Fechar
Buscar no Site

AL-MA exonera nora de presidente do TCE-MA após investigação contra ‘fantasmas’

10433238_10152848929531715_4930012581401446421_n

Flaviana Froes Abreu Pavão era lotada na Casa desde fevereiro de 2015. Há suspeitas de que ela recebia salário sem trabalhar

A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Maranhão exonerou, nesta quinta-feira 9, a funcionária Flaviana Manuella Froes Abreu Pavão. Ela é casada com o filho do presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), conselheiro João Jorge Jinkings Pavão, o advogado João Jorge Jinkings Pavão Filho. A exoneração, já publicada no Diário da AL-MA, ocorre em meio a denúncias de que mais de 30% do quadro de pessoal da Casa é ocupado por ‘fantasmas’.

De acordo com dados abertos consultados pelo ATUAL7, Flaviana Pavão é enfermeira no Hospital Infantil Dr. Juvêncio Mattos e foi nomeada no cargo em comissão, Símbolo DANS-1, de Coordenador Parlamentar do Poder Legislativo estadual, desde fevereiro de 2015. Contudo, servidores da AL-MA ouvidos pelo ATUAL7 na manhã de hoje afirmam que ela nunca apareceu para trabalhar. Em busca pela Casa, a reportagem não conseguiu encontrá-la.

Além da nora do presidente do TCE-MA, outros funcionários da Assembleia Legislativa também começaram a ser exonerados, o que aponta para uma possível limpeza no quadro de pessoal da Casa dias antes da Comissão Especial de Estudos sobre Irregularidades Funcionais iniciar o recadastramento dos servidores, daqui a duas semanas. A comissão foi criada recentemente e tem como relator o deputado Roberto Costa (PMDB).

Fazem parte ainda da comissão o vice-presidente da Assembleia, Othelino Neto (PCdoB), e o deputado Ricardo Rios, o “Humbertinho” (SD).

Mais cedo, o ATUAL7 revelou que, dentre os nomes que aparecerão na lista de deputados e servidores da Assembleia, deve chamar a atenção os de filhos e até de um sobrinho de desembargadores do Poder Judiciário maranhense. A relação será entregue até a próxima semana pelo deputado Humberto Coutinho (PDT), presidente da Casa, ao juiz Douglas de Melo Martins, da Vara de Interesses Difusos e Coletivos, em determinação a um pedido feito pelo Ministério Público.

Um recadastramento de funcionários do TCE-MA também foi determinado pelo magistrado, também por suspeitas de haver funcionários fantasmas no tribunal. A decisão, porém, acabou cassada pelo presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Cleones Cunha. O chefe do Poder Judiciário maranhense, inclusive, também tem empregado na Assembleia Legislativa um sobrinho, o advogado Carlos Seabra Coelho. O entrelaçamento de empregos aumenta a suspeita de tráfico de influências entre todos os poderes. A Procuradoria Geral da República (PGR), comandada por Rodrigo Janot, será acionada na próxima semana para investigar essa suspeita.

 

 

 

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens