Fechar
Buscar no Site

Defesa Civil da Prefeitura de São Luís visita bairros com áreas de risco para orientar sobre ações de combate ao novo coronavírus

Sob a orientação do prefeito Edivaldo, agentes têm levado informações conscientizando sobre a necessidade do isolamento social e uso de máscaras durante a pandemia

Defesa Civil da Prefeitura de São Luís visita bairros com áreas de risco para orientar sobre ações de combate ao novo coronavírus Em uma iniciativa da Prefeitura de São Luís, agentes da Defesa Civil, órgão ligado à Secretaria Municipal de Segurança com Cidadania (Semusc), vem percorrendo bairros que tem áreas de riscos catalogadas pelo município orientando sobre prevenção ao novo coronavírus, isolamento social e uso de máscaras nas vias públicas e estabelecimentos comerciais de serviços essenciais autorizados a funcionar na capital maranhense. O trabalho que foi iniciado em março, logo no inicio da pandemia e intensificado durante o lockdown (quando foram estabelecidas medidas de isolamento mais restritivas), segue em diversos bairros da capital como uma das medidas de combate à Covid-19 colocadas em prática pela gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior.

A Defesa Civil municipal também tem pedido à população que evite aglomerações e só saia de casa se for realmente necessário. “O momento em que estamos vivenciando é de conscientização, por isso estamos solicitando que os moradores da cidade façam sua parte e nos ajude a manter o isolamento social, com uso de máscaras e hábitos de higiene para prevenir e controlar o novo coronavírus”, informa o secretário municipal de Segurança com Cidadania, Heryco Coqueiro.

Com a ação a Defesa Civil de São Luís já percorreu dezena de bairros, todos com pontos de riscos mapeados pelos agentes da Prefeitura, justamente por também serem áreas de grande concentração de pessoas, bares e outros comércios. Entre as comunidades visitadas estão bairros como Coheb, Sacavém, Jordoa, Salina do Sacavém, Vila Cerâmica, Vila Bacanga I e II, Vila Dom Luís, Vila Isabel, Alto da Esperança, Vila Embratel, Mauro Fecury I, Fumacê, Sá Viana e Coroadinho.

Foram envolvidos 16 agentes na operação, divididos em três grupos que ser reversam no trabalho. “A escolha dos locais visitados teve como base as principais áreas de níveis de risco alto e muito alto, como a área do Coroadinho e a área Itaqui-Bacanga”, destaca a superintendente da Defesa Civil, Elitania Barros. Segundo ela, o quantitativo de pessoas que foram abordadas durante as visitas dos agentes da Defesa Civil, com o repasse das informações, alcançaram, somente durante o lockdown, mais de 500 pessoas.

A ação permanece e poderá estendida para outras áreas de São Luís, dependendo da necessidade. O apelo nas ruas feito pelos agentes da Defesa Civil é uma iniciativa da gestão do prefeito Edivaldo, que adotou inúmeras medidas de prevenção e controle ao novo coronavírus e tem usado as redes sociais para solicitar à população que mantenha o isolamento social.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens
Notícias /

Inquérito Ministro da Justiça entra com HC pedindo fim de inquérito de fake news e defende Weintraub No documento enviado ao STF, André Mendonça pede suspensão de decisão para que ministro da Educação se pronuncie sobre ofensas ao Supremo. quinta-feira, 28 de maio de 2020 2 O ministro da Justiça André Mendonça entrou com pedido de habeas corpus, no STF, em favor do ministro da Educação, Abraham Weintraub, e dos demais envolvidos no Inquérito 4.781, que apura fake news e ofensas ao Supremo. Na última terça-feira, 26, o ministro Alexandre de Moraes determinou que Abraham Weintraub, ministro da Educação, seja ouvido pela PF para esclarecer as manifestações feitas na reunião ministerial que levou à saída de Moro do governo. Para Moraes, há indícios de crimes de injúria e difamação e contra a segurança nacional; S. Exa. destacou especialmente o trecho no qual Weintraub afirmou: “Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”. t No documento, André Mendonça afirma que o HC é resultado de uma sequência de fatos que, do ponto de vista constitucional, representam a quebra da independência, harmonia e respeito entre os Poderes desejada por todos. Segundo o anúncio feito em sua conta do twitter, Mendonça afirma que o HC visa garantir a “liberdade de expressão dos cidadãos” e “independência, harmonia e respeito entre os poderes”. t O pedido objetiva o trancamento do inquérito em relação a Weintraub e a tudo “que seja considerado resultado do exercício do direito de opinião e liberdade de expressão, inclusive crítica construtiva como é próprio ao regime democrático de governo”. Mendonça também pede a suspensão da decisão de Moraes que determinou o depoimento de Weintraub em cinco dias. O ministro foi convocado para se explicar por ter afirmado durante a reunião ministerial de 22 de abril que deveriam se colocar “vagabundos na cadeia” e “começando pelo STF”. Caso os pedidos de Mendonça não sejam aceitos, ele pede que seja concedido a Weintraub o status de investigado, o que lhe permitiria não comparecer ao depoimento ou ficar em silêncio, além de ser ouvido apenas ao final das investigações. “Em caso de indeferimento dos pedidos anteriores, reconhecimento de que Abraham Weintraub é investigado, não testemunha, logo, tem o direito constitucional e legal de ser interrogado apenas ao final do inquérito, bem assim comparecer ou não1, calar ou não, inclusive sendo-lhe facultado pronunciar-se por escrito.” Leia a íntegra do pedido de HC. Processo: HC 186.296 “Resolver alguns problemas” Na noite desta quarta-feira, 27, Bolsonaro chegou ao Palácio da Alvorada e, em comitiva, afirmou que iria trabalhar até tarde junto ao ministro da Justiça André Mendonça para “resolver alguns problemas”. Assista ao vídeo: Ainda ontem, Bolsonaro realizou reunião extraordinária com os ministros após operações da PF que cumpriram mandados de busca e apreensão no âmbito do inquérito do STF sobre fake news. As ordens judiciais, autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, foram cumpridas no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina. Em nota, o gabinete do ministro Moraes consigna que “as provas colhidas e os laudos técnicos apresentados no inquérito apontaram para a existência de uma associação criminosa dedicada à disseminação de notícias falsas, ataques ofensivos a diversas pessoas, às autoridades e às instituições, dentre elas o Supremo Tribunal Federal, com flagrante conteúdo de ódio, subversão da ordem e incentivo à quebra da normalidade institucional e democrática”. O PGR Augusto Aras também pediu, nesta quarta-feira, 27, a suspensão do inquérito até que o STF estabeleça balizas para a realização das investigações. A manifestação do PGR foi no âmbito da ação (ADPF 572) de autoria da Rede Sustentabilidade, que alega que o inquérito é inconstitucional, entre outros motivos, por ter sido aberto pelo próprio STF, com base em seu Regimento Interno, sem a participação do Ministério Público. O relator da ADPF é o ministro Edson Fachin.

No documento enviado ao STF, André Mendonça pede suspensão de decisão para que ministro da Educação se pronuncie sobre ofensas ao Supremo. O ministro da Justiça André Mendonça entrou com...