Fechar
Buscar no Site

Grupo de Sarney busca revanche no Amapá

A eleição no Amapá pode ter sabor de revanche para o grupo político do ex-presidente José Sarney (MDB), cujos aliados sofreram uma série de derrotas impostas pelo presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senador Davi Alcolumbre (União Brasil). A candidata do MDB ao Senado, Rayssa Furlan, despontou na pré-campanha como ameaça à reeleição do influente ex-presidente da Casa.

Na sucessão estadual, o grupo do governador Waldez de Góes (PDT) rachou, enquanto Alcolumbre e o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), até então adversários locais, uniram-se em uma frente ampla contra o candidato do bolsonarismo.

Em 2014, o então deputado federal Davi Alcolumbre derrotou Gilvam Borges (MDB) no embate pela única vaga ao Senado, impedindo o fiel aliado de José Sarney de renovar o mandato. Em 2018, Alcolumbre amargou o terceiro lugar na corrida ao governo, ficando atrás de Waldez, que se reelegeu, e do ex-governador João Capiberibe (PSB).

Alcolumbre retornou ao Senado disposto a se colocar como alternativa ao senador Renan Calheiros (MDB-AL) na disputa pela Presidência da Casa. Apesar da aproximação de Renan do ministro Paulo Guedes (Economia), no esforço de diminuir a resistência do presidente Jair Bolsonaro ao seu nome, Alcolumbre apresentou-se como nova liderança, e, com o apoio do Planalto, venceu Renan, impondo a segunda derrota a um aliado histórico de Sarney.

Três anos depois, o MDB de Sarney investe agora na candidatura ao Senado da primeira-dama de Macapá, Rayssa Furlan. Aos 35 anos, médica, mãe de quatro filhos, ex-secretária municipal de Participação Popular, a “Doutora Rayssa” (como se apresenta ao eleitor), disputa pela primeira vez um cargo eletivo, e é a novidade da eleição. Quem encabeça a chapa majoritária na disputa ao governo é o aliado de Sarney, Gilvam Borges, presidente regional do MDB.

O marido de Rayssa, o prefeito de Macapá, Doutor Furlan (Cidadania), derrotou Josiel Alcolumbre (DEM), irmão de Davi, no pleito municipal de 2020. Naquele ano, então presidente do Senado, Alcolumbre apostou todo o capital político e as emendas milionárias que destinou ao Estado na vitória do irmão. O Amapá havia sido atingido por um apagão enérgico, que deixou às escuras as principais cidades. Com receio de que o incidente contaminasse a campanha do irmão, Alcolumbre até articulou para que o pleito fosse adiado em um mês.

Alcolumbre lidera as pesquisas para o Senado, e indicou o irmão Josiel como primeiro suplente. Mas o desempenho de Rayssa surpreendeu. Em pouco mais de duas semanas, mesmo com a confirmação tardia da candidatura, ela aparece com cerca de dez pontos atrás do ex-presidente do Senado, e em empate técnico com Capiberibe.

“Não é a primeira vez que a gente disputa uma eleição contra o grupo de Sarney”, disse Davi Alcolumbre ao Valor. “Vencemos em 2014, e desta vez, temos um trabalho de muito êxito, um mandato que fez pelo Amapá coisas que há 30 anos o Estado não via. Isso será reconhecido”, afirmou o presidente da CCJ.

Fontes do MDB local estão confiantes de que Rayssa reduzirá a distância de Alcolumbre em breve, porque ela tem o apoio da máquina municipal e do marido que está bem avaliado na prefeitura. Macapá concentra mais de 60% do eleitorado do Estado.

“Nossa candidatura se opõe ao atraso que se faz presente no Estado há décadas, e nasce do clamor por mudança”, disse Rayssa ao Valor. “Os índices de desenvolvimento humano são muito ruins e isso se deve ao descaso de quem ocupa cargos apenas pelos projetos pessoais de poder”, completou.

Um interlocutor de Alcolumbre vê o prefeito de Macapá medindo forças com o seu grupo. Isso porque, depois de Sarney, coube a Alcolumbre recolocar o Amapá no mapa das discussões políticas. “Eles o veem como uma força a ser abatida”, avaliou a fonte. Esse mesmo interlocutor observou que, embora a máquina de Macapá se volte contra ele, o senador conta com o apoio de 15 dos 16 prefeitos do Estado, e tem ampla vantagem em Santana, segunda maior cidade.

Na sucessão estadual, o grupo de Waldez dividiu-se: o governador indicou o candidato a vice Antônio Teles Júnior (PDT) na chapa liderada pelo ex-prefeito de Macapá Clécio Luís (Solidariedade). Em contrapartida, o principal adversário de Clécio é o vice-governador Jaime Nunes (PSD), que também é aliado de Waldez, encabeça as pesquisas, e tem o apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Os grupos de Alcolumbre e do senador Randolfe Rodrigues, que rivalizaram na eleição para a Prefeitura de Macapá, agora se uniram em torno de Clécio para tentar evitar a vitória de Jaime Nunes. “Construímos uma frente ampla contra os candidatos do bolsonarismo, nossa divisão só iria favorecê-los”, justificou Randolfe ao Valor.

A frente ampla contra o bolsonarismo e a favor de Clécio Luís, entretanto, conta com o próprio PL, legenda de Bolsonaro, além de PP e Republicanos, que estão com o presidente na eleição nacional; os outros partidos que apoiam o candidato do Solidariedade são PDT, União Brasil, PSDB e Cidadania. Ele tem apoios informais de PSB, PT, PCdoB e PV, Rede e PSOL, que caminham com Capiberibe na disputa ao Senado. O ex-governador aparece em terceiro lugar, atrás de Alcolumbre e Rayssa.

Em outra frente, outro grupo de partidos que apoiam a reeleição do presidente Bolsonaro, formal ou informalmente, uniram-se na coligação de apoio a Jaime Nunes: Patriota, PTB e PSC. (Do Valor Econômico)

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Uma resposta para “Grupo de Sarney busca revanche no Amapá”

  1. PEDRO PAULO disse:

    AMAPÁ A LATRINA dos políticos podres do Brasil— correm para lá — onde são eleitos e reeleitos infinitas vezes…. AMAPÁ , LATRINA DO BRASIL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens