Fechar
Buscar no Site

Ao sentar com Solidariedade, Alckmin reforça desejo em ser vice de Lula

Ao dar publicidade à conversa com Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, Geraldo Alckmin reforçou para seus aliados políticos o desejo de compor uma chapa com Lula.

Isso porque caso tope se filiar à legenda, Alckmin não teria mais a opção de tentar o governo de São Paulo já que o Solidariedade apoia Rodrigo Garcia na disputa ao governo do estado.

Arestas

A pauta econômica do PT é mais uma aresta que precisa ser aparada para a concretização da chapa entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, em articulação desde o ano passado. O paulista demonstrou preocupação com a proposta de revisar a reforma trabalhista de 2017, defendida por petistas na semana passada. Antigos aliados de Alckmin têm classificado a ideia do PT como um “retrocesso”. Presidente do partido, a deputada Gleisi Hoffmann afirma que a sigla deve ser enfática no discurso contra a reforma e o teto de gastos, mesmo que isso assuste potenciais aliados, como o próprio ex-governador.

A nova ponta a ser arredondada para a aliança entre o petista e o ex-tucano se soma a resistências a Alckmin em alas do PT. O ex-presidente do partido Rui Falcão e o presidente estadual em São Paulo, Luiz Marinho, são alguns nomes contrários ao acerto — internamente, porém, Lula não terá grande dificuldade em levar o partido para a aliança.

Na semana passada, Lula parabenizou, em uma rede social, o governo espanhol por reverter pontos da reforma trabalhista de 2012 — inspiração para mudanças legislativas aprovadas por Michel Temer em 2017. A Espanha restringiu o tempo de contratos temporários para um ano e equiparou o salário de terceirizados ao de trabalhadores sindicalizados. A sinalização incomodou políticos de partidos de centro, que poderiam ser atraídos para o projeto petista, ainda que só no segundo turno, mas que não apoiam a proposta.

Durante encontro com o deputado Paulinho da Força (SP), presidente do Solidariedade, ontem, Alckmin revelou apreensão com a revogação da reforma trabalhista e lembrou que há preocupação no mercado financeiro com a possibilidade de alteração do projeto. Segundo Paulinho, Alckmin quis saber a avaliação das centrais sindicais sobre o assunto.

— Afirmei ao Alckmin que não foi tratado com Lula de revogar a reforma e nem de voltar o imposto sindical — disse Paulinho.

Na campanha presidencial de 2018, Alckmin afirmou que a reforma trabalhista “modernizou as relações de trabalho” e se comprometeu a não mudar o texto. Na época, ele chegou a ser pressionado por Paulinho a propor a volta do imposto sindical em troca de apoio do Solidariedade, mas não cedeu. Então no PSDB, o ex-governador propôs só rever pontos sobre trabalho intermitente e grávidas em ambientes insalubres.

As declarações de Lula e de setores do PT contra a reforma trabalhista foram mal recebidas por antigos aliados de Alckmin. Enquanto aguardam que o ex-governador explique qual posição irá tomar sobre a possibilidade de ser vice do petista, dizem que se Lula quer mesmo acenar ao centro, não faz sentido fazer propostas que afugentam este campo.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Uma resposta para “Ao sentar com Solidariedade, Alckmin reforça desejo em ser vice de Lula”

  1. Getúlio Leite disse:

    Vejam o que Alckmin falou de Lula em 30 de janeiro de 2016, por ocasião de entrega de veículos a PM de São Paulo.
    Vergonha pública, opróbrio, ignomínia são adjetivos irrelevantes para mostrar o quanto políticos são probos e sérios…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens