Fechar
Buscar no Site

ALERTA: Videos no YouTube usam fantoches para ensinar às crianças sobre ideologia de gênero

Extraído de Folha Gospel

Vídeos no Youtube com fantoches ensinam as crianças sobre ideologia de gênero

Uma organização canadense lançou uma série de vídeos do YouTube em 5 de setembro que usam fantoches para ensinar às crianças que a confusão de identidade de gênero e transgenerismo é normal.

Os três vídeos curtos visam crianças usando um boneco animado chamado Julien, que diz que seu nome já foi Julia. Os vídeos mostram a transição de Julien de uma menina para um menino e incluem esquetes sobre o corte de cabelo do boneco, vestindo roupas novas e brincando com novos brinquedos específicos de gênero.

“Olá. Meu nome é Julien”, diz o boneco em um vídeo introdutório. “Quando eu era pequena, as pessoas me chamavam de Julia e pensavam que eu era uma garotinha. Mas no meu coração, eu me sentia como um garotinho. Se você quer conhecer meu mundo, amigos e uma história maravilhosa, clique neste link.”

O link leva os espectadores a outros vídeos – disponíveis em inglês e francês – que mostram a transição de Julien.

“Eu me sinto triste”, diz ele no primeiro vídeo, quando ele é uma menina.

“Mesmo? Por que você se sente tão triste? – pergunta o amigo de Julien.

“Eu preciso que as pessoas parem de me chamar de Julia.”

“Bem. O que você quer que eles chamem você?

“Julien”, o boneco responde. “Eu não sou uma garotinha. Eu nunca me senti como uma garota. Todo mundo acha que eu sou uma garotinha. … Não quero mais usar vestidos ou roupas de meninas.”

O amigo de Julien então diz a ele que ela será sua amiga e vai ao salão onde o boneco vai cortar o cabelo. Ela então diz a Julien: “Você sabia que existem muitas crianças como você no mundo? … Existem milhões e milhões.”

“Uau! Isso é maravilhoso ”, responde Julien.

Os vídeos são patrocinados pela Fundação Jasmin Roy Sophie Desmarais, uma organização que diz “lutar contra bullying, violência e discriminação contra crianças de escolas primárias e secundárias”. A organização também divulgou guias de estudo para pais e professores.

Ideologia de gênero nas crianças

Após a ideologia de gênero passar a ser aceita em escolas e outras instituições da Escócia, o número de crianças confusas com relação ao seu próprio gênero (masculino ou feminino) que foram enviadas para especialistas aumentou cerca de 500% em quatro anos, no país.

Em 2013, apenas 34 crianças foram enviadas para apoio especializado a crianças com disforia de gênero (distúrbio que gera o conflito sobre a definição de gênero), de acordo com o jornal ‘The Times Scotland’. Mas esse número tem vindo a multiplicar quase todos os anos desde então, acabou excedendo a quantidade de 200 crianças em 2016.

Aqui no Brasil, o Conselho Regional de Medicina de São Paulo adotou posicionamento contrário à ideologia de gênero durante reunião plenário realizada no início deste ano, na qual discutiu-se temas relacionados à saúde mental de criança e adolescentes.

A resolução adotada pelo Conselho após a plenária, traz considerações sobre o desenvolvimento psicológico de crianças e adolescentes

Nos EUA, uma declaração do Colégio Americano de Pediatria pediu aos legisladores e educadores, em 2016, que rejeitem todas as políticas que condicionam as crianças a aceitar os conceitos de transgênero/transexualidade como normais, acrescentando que as tentativas de normalizar uma condição classificada como um desvio de conduta é um abuso infantil.

Fonte: Christian Headlines

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens