Fechar
Buscar no Site

CPI não vai dar em nada para Bolsonaro, diz senador

O senador Ciro Nogueira (PP-PI) se reuniu com empresários e banqueiros na quarta (28) em SP e foi taxativo: a CPI da Covid não vai dar em nada para o presidente Jair Bolsonaro.

VIP

Ciro integra a CPI e é um dos principais defensores do governo no Senado. No encontro, ele tentou tranquilizar os convidados sobre o andamento das investigações contra Bolsonaro. Estavam presentes acionistas e executivos de bancos como Bradesco, Itaú e BTG, além de varejistas e industriais.

VIP 2

Segundo Ciro, empresários e a imprensa estão superdimensionando o papel do senador Renan Calheiros (MDB-AL) como relator da CPI.

PALAVRAS

Ciro disse que Calheiros pode até fazer um relatório reunindo graves acusações contra o presidente. Neste caso, a bancada do governo apresentará um relatório divergente —e se estabelecerá uma guerra de versões.

PEDRA

Ainda que o relatório de Renan Calheiros seja aprovado, nada acontecerá —muito menos o impeachment. Por um motivo simples: o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), não deixará nenhum pedido de afastamento de Bolsonaro ser discutido, funcionando como uma sólida barreira.

ESTILO

O senador rebateu também eventuais críticas de que não defende o governo com a ênfase necessária. Disse que seu estilo é outro: ninguém vai vê-lo batendo na mesa, gritando e xingando adversários. Mas sim resolvendo os problemas.

ESTILO 2

O parlamentar rasgou elogios a Bolsonaro, afirmando que é o político mais bem intencionado que já conheceu desde que entrou na política. Ciro já apoiou também os governos de Lula e Dilma.

CARTÃO

Ciro estava com os deputados Luiz Antonio Teixeira Junior (PP-RJ), o doutor Luizinho, Cacá Leão (PP-BA) e Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), relator da reforma tributária. Folha de SP

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

3 respostas para “CPI não vai dar em nada para Bolsonaro, diz senador”

  1. Aston Beckman disse:

    Acho até que, por vezes, políticos são “bodes expiatórios”: no Brasil, todos os segmentos estão podres. Nem sempre, o sujeito adere a certos vícios, não porque seja pervertido, mas por uma questão de adequação à práxis do seu meio. Veja só: dois cidadãos, A e B, põem mercearias em esquinas paralelas. O proprietário “A” paga seus impostos regularmente, compra produtos com notas fiscais e procedência lícita. O comerciante “B” faz tudo ao contrário. Resultado: se o negociante B tirar R$ 0,50 de suas mercadorias, vai nocautear o A, sem dar um soco; graças à procura pelo menor preço.
    Às vezes, determinadas pessoas não enxergam isso, ou se negam a vê-lo, por várias razões: teve um bom suporte familiar e religioso, “não tô nem aí não é comigo”, alguém que se sente inatingível ou, simplesmente, porque tira proveito da situação.
    Mas pra quem já trilhou pelo submundo, filho de famílias problemáticas; se ignorar, precisa dum transplante de cérebro. Ou senão incorporou a prática como elemento do seu modus vivendi.
    A garantia de tudo isso é: a impunidade institucional e a permissividade social: duas variáveis que se retroalimentam.
    Ora, poucas são as famílias que vetam um traficante próspero de namorar a filhinha do coração.
    Se o processo eleitoral fosse realizado dentro da mais insuspeita seriedade, poder-se-ia até arriscar esta tese: “Representantes bandidos são frutos da escolha de um eleitorado igualmente bandido”. Significa afirmar: Os constituídos seriam o suprassumo ético dos seus constituintes!
    Por que somente o outro é quem deve melhorar? Porque não existe, no ser humano, algo mais compulsivo do que o cinismo de buscar culpa em outrem. Ademais, nesta acepção, melhorar equivale a se converter num incauto – presa fácil nas mãos daqueles que sabem apenas cobrar o comportamento alheio -, paradoxalmente, requintam-se em suas malícias!
    Atualmente, Jair Bolsonaro é o “culpado”, inclusive, pasmem: pela Gripe Espanhola de 1.918.

  2. Aston Beckman disse:

    Integrantes da bancada evangélica expõem insatisfação com governo Bolsonaro
    Lideranças religiosas já fazem críticas públicas e abrem diálogo com opositores. Segmento dá ao presidente avaliação positiva acima da média nas pesquisas

    https://oglobo.globo.com/brasil/integrantes-da-bancada-evangelica-expoem-insatisfacao-com-governo-bolsonaro-24995697?versao=amp

  3. Getúlio Leite disse:

    Quando aparecerem as distorções (desvio de repasse federal) nas contas de governos estaduais e prefeituras,sem a devida comprovação da aplicação para combate à Covid19,vão ver que o tiro saiu pela culatra. Aguardemos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens