Fechar
Buscar no Site

Bolsonaro agrediu os maranhenses ao deturpar informações sobre recursos enviados ao MA, diz Simplício

Por Simplicio Araújo

Esta semana, a comitiva do presidente da República esteve em Alcântara, no Maranhão, para entregar 140 títulos de terra à população quilombola da região do Centro de Lançamento da Base Espacial.

​Em seu discurso, talvez incomodado com uma ação jurídica em que o governador Flávio Dino busca garantir recursos para atender os maranhenses, Bolsonaro deturpou informações e levou a entendimento que o governador recebeu 1,3 bilhão de recursos para o combate ao coronavírus.

​Após já realizadas as devidas pontuações políticas, é também necessário se trazer luz aos números citados pelo presidente e, certamente, pela sua assessoria ou por algum “aziado”.

​De fato, mesmo tratando a pandemia como gripezinha, o governo federal, com o devido mérito do congresso nacional, também enviou 1,3 bi de recursos para o combate ao coronavírus no Maranhão. O o erro foi o presidente não dizer para onde mandou e como se deu a distribuição destes recursos.

​Na verdade foram exatos R$ 1.308.582.640,54 (um bilhão, trezentos e oito milhões, quinhentos e oitenta e dois mil, seiscentos e quarenta reais e cinquenta e quatro centavos), sendo que, deste valor, R$ 1.032.377.208,74(um bilhão, trinta e dois milhões, trezentos e setenta e sete mil, duzentos e oito reais e setenta e quatro centavos) foram pagos diretamente aos municípios maranhenses.

R$ 276.205.431,80(duzentos e setenta e seis milhões, duzentos e cinco mil, quatrocentos e trinta e um reais e oitenta centavos) foram pagos ao governo estadual do Maranhão, e junto a mais de R$ 2.000.000.000,00(dois bilhões de reais) de recursos próprios do Maranhão, permitiram que o governador Flavio Dino abrisse hospitais, mais de 1700 leitos novos na capital e no interior, removesse pacientes por aviões e helicópteros, ambulâncias, contratasse profissionais, deixando o Maranhão com indicadores acima da média nacional até o mês de janeiro deste ano.

A Ação na justiça em que o Maranhão pede que o Ministério da Saúde repasse sua parte no custeio é necessária em decorrência da falta de compreensão do governo federal de que os recursos enviados ano passado, no caso os 276 milhões, já foram usados em 2020, e este ano a pandemia parece que vai ser mais agressiva.

Sobre os recursos de 1,3 bilhão citados pelo presidente, o próprio governo federal tem muito a explicar. Explicações mais importantes até que simplesmente apontar a totalidade dessa cifra bilionária.

Sem emitir, no momento, qualquer juízo de valor, listo abaixo para a reflexão de todos alguns municípios e os valores recebidos, e disponibilizo em anexo a lista de todos os repasses às 217 cidades do nosso estado.

CIDADE
POPULAÇÃO
VALOR RECEBIDO EM REAL

Timon
170.222
R$ 16.150.595,50
Miranda do Norte
28.754
R$ 15.343.740,10
Imperatriz
259.337
R$ 21.536.734,50
Caxias
165.525
R$ 35.515.484,50
Bacabal
104.790
R$ 17.424.209,80
Buriticupu
72.983
R$ 12.258.128,61
Açailândia
113.121
R$ 12.570.940,81
Paço do Lumiar
156.216
R$ 5.908.633,68
Parnarama
35.008
R$ 6.925.101,07
Tuntum
42.040
R$ 11.040.438,34
Barra do Corda
88.492
R$ 11.107.859,83
Balsas
95.929
R$ 10.453.550,28
Dom Pedro
23.372
R$ 3.604.731,63
Vitorino Freire
31.522
R$ 13.928.566,78

​Os números, ameaças e detalhamento apontam para uma certeza: mesmo com muita dificuldade, o governo Flavio Dino tem feito um brilhante trabalho no combate à covid-19. Isso incomoda até mesmo quem devia silenciar, caso não tenha a humildade e capacidade de reconhecer. Vamos continuar em frente, fazendo tudo o que estiver ao nosso alcance para salvar vidas.

Simplício Araújo

Secretário de Estado da Indústria, Comércio e Energia

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Uma resposta para “Bolsonaro agrediu os maranhenses ao deturpar informações sobre recursos enviados ao MA, diz Simplício”

  1. Aston Beckman disse:

    Nessa questão do trato ambiental e, no acesso à aquisição de armas, Bolsonaro expressa bem claro a sua índole de mal-intencionado.
    Talvez ele acredite que essa parcela da sociedade, a qual ele está subsidiando e estimulando a se armar, possa sair em sua defesa, em caso de uma insurreição contra o seu desgoverno. Se dentre os órgãos de investigação, ainda houvesse pelo menos um independente, seria providencial se verificasse a relação entre o capitão e a indústria de armas.
    Por outro lado, permitindo a destruição do meio ambiente, Bolsonaro contempla uma horda de apoiadores bem definida: mineradores, latifundiários, pecuaristas, agricultores; figuras influenciadores do poder rural.
    Deixando que as nossas riquezas naturais sejam exploradas de modo desregrado e predatório, o que for extraído dela, seria como uma fórmula para compensar, no bolo da economia, aquilo que a incompetência de gestão não oferece condições, para que fosse gerado por vias autossustentáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens