Fechar
Buscar no Site

Deputados maranhenses participam de audiência pública de desapropriação Rebio Gurupi

A região da Reserva Biológica do Gurupi, criada em 1988, tem sido há muito tempo, área de disputas de território, tendo de um lado produtores rurais trazidos por estímulo do governo federal para produzir, prosperar e preservar nossas fronteiras, e do outro, o mesmo Governo Federal por meio do ICMBio (Instituto Chico Mendes) tentando nos dias de hoje preservar os biomas presentes na região.

Dep WRocha Audiência 25062013_foto Fred Cunha01 (1)

Na tarde desta terça-feira (25/6) foi realizada audiência pública pela Comissão de Integração Nacional e Desenvolvimento Regional da Amazônia (Cindra) disposta a enfim ouvir amplamente as duas partes e buscar soluções para os conflitos eminentes que hoje acontecem região. A audiência foi presidida pelo deputado federal maranhense Weverton Rocha (PDT), autor do requerimento e que, na companhia dos deputados paraenses Giovanni Queiroz e Asdrubal Bestes, esteve em maio passado na região, onde puderam apurar diversas denúncias relacionadas à postura dos técnicos do ICMBio, como de uso excessivo de força.

O técnico responsável da Associação dos Produtores da Região do Vale do Gurupi (Aprovale), Gregory Bandeira, apresentou aos presentes erros de origem da Rebio que em 1988 já possuía moradores, detentores de títulos de terra e de financiamentos em bancos públicos, e propôs ao ICMBio um reajuste nos limites da reserva para que terrenos antropizados não mais influenciem as áreas preservadas. Além de produtor, Gregory é nascido na região e também foi testemunha do abuso da polícia militar a mando dos técnicos do ICMBio. “Vi meus pais serem algemados”, relembra o geomensor.

Giovanni Queiroz (PDT-PA) exigiu imediata reabertura das estradas que dão acesso a região, para que os produtores possam escoar suas produções, e salientou o perigo das indenizações. “A ‘poupança’ do homem do campo são as benfeitorias que ele faz em sua propriedade”, destacou Queiroz. Outro ponto fortemente defendido pelo deputado paraense é a convocação da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira caso a audiência não alcançasse resultados satisfatórios.

Para o deputado Asdrubal Bentes (PMDB-PA) ouve uma inversão de valores nos dias de hoje. “Se você mata uma pessoa, existe vários atenuantes para aliviar sua pena. Agora experimente matar um macaco?!”, ironizou Bentes. Outro destaque na fala do deputado paraense é a denúncia cada vez mais evidente de interesses internacionais (ONGs) na morosidade da questão de regularização fundiária nacional e solicitou ao ICMBio, coragem para que a Rebio Gurupi seja ajustada.

O representante do ICMBio, Dr. João Novaes reconheceu a complexidade da situação. “Não podemos permitir que o Brasil perca seu bioma, e por outro lado temos a obrigação de apoiar a produção agrícola brasileira com selo verde”, destacou Novaes. O Diretor de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial do ICMBio, também destacou a importância do diálogo e do bom senso em relação as desapropriações e, principalmente, as indenizações quanto as benfeitorias realizadas nas propriedades.

Após três horas de discussões, foram estabelecidos alguns encaminhamentos. Como a ampla divulgação da primeira reunião do Conselho Gestor da Rebio Gurupi, formada por órgãos do governo e também da sociedade civil a realizar-se no dia 12 de julho na cidade de Açailândia-MA. O deputado Weverton Rocha destacou a importância da audiência e suas definições: “Demos um importante passo rumo a um melhor entendimento quanto à situação da Rebio Gurupi, e principalmente saímos daqui hoje com a garantia de que não haverão novos maus tratos junto aos moradores”, comemorou o deputado.

A Audiência contou com as presenças do deputado federal maranhense Simplício Araújo, da deputada estadual maranhense Vianey Bringel, do prefeito e do presidente da câmara de vereadores de São João do Caru e dezenas de produtores rurais maranhenses que moram e investem na região.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

4 respostas para “Deputados maranhenses participam de audiência pública de desapropriação Rebio Gurupi”

  1. renato disse:

    Péssima Iniciativa do Deputado Weverton Rocha, nessa perspectiva ele so está vendo o lado dos produtores, e o texto do nobre jornalista tambem refelete isso, a REBIO foi criada e é uma área de proteção integral o que tem que haver são indenizações e tirar todo mundo de lá, o que ocorre é que os proprietarios ficam protelando na justiça as ações , de olho no único pedaçõ de floresta amazonica no Maranhão, de olho na madeira que vem de lá, tem tanta terra em outro lugar, tanta terra abandonada em que poderiam perfeitamente produzir. Os ruralistas estão em uma articulação em que se fazem de coitadinhos, tudo capitaneado pela sra Katia Abreu, todas as questões que envolvem conflitos eles se fazem de coitados em nenhum momento falam que grilaram a terra pública ou terra indígena. Mas no Brasil todo mundo quer levar vantagem, pena que dessa vez é em um dos poucos remanescentes florestais do Maranhão.

  2. Fabio Lima disse:

    Renato vc está enganado, Weverton Rocha tem contribuído muito para o desenvolvimento do maranhão, ele só está fazendo o papel dele de deputado, com relação a desapropriações, quem está protelando é o Governo Federal, que praticamente quer tomar a força as terras alheias a força sendo que muitas delas até possuem registro anterior a criação da Reserva, e mesmo decadas após a edição do decreto nenhum processo de desapropriação foi iniciado, mas até entendo o seu posicionamento, pois a mídia, especialmente a Globo, tem influenciado nesta questão ao passo que coloca o meio ambiente como mais importante que o ser humano, mas não é porque ela é boazinha não, mas sim porque tem orgãos internacionais envolvidos nesta questão com interesses alheios a natureza ao passo que muitas reservas também são ricas em minério, por isso, ante de adotar um posicionamento, é necessário conhecer bem o assunto e não se deixar levar por meios de comunicação que por sinal também são corruptos.

  3. Ribamar disse:

    John,
    Aproveita e diga ao Deputado para encampar nas conversações o Parque do Mirador, hoje usada para Reposição Florestal da SEMA.
    Um abraço

  4. O Meio Ambiente e o Ser humano são inseparáveis. É um erro pensar que devemos manter a floresta intacta e também é erro pensar que devemos desmatar tudo para produzir. Os recursos naturais são isso mesmo: recursos, que podemos e devemos usar em nosso beneficio, mas de forma inteligente e sustentável, o que não tem acontecido no Maranhão e , por extensão, no Brasil. A situação da Rebio é critica, pois somos um estado amazônico e poucas vezes nos damos conta disso: mais de 70% de nossas florestas já devastadas, no pior cenário de todo o território nacional. Por isso defendo que as desapropriações dos antigos e verdadeiros proprietários (com documentação) sejam feitas o mais rapido possivel, com as suas devidas indenizações; os grileiros, posseiros, madeireiros e demais criminosos sejam expulsos e que as areas antropizadas sejam recuperadas e reflorestadas. A floresta amazônica maranhense agoniza, e junto com ela várias especies de flora/fauna ameaçadas e vulneráveis à extinção. É nosso dever como seres humanos e como cidadãos maranhenses zelar pelo o que resta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens