Fechar
Buscar no Site

Bira considera resposta de Sarney a ‘Veja’ imprópria e inadequada

O deputado Bira do Pindaré (PT) em pronunciamento na Assembleia Legislativa, na manhã desta quinta-feira (07), e comentou a carta resposta do Presidente do Senado enviado à revista Veja. José Sarney tentou rebater as denuncias da revista que o apontou como o principal responsável pela pobreza do Maranhão.

Na foto Bira à esquerda ao lado do deputado federal Domingos Dutra

Bira lembrou que nunca fez parte do grupo político do senador e que não tem nenhuma ligação com ninguém da família Sarney, portanto, estaria à vontade para contestar e criticar a postura oligárquica do grupo Sarney. “Eu nunca tive ligações, nunca votei, nunca participei e se quer conheço o Senador Sarney; só conheço pela televisão, e a Governadora só cumprimentei no dia de receber o diploma como deputado”, afirmou o Deputado.

O parlamentar reprovou a pretensão do Presidente do Senado em tentar justificar a pobreza do Maranhão. “Eu acho que a resposta do senador é imprópria e inadequada, porque tentar justificar a pobreza do Maranhão, é melhor ficar calado, não tem justificativa, não tem o que explique isso, não adianta dizer o que o Maranhão não é primeiro, é décimo sexto, isso aí não interfere”, criticou Bira.

De acordo com o petista as atitudes de Sarney quando ainda era Governador do Maranhão são as principais causas da pobreza e miséria do Estado. O então Governador foi autor da Lei de Terras, ainda na década de 60, que concedeu a grandes empresários títulos de terras no Estado do Maranhão.

“Varig, Itaú, várias empresas nacionais e multinacionais tomaram de conta de uma hora, para outra, e passaram a ser proprietários de terras no Maranhão. Isso em detrimento da população que aqui já vivia que aqui já morava, a população quilombola, indígena, população retirante dos Estados do Ceará e do Piauí, que eu sou descendente dessa gente”, condenou Bira.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens