Fechar
Buscar no Site

Acolhimento religioso muda vida de detentos do Maranhão: “O que eu fui, hoje eu não sou mais”

“Mudou a minha vida e mudou a vida de vários irmãos que estão aqui. O que eu fui, hoje eu não sou mais”. Esse é o depoimento de um interno do Sistema Prisional do Maranhão sobre o serviço de acolhimento espiritual ofertado capelães religiosos que atuam nos presídios estaduais.

Ativa desde 1947, a Capelania Militar do Maranhão é responsável pela oferta de assistência espiritual a policiais militares e civis. Posteriormente, houve a inclusão dos serviços no Corpo de Bombeiros e no Sistema Penitenciário.

A Capelania da Polícia Militar do Maranhão (PMMA) é formado por oficiais, entre evangélicos e católicos, que realizam trabalhos pastorais, celebram liturgias, formaturas e dão assistência espiritual a profissionais da Segurança Pública e apenados de Justiça, pessoas que vivem diariamente sob forte pressão emocional.

Ressocialização

Acolhimento religioso no sistema prisional (Foto: Jeferson Stader)

O interno R.G. tem orgulho de ter recebido a mensagem de conforto passada pelos capelães. Hoje, ainda preso, ele atua como voluntário em projetos religiosos celebrados dentro dos pavilhões.

“Você passa a analisar a vida que tem levado. E hoje, com a nossa mente, com o nosso coração e principalmente, com nosso espírito transformado, nós fazemos nosso maior esforço para também levar essa palavra libertadora para a ressocialização das pessoas”, afirmou o interno.

O pastor Erasmo Antônio é um dos capelães engajados com a atividade religiosa nos presídios maranhenses. Para o capelão, o serviço oferece uma nova oportunidade de vida aos apenados.

“A gente traz a palavra e aí cada um tem a sua escolha para decidir se quer mudar de vida ou se quer continuar com essa mesma vida. Em cima dessas questões a gente vai investindo. As unidades dão o devido suporte e aí você consegue trabalhar com pessoas que queiram mudar de vida”, enfatiza o pastor Erasmo.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens