$ 1.573, foi registrado em Florianópolis (SC), onde metade da população recebe até R$ 900, seguida por Vitória (ES), cujos valores eram de R$ 1.499 e R$ 755, respectivamente.

Para se ter uma ideia da desigualdade, os rendimentos domiciliares per capita médios de Macapá (AP), Teresina (PI), Manaus (AM), Rio Branco (AC), São Luis (MA), Maceió (AL), Boa Vista (RR) e Belém (PA) representavam 40% da renda observada na capital catarinense. Em Macapá, a pior situação das capitais, o rendimento era de R$ 631, com 50% da população recebendo até R$ 316.

Baixa Renda

O Maranhão tem proporcionalmente a maior quantidade de domicílios com moradores de baixa renda no Brasil. Entre as casas pesquisadas, 26,51% têm moradores com renda mensal individual de até R$ 127,50, o menor nível de rendimento considerado pelo IBGE.

Esse índice é quase o triplo da média nacional. No Brasil, 9,16% dos domicílios têm habitantes com essa faixa de renda. Os dados são do Censo 2010 e foram divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Na outra ponta, de maior renda, o Maranhão também tem o pior desempenho. Apenas 1,47% dos lares apresentam moradores com renda mensal per capita acima de R$ 2.550 (a maior faixa considerada pelo IBGE na pesquisa). A média nacional dessa fatia é de 5,13%.

Piauí e Alagoas são o segundo e o terceiro Estados com pior colocação no ranking. No Piauí, 24,80% das casas têm habitantes com renda individual de até R$ 127,50. Em Alagoas, são 22,57%.

O Estado com menos proporção de baixa renda é Santa Catarina. Só 2,12% de suas casas abrigam habitantes com renda mensal de até R$ 127,50. Com relação ao topo da renda, Santa Catarina está ligeiramente acima da média nacional, com 5,50% dos imóveis com moradores ganhando mais de R$ 2.550 per capita.

A unidade da Federação que tem proporcionalmente mais moradores de renda alta é o Distrito Federal, onde 18,96% das residências têm moradores com ganhos mensais individuais além de R$ 2.550. Isso representa quase quatro vezes o índice médio nacional.

Rio de Janeiro supera São Paulo e é o segundo Estado com maior proporção de renda alta. É de 8,14% o índice de casas no Rio com moradores que ganham acima de R$ 2.550 por mês. São Paulo vem a seguir com 7,37%. (Com iformações do portal UOL)

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

7 respostas para “Maranhão tem maior proporção de baixa renda, segundo IBGE”

  1. Benigno disse:

    Não se preocupe John! Do jeito que a polícia está matando pobres, em breve, a baixa renda vai sumir do nosso mapa estatístico.
    -Tenho dito, e não é de hoje: “A mãe de quase todas as desgraças da humanidade chama-se superpopulação; cada indivíduo que nasce é um potencial multiplicador de problemas. E tem mais, explosão demográfica não deve ser medida por número de habitantes por quilômetro quadrado. Percebeu-se o superpovoamento, quando as fontes vitais perderam sua capacidade, in natura, de suprir as necessidades dos humanoides. Ao se recorrer a milagres da química e da tecnologia é porque o inchaço populacional, há muito tempo, já rasgou as regras da ortobiose.
    O mundo urge pelo controle severo da taxa de natalidade, inclusive, com a aplicação da eugenia malthusiana, o que deve ser antecipado por reformas adaptativas nas leis trabalhistas e previdenciárias. Se tal medida conseguir ao menos anular o crescimento vegetativo, quem sobreviver, já pode respirar mais aliviado. Os casamentos “homodefecativos” podem ser um mecanismo de regulação natural da proliferação humana na crosta terrestre. Gente virou “autopoluição”; as pessoas estão morrendo intoxicadas pelo seu próprio excremento. Mais do que sempre, meros cadáveres ambulantes com prazo de validade. Morte aos nascituros! Viva os morituros!

  2. Blog do alto disse:

    PAPAGAIO COME O MILHO, O PERIQUITO LEVA A FAMA

    Em mais uma tentativa desesperada de ocultar a verdade dos fatos, transferindo para outros ações que são comuns na atual oposição (que já esteve no poder por 12 anos e deixou o Município completamente endividado e sucateado), o deputado André Fufuca (mais conhecido no Maranhão como Deputado Emo), filhote mal gerado da politicagem de Fufuca Dantas, ex-prefeito de Alto Alegre do Pindaré, ex-deputado estadual no Maranhão, ex-secretário de minas e energia do mesmo Estado (Ué?! Parece que quem não serve para mais nada só serve para ser EX?!), acusou, descaradamente, ontem (16), em sessão plenária da Assembleia Legislativa (casa que por ele deveria ser respeitada, tanto quanto deveria respeitar o Município e os que nele acreditaram e votaram, mas não o faz), o Prefeito Atemir Botelho de ser o responsável pela onda de invasões que vem acontecendo em nosso Município desde o último dia 13 do mês corrente. Esquece-se ele (aliás, esquece-se não; faz-se, finge-se esquecido) que este tipo de atitude é típico do seu grupo que, desde o início da atual gestão (que eles tiveram que engolir goela abaixo e a seco; e nunca se conformaram com isso), vem incitando, incentivando e liderando invasões, ataques morais (para não dizer imorais) e outras ações danosas contra os representantes do Governo Municipal (e do povo, é claro!), na vã esperança de confundir a opinião pública e colocar o povo contra o Prefeito (coisa que, apesar de todas as tentativas, nunca conseguiram, nem conseguirão). Contudo, conhecedores da verdade como somos, e sem medo de quem quer que seja, pois a época do “bico calado, tome cuidado, que o homem vem aí” já acabou, vamos esclarecer, não com nossas palavras, mas com as palavras do próprio Prefeito que, mesmo indignado com a situação, manteve o equilíbrio, a dignidade, a humildade e a educação (requisitos e valores desconhecidos pelo deputado em questão e o seu grupo), enviou àquela Casa da Lei do Maranhão, nota de esclarecimento sobre as acusações proferidas por André Fufuca. Reproduzimos abaixo, na íntegra, o texto escrito pelo Prefeito.

    “Venho, educadamente, esclarecer os fatos: ano passado, a PREFEITURA adquiriu um terreno para a construção de um Conjunto Habitacional de 180 casas no Município; capachos do ex-deputado Fufuca invadiram o terreno, a citar o ex-candidato a vereador Cláudio Veríssimo, o blogueiro Marcelo Coêlho, os vereadores Cleude e Zé Raimundo, também da base da oposição; fui obrigado a fazer unidades isoladas destas casas; este ano, após o anúncio, na Festa de Aniversário da Cidade, da construção de três quadras cobertas, a construção do Campo de Futebol (aqui na sede não tem campo) e de três creches, ELES (Caçapa, que é um laranja do “Fofoca” e tem em seu nome várias fazendas) e outros invadiram um terreno onde seria construída uma das quadras; o povo se revoltou e invadiu três terrenos que seriam do ex-deputado “Fofoca”. A partir de então, desencadeou-se uma série de invasões: invadiram uma área da Prefeitura, atrás do novo Hospital, onde será construída uma das creches; invadiram uma área particular de um cidadão alto-alegrense (terra produtiva, inclusive arada e com plantio, além de um açude com criação de peixes), dentre outras áreas do Município. Não tenho nada a ver com essas invasões, logo porque tudo começou por um terreno público, da Prefeitura; já ajuizamos uma ação de reintegração de posse dos terrenos públicos de interesse social. E estamos dando apoio Jurídico àqueles que estão se sentindo prejudicados. Repudio invasões: querer tomar à força o que pertence a outros não tem minha aprovação. Fui eleito com a força do povo e é para o povo que vou continuar trabalhando”.

    Atemir Botelho.
    Prefeito Municipal.

    Por Heider Carvalho

    http://www.blogdoalto.com

  3. Blog do alto disse:

    PAPAGAIO COME O MILHO, O PERIQUITO LEVA A FAMA
    Em mais uma tentativa desesperada de ocultar a verdade dos fatos, transferindo para outros ações que são comuns na atual oposição (que já esteve no poder por 12 anos e deixou o Município completamente endividado e sucateado), o deputado André Fufuca (mais conhecido no Maranhão como Deputado Emo), filhote mal gerado da politicagem de Fufuca Dantas, ex-prefeito de Alto Alegre do Pindaré, ex-deputado estadual no Maranhão, ex-secretário de minas e energia do mesmo Estado (Ué?! Parece que quem não serve para mais nada só serve para ser EX?!), acusou, descaradamente, ontem (16), em sessão plenária da Assembleia Legislativa (casa que por ele deveria ser respeitada, tanto quanto deveria respeitar o Município e os que nele acreditaram e votaram, mas não o faz), o Prefeito Atemir Botelho de ser o responsável pela onda de invasões que vem acontecendo em nosso Município desde o último dia 13 do mês corrente. Esquece-se ele (aliás, esquece-se não; faz-se, finge-se esquecido) que este tipo de atitude é típico do seu grupo que, desde o início da atual gestão (que eles tiveram que engolir goela abaixo e a seco; e nunca se conformaram com isso), vem incitando, incentivando e liderando invasões, ataques morais (para não dizer imorais) e outras ações danosas contra os representantes do Governo Municipal (e do povo, é claro!), na vã esperança de confundir a opinião pública e colocar o povo contra o Prefeito (coisa que, apesar de todas as tentativas, nunca conseguiram, nem conseguirão). Contudo, conhecedores da verdade como somos, e sem medo de quem quer que seja, pois a época do “bico calado, tome cuidado, que o homem vem aí” já acabou, vamos esclarecer, não com nossas palavras, mas com as palavras do próprio Prefeito que, mesmo indignado com a situação, manteve o equilíbrio, a dignidade, a humildade e a educação (requisitos e valores desconhecidos pelo deputado em questão e o seu grupo), enviou àquela Casa da Lei do Maranhão, nota de esclarecimento sobre as acusações proferidas por André Fufuca. Reproduzimos abaixo, na íntegra, o texto escrito pelo Prefeito.
    “Venho, educadamente, esclarecer os fatos: ano passado, a PREFEITURA adquiriu um terreno para a construção de um Conjunto Habitacional de 180 casas no Município; capachos do ex-deputado Fufuca invadiram o terreno, a citar o ex-candidato a vereador Cláudio Veríssimo, o blogueiro Marcelo Coêlho, os vereadores Cleude e Zé Raimundo, também da base da oposição; fui obrigado a fazer unidades isoladas destas casas; este ano, após o anúncio, na Festa de Aniversário da Cidade, da construção de três quadras cobertas, a construção do Campo de Futebol (aqui na sede não tem campo) e de três creches, ELES (Caçapa, que é um laranja do “Fofoca” e tem em seu nome várias fazendas) e outros invadiram um terreno onde seria construída uma das quadras; o povo se revoltou e invadiu três terrenos que seriam do ex-deputado “Fofoca”. A partir de então, desencadeou-se uma série de invasões: invadiram uma área da Prefeitura, atrás do novo Hospital, onde será construída uma das creches; invadiram uma área particular de um cidadão alto-alegrense (terra produtiva, inclusive arada e com plantio, além de um açude com criação de peixes), dentre outras áreas do Município. Não tenho nada a ver com essas invasões, logo porque tudo começou por um terreno público, da Prefeitura; já ajuizamos uma ação de reintegração de posse dos terrenos públicos de interesse social. E estamos dando apoio Jurídico àqueles que estão se sentindo prejudicados. Repudio invasões: querer tomar à força o que pertence a outros não tem minha aprovação. Fui eleito com a força do povo e é para o povo que vou continuar trabalhando”.
    Atemir Botelho.
    Prefeito Municipal.

    Por Heider Carvalho

    http://www.blogdoalto.com

  4. Lourenço Louzeiro disse:

    RELATA REFERO, DISSE ME DISSE

    E aí John, onde está a verdade?

    Sussurram pelo quatro cantos que o Jornal Pequeno, online, teria bloqueado o formulário de comentários dos leitores porque seus editores estariam recebendo ameaças de processos e/ou atentados. Sobretudo, quando as opiniões tocavam em greve da PM, ou nos desvios que alguns policiais têm cometido nos últimos meses. Outros dizem ser consequência de um pedido amistoso do comandante-geral da corporação, a fim de que os ânimos não se exacerbassem ainda mais, visto que o espaço serviria de instrumento de incitação e planejamento ao movimento paredista.
    E há até quem comente que as portas se fecharam para induzir os opinantes a migrarem para os blogs hospedados no portal do JP, pois estes teriam sofrido uma queda acentuada nas participações de internautas.

  5. Francinaldo Morais disse:

    O IBGE (2010.2) vem confirmar a permanência de um quadro de desigualdade social brasileiro que, no estado do Maranhão, apresenta os indices mais gritantes, seja quanto a concentração de riqueza, seja quanto a miseria material e cultural. Esse quadro infeliz tem raizes históricas e vinculações com a orientação política quarentona dos Sarneys. Os que têm acesso a formação escolar e informação diária precisamos comprometer nosso senso crítico com ações que contribuam para o interrompimento dessa orientação política perversa, desumana. Não é possivel aceitar passivamente a continuidade desse desastre social. Francinaldo Morais, professor de História, Caxias-MA.

  6. Dr. Silva disse:

    Caro John, hoje é um dia decepcionante para a história de Vargem Grande, amanhã esta cidade é notícia nacional por ser a cidade mais pobre do Maranhão. O JN no ar estará aqui mostrando a mazela de uma cidade que tem tudo pra ser uma das melhores do Estado do Maranhão, mas diante de uma corrupção assentuada e implantada por umgrupo de corruptos comandado pelo Prefeito Miguel Fernandes passará em nível nacional a falta de tudo, de saúde, educação, saneamento básico, assistência social, respeito com o ser humano. Mas talvez depois desta visita as autoridades tomem providências. Quem sabe, membros desse grupo providenciaram a queima da Rádio e TVLíder temendo chegar essas mazelas a nível nacional, através da INTERNET e outras emissoras e blogs, mas já chegou, o JN no ar estará aqui amanhã. Infelizmente para mostrar que somos os mais pobres do Maranhão e provar que estamos pedindo socorro.

  7. Andre Santos disse:

    A maior vergonha é saber a q enkanto essa familia podre tiver no poder o maranhao vai continuar assim. E essa corja de ladroes tem coragem de falar q aki nao tem misera …. kkkk .. lamentavel, governadorazinha, q a senhora tenha uma mente tao tacanha, pobre, podre. É lamentava para o mundo politico ter uma oligarquia ainda, e o que mais doi é que eles roubam e nunca sao punidos; me desculpem, nós vivemos no brasil e na terra do sarney.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens