Fechar
Buscar no Site

Agora cai: Dilma marca reunião com Temer para definir novo nome para o Turismo

O Estado de São Paulo

A presidente Dilma Rousseff disse hoje que ainda não se encontrou com o ministro do Turismo, Pedro Novais, e que, portanto, não ouviu as explicações dele sobre as últimas denúncias envolvendo seu nome. “Primeiro a gente pede as explicações cabíveis. Eu voltei de São Paulo e hoje nós vamos encaminhar isso, avaliar a situação e tomar as medidas cabíveis de forma muito tranquila”, disse a presidente, antes de participar da abertura de seminário sobre gestão de compras governamentais em Brasília. Questionada se o ministro já havia dado as explicações a ela, disse: “Ele não me deu explicação, até porque eu não estava aqui”.

Em uma conversa na manhã desta quarta, envolvendo o ministro Novais, as lideranças do PMDB e assessores da presidente Dilma Rousseff, ficou decidido: 1) o PMDB não mantém mais apoio à permanência de Novais na pasta; 2) o ministro entrega hoje à presidente Dilma Rousseff a carta de demissão.

Novais caiu em desgraça por uma sucessão de escândalos. O primeiro deles foi noticiado pelo jornal O Estado de S. Paulo. Dias antes da posse como ministro, a reportagem revelou que Pedro Novais, então deputado federal, pediu ressarcimento de R$ 2.156 à Câmara por despesas em um motel de São Luís (MA). Novais incluiu a nota fiscal na prestação de contas da verba indenizatória.

O Planalto ainda não anunciou oficialmente a demissão do ministro Pedro Novais, do Turismo, porque a presidente Dilma Rousseff espera a chegada do vice-presidente Michel Temer a Brasília, na tarde desta quarta-feira, 14, para definir o substituto, que também sairá da cota do PMDB.

Nomes

Nos bastidores, as várias alas do PMDB já disputam a indicação. Padrinho de Novais, o deputado Henrique Eduardo Alves (RN), líder do PMDB na Câmara, tentará emplacar no Turismo o deputado Marcelo Castro (PMDB-PI). Corre por fora o ex-deputado Geddel Vieira Lima, que é hoje um dos vice-presidentes da Caixa Econômica Federal (CEF) e foi ministro da Integração Nacional no governo Lula. O ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), Moreira Franco, também gostaria de mudar de cadeira.

Na noite desta terça-feira, 13, algumas lideranças do PMDB ainda avaliavam que Novais poderia continuar no cargo, esperando pela demissão apenas no rastro da reforma ministerial, preparada por Dilma para o fim deste ano ou janeiro de 2012. Além de tirar nomes herdados do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente vai mexer na equipe porque alguns ministros precisarão deixar o cargo para disputar as eleições municipais – caso de Fernando Haddad (Educação), que deve disputar a prefeitura de São Paulo pelo PT.

Apesar da resistência de alguns peemedebistas, o Planalto já tinha conhecimento das novas denúncias contra Novais na noite desta terça. A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, recebeu a íntegra das repostas que a assessoria do ministro enviou ao jornal Folha de S.Paulo para tentar justificar o uso de verba pública do gabinete parlamentar para pagar aluguel de carros e, como ministro, o uso de um ex-motorista, empregado no gabinete do aliado, para servir à mulher.

Líderes do PMDB diziam que Novais tem uma personalidade “teimosa” e, por isso, estaria disposto a enfrentar as denúncias. Novais chegou cedo nesta quarta ao ministério. Com o PMDB informado sobre todos os detalhes do uso do motorista, o partido decidiu nesta manhã não mais fazer nenhum tipo de pedido junto ao Planalto em favor da manutenção de Novais no cargo.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

3 respostas para “Agora cai: Dilma marca reunião com Temer para definir novo nome para o Turismo”

  1. Inácio Augusto de Almeida disse:

    A Presidenta Dilma pode demitir este Pedro que nome para o Ministério do Turismo ela já tem. E está bem perto dela. Por que não colocar Flávio Dino no Ministério do Turismo? Seria a oportunidade do Flávio mostrar que sabe administrar. E o Maranhão poderia tirar de uma vez por todas a dúvida de que ele só é mesmo político de palanque.
    Ganharia o Maranhão duplamente. Primeiro, porque o Ministério continuaria entregue a um maranhense. Segundo, porque poderia finalmente saber qual a capacidade gerencial de Flávio.
    Talvez esteja chegando a hora do Flávio ter que mostrar que sabe fazer mais do que apenas frases de efeito.

  2. BENIGNO disse:

    Aquele “Pai” que haBITA em Codó, falou que não tem mais forças para manter a família Sarney em órBITA. E ele não deBITA a derrocada apenas às ações do clã, mas às dos seus apaniguados também, a exemplo do decrépito Pedro Velhais. O guru disse lamentar profundamente a defecação de Novais do ministério do turismo. Pois, ele era a maior peça fóssil de atração turística na sua pasta: em nenhuma outra nação, a múmia de um minidinossauro ou DINOvais ocupou quão eminente cargo, e agora sua queda é iminente. Conforta saber que as “pegadas” do seu “tênis” vão continuar causando polêmicas: seja com elas nos motéis, ou passeando do lado dele com chofer; tudo custeado com dinheiro público. O grande problema era na hora de vestir a camisinha, quer dizer, a mortalhinha.

  3. Carlos Ociran disse:

    Só mesmo alguém ingênuo para acreditar que quem banca “a maior peça fóssil de atração turística” no ministério do turismo, como bem disse Benigno sem maldade, mas com extrema espirituosidade, seja Henrique E. Alves (RN). O decrépito trapalhão ainda está de pé pela bengala do decrépito covarde e fino [email protected]#$%&. Nem viagra mantém o velinho de pé. O octagenário-mor que se cuide. As áreas de erosão estão fechando o cerco. Vai acabar sendo peça de chacota assim como seus “livros”. Que seja enterrado com todos os dossiês e ameaças veladas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens