Fechar
Buscar no Site

FENAJ e Sindicatos de jornalistas pedem prioridade na vacinação e lançam campanha “Essencial é a informação!”

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e diversos sindicatos da categoria de todo o país lançaram nesta terça (4) a campanha “Essencial é a informação!”, que reforça a reivindicação da inclusão dos profissionais de imprensa entre os grupos prioritários do Plano Nacional de Imunização (PNI) de combate ao coronavírus.

A ideia é que sejam vacinados os jornalistas da linha de frente, isto é, que saem de casa diariamente para trabalhar. Além de contar com mobilização virtual nas redes sociais, a campanha busca engajar a categoria e a sociedade para que pressionem em conjunto o Ministério da Saúde. Outro objetivo é aprovar, no Congresso Nacional, projetos de lei que tratam do PNI, para que os jornalistas sejam incluídos.

No Congresso Nacional, a FENAJ está atuando em duas frentes: a apresentação de uma emenda ao PL da vacinação, quando a proposta chegar ao Senado, após aprovação na Câmara; e o apoio ao projeto de lei 1317/2021, do deputado Dagoberto Nogueira (PDT), que trata exclusivamente da vacinação dos profissionais jornalistas. A FENAJ tentou, sem sucesso, emendar o PL 1011/20 que prevê a inclusão de 16 categorias no PNI. Entretanto, ele pode ser emendado em sua tramitação no Senado. Além disso, o deputado Dagoberto Nogueira imediatamente apresentou o outro projeto de lei para contemplar a reivindicação da categoria.

Serviço essencial

Como justificativa a essas ações, além de apresentar os dados sobre a doença na categoria profissional dos jornalistas, a FENAJ lembra que desde o primeiro decreto sobre a pandemia (decreto 10.288, de 22 de março de 2020), a atividade jornalística é considerada serviço essencial, e que profissionais jornalistas estão expostos diariamente ao vírus, e que ainda que haja a recomendação que todas as atividades possíveis devam ser realizadas em teletrabalho, para a produção de notícias em telejornalismo, fotojornalismo e radiojornalismo é necessária a exposição desses profissionais de imprensa ao risco.

A FENAJ e os 31 Sindicatos filiados tentaram, por outros meios, a inserção dos jornalistas nos planos regionais de vacinação, com o envio de ofício às Secretarias municipais e estaduais de saúde, assim como às prefeituras e governos do Estado. A maioria dos pedidos foi negada, sob alegação de que as diretrizes são definidas pelo Ministério da Saúde, através do Plano Nacional de Imunização (PNI). Mesmo assim, em muitos estados da federação, a solicitação para a vacinação dos profissionais jornalistas avança nas assembleias legislativas.

FENAJ e Sindicatos de Jornalistas lutam por vacinação universalizada e gratuita para todo o conjunto da população, única forma de reduzir os índices de contágio e de mortes pela doença no país. Mas também reivindicam que os profissionais jornalistas estejam inseridos entre os grupos prioritários no Plano Nacional de Imunização, pela real situação de risco a que os profissionais estão submetidos cotidianamente. O Brasil é o país com mais jornalistas vítimas de Covid-19 no mundo.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Uma resposta para “FENAJ e Sindicatos de jornalistas pedem prioridade na vacinação e lançam campanha “Essencial é a informação!””

  1. Aston Beckman disse:

    A depender da estirpe do desqualicador, graças à inversão do ônus arrevesado pelo contraste, as desqualificações se revertem em glórias. Porquanto, Moro, Lula, Bolsonaro, eu ou quaisquer comentaristas, não nos devemos comportar como gado de ferra, para aceitarmos rótulos quentes no lombo!
    Aqui, entre os comentaristas, deveria prevalecer a relação Ad Rem, não a Ad Hominem. Mas isso, nem sempre, verifica-se. Muitas vezes, os metacríticos forçam para não dissociarem o homem, do ator, do personagem.
    As críticas, ostensivas ou veladas, sempre irão existir, especialmente, quando o alvo for a Res Pública (a coisa pública): até que surja alguém com o certificado de posse, de Dono da verdade e Senhor da razão, aí os opinantes poderão incorrer em crime de violação de propriedade intelectual. Por precaução, outoconfinar-se-ão ao ostracismo.

    VIDE ABAIXO NOVAS PENAS PARA CRIME DE CALÚNIA, DIFAMAÇÃO EBINJÚRIA – NO ÂMBITO DA INTERNET >>>>>

    https://www.google.com/amp/s/olhardigital.com.br/2021/03/18/internet-e-redes-sociais/camara-derruba-veto-e-aumenta-pena-para-injuria-e-difamacao-na-internet/amp/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens