Fechar
Buscar no Site

À Veja, Flávio Dino diz que se não for candidato à Presidência, disputará o Senado

No PT, há quem diga que o governador Flávio Dino (PCdoB) tem habilidade na articulação política e trânsito popular semelhantes aos de Lula. Não à toa seu nome já foi aventado como uma possibilidade para encabeçar em 2022 a chapa do partido, que enfrenta dificuldades para manter a hegemonia na esquerda. O ex­-prefeito Fernando Haddad, candidato petista ao Planalto em 2018, tem demonstrado nos bastidores certo incômodo com o protagonismo que o governador do PCdoB vem ganhando no PT. Quando é questionado, Dino costuma sair pela tangente — defende a formação de frente ampla contra o bolsonarismo —, mas dá pistas sobre o futuro. “Uma candidatura à Presidência poderá se colocar se houver um conjunto de forças me apoiando. Se não houver, serei candidato ao Senado”, afirmou a VEJA.

Dino vem se destacando na capacidade de articulação política. No segundo mandato, sua base saltou de nove para dezesseis partidos, entre eles os direitistas DEM e Republicanos. Dos 42 deputados estaduais, só três formam a oposição. “O grupo dos Sarney acabou”, afirma o deputado César Pires, que foi secretário da ex-governadora Roseana Sarney. Outro opositor é o neto do ex-presidente, Adriano, o único da família que hoje tem cargo eletivo, e que revoltou o avô ao abandonar o sobrenome na vida pública (na porta do seu gabinete na Assembleia Legislativa, “Adriano” é o único nome na placa). O ex-presidente considerou aquilo uma “vergonha”. “Quero imprimir uma marca minha”, justifica o deputado estadual. Aos 89 anos, Sarney não quer mais se envolver publicamente com a política, mas diz que Dino tem o direito de prospectar uma candidatura ao Planalto. O governador já esteve com os ex-presidentes Lula e FHC e com Luciano Huck, um possível candidato em 2022. Com o apresentador, teve várias conversas sobre o combate à desigualdade. Eles não falaram em nenhum momento a respeito de uma parceria política. Ao contrário da esquerda, Dino tem bom trânsito entre os evangélicos, tanto que há um processo contra ele por uso da máquina pública após ter criado 36 cargos de capelão nas forças de segurança estaduais, a maioria para evangélicos e sem concurso, com salários que chegam a 20 000 reais, uma verdadeira fortuna por ali.

A habilidade nas alianças, a postura de encarnar uma esquerda menos radical e alguns projetos certeiros na área social ajudaram a projetar nacionalmente seu nome. Com informações da Veja

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

4 respostas para “À Veja, Flávio Dino diz que se não for candidato à Presidência, disputará o Senado”

  1. Carlos disse:

    Descobriu a roda! Obvio que vais disputar o senado.
    Candidatura pra presidente é outros 500, seria o maior vexame da paroquia.
    Neguinho ia revirar esse Maranhão do avesso, mostrar todas as mazelas desse estado em rede nacional. Tu seria o último colocado.

  2. Aston Beckman disse:

    Os patologistas costumam alertar: o pior mal é aquele que se estabelece tácita ou insidiosamente. Esse “trabalho de formiguinha”, por ser imperceptível vai reprgramando o organismo de modo assimilável.
    Por analogia, Bolsonaro parece, a cada mexida na sua equipe, deixar os conspiracionistas em polvorosa: estes acreditavam ter o capitão a má intenção de deflagrar um “golpe branco”. Ontem o presidente tornou o seu “núcleo duro” mais tenaz ainda: fincou mais um militar linha dura dentre os ministros palacianos, também conhecido como gabinete do ódio! Desta feita, o empossado foi o gen. Braga Netto, interventor da segurança pública, no Rio de Janeiro, nomeado por Michel Temer.
    O termo “núcleo duro” seria um sarcasmo do Jair Messias ao esterótipo engendrado pelo PT, para nomear as mulheres masculinizadas, que assumiam comando dos movimentos sociais a serviço da ideologia CaPeTista: “Grelo Duro”, assim eram alcunhados tais lideranças femininas (nem tanto).

  3. Aston Beckman disse:

    …. estereótipo….

  4. Pedro disse:

    O Dino fez e está fazendo sua parte .
    Melhorou educação piso salarial dos professores, segurança pública fez hospital regional Caxias, Santa Inês, balsa, Imperatriz, são Luiz, etc. Construíu escolas digna todo Maranhão principalmente nos 10 municípios que o IDH não era bom, em Caxias tem curso até para medicina.
    O governo é responsável por 3 coisa Educação, saúde, segurança. Agora tem
    O outro lado da história o Maranhão passou muitos anos uns 40 anos ou mais o povo sem oportunidade se acostumaram trabalhar braçal na diária viajar para outros estados mato grosso garimpo, Goiás corte de cana, virou cultura do povo maranhense mesmo com os recursos que o governo dá condições de estudar o povo não acredita só quem liberta o povo da pobreza é a educação. O Dino
    Está sendo bem avaliado por causa da educação, é a melhor arma para se salvar da miséria da pobreza é educação,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens