Seleção da série A

A quinta rodada do Campeonato Brasileiro foi marcada por algumas surpresas e a principal delas aconteceu em São Paulo, quando o Figueirense bateu o Corinthians na estreia do Itaquerão, calando os 40 mil torcedores presentes na Arena. O Internacional apenas empatou com o Criciúma, mas se manteve na liderança, seguido de perto por Cruzeiro, Grêmio e Goiás. A zona de rebaixamento não sofreu mudanças, com o trio catarinense – Criciúma, Figueirense e Chapecoense – e Coritiba.

Como o duelo entre Sport e Bahia foi adiado por causa da greve da Polícia Militar em Recife, a Seleção do Portal Futebol Interior não terá jogadores de ambos os times. Armada no 4-3-3 por Guto Ferreira, que calou o Itaquerão e venceu a primeira no Figueirense, a seleção tem como maestro Paulo Henrique Ganso, que liderou o São Paulo na vitória sobre o Flamengo.

Goleiro: Fábio (Palmeiras) – Desde a aposentadoria de Marcos e a saída de Diego Cavallieri, o torcedor do Palmeiras estava carente de um ídolo debaixo da meta. A chegada de Fernando Prass matou um pouco essa saudade, mas a ascenção de Fábio á titularidade parece ter acabado com qualquer preocupação da torcida do Verdão. Contra o Vitória, ele teve uma atuação de gala e foi um dos principais responsáveis por garantir a vitória do Verdão.

Lateral-direito: Fabiano (Chapecoense) – Foi a válvula de escape da Chapecoense no jogo do último domingo, principalmente na etapa final. Aparecia constantemente lá na frente, tanto que teve participação no gol de empate. Nos minutos finais, Fabiano bateu cruzado e Tiago Luís completou de carrinho.

Zagueiro: Werley (Grêmio) – Não é todo mundo que consegue parar o camisa 9 da Seleção Brasileira e uma das nossas esperanças para a conquista da Copa do Mundo. A marcação implacável de Werley tirou Fred do sério, tanto que o atacante perdeu a cabeça e foi expulso no segundo tempo. O zagueiro, de quebra, deu o passe para Rodriguinho marcar o gol da vitória.

Zagueiro: Marquinhos (Figueirense) – Os atacantes corintianos estavam motivados para marcarem o primeiro gol do Itaquerão, mas não esperavam encontrar pela frente uma verdadeira muralha. Além do goleiro Tiago Volpi, outro que teve atuação de destaque neste domingo foi Marquinhos, que anulou Paolo Guerreiro.

Lateral-esquerdo: Egídio (Cruzeiro) – Criticado por parte da torcida, Egídio vem sendo um dos jogadores mais regulares do Cruzeiro nos últimos jogos e contra o Coritiba mais uma vez fez a diferença. Cruzou na cabeça de Ricardo Goulart, que abriu o placar. Depois, acertou a trave de Vanderlei. Deixou os companheiros mais duas vezes na cara do gol, com cruzamentos precisos.

Meia: Ramon (Goiás) – Quase todas as atenções estavam voltadas para Emerson Sheik, mas quem brilhou na noite da última quarta-feira foi Ramon. Aproveitou passe de David e tocou na saída de Jefferson para abrir o placar. Depois, recebeu dentro da área, passou pelo goleiro e deixou Danilo na cara do gol com um lindo toque de calcanhar. O companheiro apenas completou.

Meia: Rodriguinho (Grêmio) – Sem espaço no Corinthians, foi emprestado ao Grêmio e rapidamente ganhou a vaga de titular no meio-campo tricolor. Neste domingo, marcou o gol da vitória sobre o Fluminense ao chutar na saída de Diego Cavalieri. Após a partida, agradeceu a confiança dada por Enderson Moreira e disse que ainda tem muito que melhorar.

Meia: Paulo Henrique Ganso (São Paulo) – O técnico Muricy Ramalho definiu bem a atuação de seu jogador ao dizer que “ele precisa chegar mais na área e fazer gols”. O goleiro Rogério Ceni também fez a sua análise: “Quando o Ganso é participativo, ajuda a marcar e chama o jogo para si, não tem outro melhor”. Ambos estão certos. Ganso jogou muito bem, principalmente no primeiro tempo, fez os dois gols do São Paulo em cima do Flamengo no Maracanã e deixou o campo como o melhor em campo.

Atacante: Ricardo Goulart (Cruzeiro) – Algumas vezes reserva, em outros jogos titular, o ex-atacante do Goiás e do Santo André é um talismã no time do Cruzeiro. Contra o Coritiba, neste sábado, ele deixou a sua marca duas vezes, ajudando na vitória de seu time.

Atacante: André (Atlético-MG) – Está aproveitando o “mole” que seus companheiros estão dando para marcar seus gols e fazer o nome do Galo. Marcou os dois gols na vitória, por 2 a 1, de virada, em cima do clube que o revelou, o Santos. Este jogo foi disputado na Arena Pantanal e o ex-santista não se intimidou de comemorar os gols. No final, explicou: “Comecei minha carreira lá, e amo o Santos. Mas hoje foi meu adversário e comemorou normalmente, sem provocar ninguém”.

Atacante: Silvinho (Criciúma) – O Criciúma não conseguiu sair de campo com o resultado positivo, mas não foi por falta de tentativas dos atacantes, principalmente de Silvinho. Abusando da velocidade, infernizou o sistema defensivo colorado, tanto que amarelou o zagueiro Juan quando puxava contra-ataque. No fim, deixou o campo aplaudido e exausto.

Técnico: Guto Ferreira (Figueirense) – O responsável pelo torcedor do Corinthians não ter visto uma vitória na inauguração oficial do Itaquerão. Armou muito bem o Figueirense, priorizando o sistema defensivo, mas também sem deixar de jogar. Lá atrás, o time esteve muito bem postado e na frente aproveitou as raras oportunidades que teve. Com os primeiros três pontos somados, o Furacão agora espera sair da zona de rebaixamento.

 

 

Seleção da série B

A briga por posições dentro do Campeonato Brasileiro da Série B – BRASILEIRÃO CHEVROLET – está muito acirrada. Por isso, a Seleção Futebol Interior da 5.ª rodada não foi tão fácil de ser escalada. Mas saiu no esquema 4-3-3-, tendo no comando o nordestino Oliveira Canindé, técnico do América, de Natal.

Goleiro: Ivan (Joinville) – Não que tenha sido o supra sumo no empate sem gols com o Atlético-GO, em Goiânia, mas mostrou a segurança que todo grande time precisa ter. Parece ter a confiança do técnico Emerson Maria e, mais importante ainda, de seus companheiros.

Lateral-direito: Raul Prata (Luverdense) – Tem atuado acima do nível da Série B, com personalidade, de cabeça erguida e participando ativamente das principais jogadas do time Desce com consciência e ainda não descuida na marcação.

Zagueiro: Thiago Carvalho (Boa Esporte) – O Paraná bem que tentou pressionar e teve muito mais posse de bola, mas encontrou dificuldades para entrar na área boveta. Xerifão da defesa, Thiago Carvalho não deu espaços para Gabriel Barcos, que estava substituindo o artilheiro Giancarlo. Depois que levou amarelo, usou a experiência para não ser expulso.

Zagueiro: Vitor Hugo (América-MG) – Muito forte no jogo aéreo, o defensor do Coelho não permitiu que as bolas alçadas pelo Vila Nova na área chegassem até os atacantes. Além disso, foi dele o primeiro gol do América-MG, também de cabeça, após cobrança de Mancini.

Lateral-esquerdo: Zé Carlos (Icasa) – Apesar de ser experiente, mostrou um físico invejável e não deixou de apoiar o ataque em nenhum momento. No início do segundo tempo, recebeu passe de Felipe Klein e chutou no cantinho, deixando tudo igual. Teve oportunidade semelhante e levou perigo ao goleiro Tiago Cardoso.

Volante: Andrei Girotto (América-MG) – Um dos jogadores mais versáteis desta Série B, Andrei Girotto cobra falta, marca com eficiência e também tem facilidade para chegar no apoio ao ataque. Neste sábado, contra o Vila Nova, saiu de campo como o grande destaque do jogo.

Volante: Jean Cléber (América-RN) – Foi o motorzinho do Mecão na grande virada sobre a Portuguesa, por 2 a 1, no Canindé. Mas isso, porque o técnico Oliveira Canindé fez as mudanças certas no segundo tempo, com as entradas de Daniel Costa e Max, que deram força ofensiva ao time potiguar. Mas quem segurou a marcação e deu equilíbrio ao time foi mesmo Jean Cléber.

Meia: Carlos Alberto (Santa Cruz) – Apesar de ser criticado constantemente pela torcida, Carlos Alberto se mostrou o jogador mais lúcido em campo no empate com o Icasa. Marcou um verdadeiro golaço ao acertar o ângulo de Dionatan e ainda criou duas boas oportunidades, mas os companheiros não aproveitaram seus passes milimétricos.

Atacante: Misael (Luverdense) – É um atacante de dar dor de cabeça para os zagueiros os 90 minutos de jogo. Não para, divide, sobe e por isso mesmo marca gols. Fez um na vitória, por 2 a 0, sobre o Bragantino, em Lucas do Rio Verde (MT).

Atacante: Dênis Marques (ABC) – Continua sendo o ponto de desequilíbrio a favor do ABC, bem orientado por Zé Teodoro. Ele marcou o gol da vitória sobre o bem organizado Sampaio Corrêa que jogou bem, MS perdeu por 1 a 0. No futebol o que vale é resultado e não bom futebol.

Atacante: Lelê (Oeste) – O jogo contra a Ponte Preta foi na terça-feira, mas o lateral Daniel Borges está sonhando com Lelê desde então. Incansável, o atacante driblou, correu, enfim, deu trabalho para o lado direito da marcação, especialmente, para Daniel. No final das contas, deu cruzamento na cabeça de Diogo Acosta, que decidiu a partida e selou o empate.

Técnico: Oliveira Canindé (América-RN) – Foi o principal responsável pela espetacular virada do time potiguar diante da Portuguesa, por 2 a 1, em pleno Estádio do Canindé. No segundo tempo ele colocou três jogadores em campo: Daniel Costa, Max e Adriano Pardal. Além de ganhar força ofensiva, também passou a dominar o adversário e buscou a virada nos últimos minutos. Elogios também para o trabalhão mantido por dois treinadores organizados: Moacir Júnior, do América Mineiro, e Emerson Maria, do Joinville. Ambos dividem a liderança com 13 pontos cada.

 

Seleção da série A

A Seleção FI da quarta rodada do Campeonato Brasileiro aparece cheia de jovens promessas e também de muitos gringos. Montada no tradicional 4-4-2, a equipe tem à frente o técnico Vágner Mancini, responsável pela goleada do Botafogo contra o Criciúma.

No setor defensivo, o zagueiro Lúcio parece ter reencontrado a boa forma e aparece na Seleção FI como o xerifão da rodada. Pará e Gum, de Grêmio e Fluminense, respectivamente, também possuem bastante experiência e compõem a zaga Seleção. Um pouco mais jovem, William Matheus dá velocidade a zaga.

Os outros experientes ficam por conta de Conca, Ganso e D’Alessandro, que completam o meio de campo ao lado do jovem Daniel, do Botafogo.. Os argentinos foram responsáveis pelas vitórias de Fluminense e Internacional, respectivamente, enquanto o brasileiro deu um lindo passe para o gol de Luís Fabiano no clássico contra o Corinthians.

No ataque, completam a Seleção FI os artilheiros da rodada. Com dois gols cada, Emerson Sheik e Hernán Barcos foram os melhores atacantes da rodada. Barcos marcou os gols da vitória por 2 a 1 contra a Chapecoense, enquanto Sheik contribuiu na goleada por 6 a 0 contra o Criciúma.

Goleiro: Marcelo Grohe (Grêmio) – Na verdadeira “panela de pressão” que a torcida da Chapecoense faz na Arena Condá fica mesmo muito difícil para o goleiro. O alambrado é bem perto e os torcedores não param de gritar. Ele fez três grandes defesas no primeiro tempo, quando usou seu forte: sair nos pés dos adversários. No segundo tempo, deu sorte numa bola na trave e em outros dois outros lances, e até falhou no gol do time catarinense, já nos acréscimos, quando saltou e soltou a bola na hora de cortar o cruzamento. Mesmo assim ele foi eleito o “melhor em campo” pela imprensa local. Azar da Chapecoense, que precisa se reciclar caso deseje permanecer na elite nacional.

Lateral-direito: Pará (Grêmio) – Em um campo estreito como da Arena Condá, em Chapecó, sobre pouco espaços para que os laterais possam desenvolver seu futebol. Mesmo assim, Pará foi participativo e de seus pés saiu o primeiro gol gremista na vitória por 2 a 1 sobre o time de Santa Catarina. Ele cruzou, Dudu ajeitou de cabeça e Barcos bateu de voleio. Fora Isso, Pará foi eficiente na marcação e deu trabalho nos adversários.

Zagueiro: Gum (Fluminense) – Depois de algumas partidas apagadas, o zagueiro voltou a fazer uma boa exibição. E como manda o figurino dos grandes jogadores, Gum se destacou justamente em um clássico. Praticamente não deu espaços para Alecsandro. Além de ganhar quase tudo por cima, ainda ajudou na saída de bola.

Zagueiro: Lúcio (Palmeiras) – O xerife está de volta! O zagueiro do Palmeiras mostrou porque tem a confiança de todo o elenco. Seguro atrás, não vacilou e desarmou os atacantes adversários. Na frente, deu uma de centroavante e marcou o primeiro gol na vitória por 2 a 0 contra o Goiás.

Lateral-esquerdo: William Matheus (Palmeiras) – Muito criticado após cometer inúmeros erros em seu último jogo pelo Palmeiras, William Matheus deu a volta por cima neste sábado. O jogador foi o grande destaque na vitória do Palmeiras sobre o Goiás por 2 a 0. O lateral fez um primeiro tempo impecável, onde deu as duas assistências para os gols de Lúcio e Henrique.

Meia: Conca (Fluminense) – O argentino mostrou porque foi contratado pelo Fluminense. Se não vinha fazendo grandes partidas pelo Tricolor, comeu a bola no clássico contra o Flamengo. Com belos passes e lançamentos, Conca ainda participou do cruzamento que resultou no gol de Fred, o primeiro do Fluminense na vitória por 2 a 0.

Meia: Paulo Henrique Ganso (São Paulo) – Sem dúvida o melhor jogador do clássico contra o Corinthians. Mostrou que é crucial no time do Muricy Ramalho, e não pode ficar no banco de reservas. Chegou bastante vezes ao ataque e deu um lindo passe para Luís Fabiano marcar o gol de empate.

Meia: Daniel (Botafogo) – O menino prodígio do Fogão chegou com tudo. Logo na estreia com a camisa profissional, marcou três vezes contra o Criciúma. Além dos gols, o jogador ajudou na marcação, desarmou os adversários e ainda deu passe para Wallyson marcar o último gol da vitória por 6 a 0.

Meia: D’Alessandro (Internacional) – Mais uma vez o argentino foi fundamental na vitória que colocou o Internacional na liderança do Campeonato Brasileiro. O Colorado perdia o jogo por 1 a 0, quando D’Ale empatou a partida contra o Atlético-PR. Além do gol, foi muito participativo durante todo o jogo, demonstrando muita raça e vontade de vencer.

Atacante: Emerson Sheik (Botafogo) – Sheik chegou para dar novo ânimo ao Botafogo. A equipe parecia abatida pela eliminação precoce na Libertadores, mas o atacante reverteu a situação negativa. Contra o Criciúma, se esforçou, correu muito e marcou duas vezes na goleada.

Atacante: Barcos (Grêmio) – O pirata voltou! Após um longo período sem marcar gols, Barcos fez duas vezes na vitória por 2 a 1 contra a Chapecoense, fora de casa. Sempre bem posicionado dentro da área, o argentino aproveitou o bate rebate após cobrança de escanteio para abrir o placar. Já o segundo gol veio após lindo corte em cima do zagueiro, e finalização no canto direito do goleiro.

Técnico: Vagner Mancini (Botafogo) – Uma noite de gala para o comandante do Botafogo no último sábado. Montou um time ofensivo, que foi pra cima do Criciúma em busca da vitória. Mais do que os três pontos, aplicou uma goleada história de 6 a 0, a maior desta edição do Campeonato Brasileiro até o momento.

 

 

Seleção da série B

Todos já falam – e demais – da Copa do Mundo, mas a preocupação geral nos times que participam do Campeonato Brasileiro da Série B é largar bem nesta etapa antes do Mundial do Brasil. Por isso, talvez, as disputas tenham sido ferrenhas. Tanto para ficar no bloco de cima, como para evitar o bloco de baixo.

E se os jogos não têm sido o fino da bola, como nível mais para baixo do que para Cia, não tem faltado disposição e garra de todos. E alguns veteranos ainda desequilibram como Magno Alves, do Ceará. O técnico escolhido para comandar um time armado no esquema 4-2-4 Moacir Júnior, vice-líder com o América Mineiro.

IMPONDERÁVEL DOS CÉUS A chuva que caiu em São Luís, capital do Maranhão, no sábado, e impediu o jogo entre Sampaio Corrêa e Avaí. O trio de arbitragem até que tentou esperar São Pedro fechar a torneirinha, mas nada disso aconteceu. Resultado, volta e meia a chuva voltava a alagar o gramado do Castelão, apesar do esforço de alguns poucos funcionários.

GOLAÇO DA RODADA Foi marcado pelo atacante Alexandro, da Ponte Preta, que pegou um belo voleio de primeira na vitória, por 2 a 1, sobre o ABC. Este resultado quebrou o jejum de vitória da Macaca, melhorando muito sob o comando de Dado Cavalcanti, apesar do limitado elenco. O Ex-Alex Créu, do Penapolense, agora brilha com a camisa da Macaca. Não sentiu o peso dela e caiu na graça da torcida.

PAZ NO ARRUDA Antes do apito inicial da partida Santa Cruz x Luverdense/SE, os jogadores do Mais Querido entraram em campo com uma camisa fazendo um pedido de paz no futebol. Na estampa tinha a frase “Paz no futebol”. Desde o jogo contra o Lagarto/SE, na última quarta-feira (7), no estádio dos Aflitos, o elenco tricolor vem conscientizando os torcedores de que a violência não leva a lugar nenhum e ainda prejudica a equipe dentro das quatro linhas. Novamente, os atletas corais levaram uma faixa ao campo da Arena Pernambucano, que dizia “Violência nunca mais”. Além disto, duas crianças entraram com o time carregando pombas. Elas foram até o centro do campo e soltaram as aves, num gesto de enaltecer a paz entre as torcidas.

Goleiro: Alessandro (Náutico) – Só não fez chover, porque já estava pingando e muito frio, mas impediu, com certeza, uma goleada do Joinville em cima do Náutico, sábado, na Arena Joinville. Fez grandes defesas e até operou milagres, mas não impediu o gol de Jael, de falta com efeito, aos 42 minutos do segundo tempo. Matheus, do América- Mineiro, também merece citação. Fez boas defesas e ainda defendeu um pênalti chutou por Tássio, do Bragantino. Lateral-direito: Douglas (Icasa) – Seguiu à risca a determinação do técnico Tarcísio Pugliese, que era marcar e sair em velocidade para puxar os contra0ataques do Icasa. Tudo isso no gigantesco gramado do Estádio Serra Dourada, em Goiânia. O time cearense marcou um gol, se fechou e venceu. Resultado: derrubou o técnico Sidney Moraes, que já acertou com o Náutico.

Zagueiro: Douglas Silva (Vasco da Gama) – Aos poucos, o técnico Adilson Batista vai “dar um jeito” no time de São Januário. Mas foi duro superar o Oeste, apesar da aparente vitória, por 2 a 0, num estádio vazio e triste por punição ao clube. Se o ataque funcionou, a defesa continua mantendo a regularidade, onde se destacou Douglas Silva, firme e seguro.

Zagueiro: Braga (Luverdense) – O Luverdense não conseguiu repetir as boas atuações dos últimos jogos no empate sem gols com o Santa Cruz. E o time só não voltou de Recife com uma derrota, graças à solidez de seu sistema defensivo. Braga é o símbolo desta defesa. Firme por cima e por baixo, ele conseguiu barrar o ataque formado por Léo Gamalho e Flávio Caça-Rato.

Lateral-esquerdo: Alex Barros (América-RN) – Alex Barros foi um dos destaques no empate, por 3 a 3, entre América-RN e Atlético-GO. O jogador tomou conta da lateral esquerda, subiu bem ao ataque, onde foi muito participativo. No final, foi “sacrificado” para dar lugar ao atacante Adalberto, já que o Mecão estava atrás no marcador.

Volante: Pablo (América-MG) – O garoto estava feliz da vida por ter marcado um gol na vitória americana sobre o Bragantino, por 2 a 1, em Bragança Paulista. Acertou um chute de primeira, de fora da área, aproveitando o rebote errado (para o centro da área) do goleiro Renan. NO segundo gol, Pablo carregou a bola, entrou na grande área e tocou para trás para Junior Negão, com categoria, fechar o placar.

Meia: Pedrinho (Boa Esporte) – Foi o “cérebro” na vitória do Boa Esporte sobre a Portuguesa, por 2 a 1, em Varginha. Ele tocou a bola, organizou o meio-campo e deu velocidade ao time. Saiu cansado, mas sem ele, com certeza, o Boa não teria chegado à vitória, mesmo tendo confirmado ela somente nos acréscimos, por azar da Lusa.

Atacante: Júnior Viçosa (Atlético-GO) – Júnior Viçosa mostrou ter faro de artilheiro e vai brigar até o fim pelo título individual. Contra o América, ele era a referência do Atlético no ataque, e quando solicitado, não decepcionou. Fez dois e se tornou o homem do embate.

Atacante: Magno Alves (Ceará) – O Magnata tem estrela. Magno Alves vai sobrando no ataque do Ceará e tem muito ainda a dar antes de sua aposentadoria. O jogador foi o grande destaque da vitória do Ceará, por 2 a 1, contra o Paraná. Ele marcou um, e ainda atrapalhou o defensor adversário, no minuto final, que jogou contra as próprias redes.

Atacante: Alexandro (Ponte Preta) – O jogador precisou de menos de um mês para cair nas graças da torcida. Comparado ao ídolo folclórico Monga, por sua raça e espírito de luta, o jogador provou contra o ABC que não é apenas voluntarioso. Com um golaço de voleio, ele abriu o caminho da primeira vitória da Macaca em quase dois meses. No final, ainda sofreu o pênalti para o segundo gol.

Atacante: Jael (Joinville) – É o artilheiro da competição com quatro jogos, mesmo tendo participado apenas de três, porque a Portuguesa abandonou o campo na rodada inaugural. Está ativo, elétrico, participante e promete brigar pela ponta da artilharia nesta temporada. Se mantiver este ritmo, vai ajudar muito o JEC na sua luta pelo acesso. No momento, o Joinville é líder isolado com 12 pontos. Abriu vantagem.

Técnico: Moacir Junior (América Mineiro) – Conseguiu imprimir ao Coelho um estilo simples e prático de jogar futebol. Eficiente na marcação e produtivo no ataque. Além disso, tem como forte as bolas paradas, tanto em faltas como em escanteios. E soube como virar o jogo em cima do Bragantino, por 2 a 1, em Bragança Paulista, quando o adversário saiu em desespero atrás do gol da vitória. O Coelho é vice-líder com 10 pontos, dois a menos do que o Joinville, com 12, porque ganhou três pontos da Lusa nos tribunais. Na frente de Vasco da Gama e ABC, com sete pontos cada.

Reggae de raiz em Fortaleza

9ff6612b5cd4141a4240c21630c54e7b

Tribo de Jah – Banda de Reggae

 

 

(Diário do Nordeste – 25 de abril de 2014 – Fortaleza/CE)

 

Leonardo Bezerra – Repórter

 

Grupo maranhense, referência no estilo, volta a Fortaleza para show em que evidencia as raízes da sua música.

 

 

Poucos grupos brasileiros podem se vangloriar de ter a longevidade da banda de reggae Tribo de Jah. Com 28 anos de carreira, o grupo lutou para afirmar a relevância da própria música a partir do Maranhão, ganhando território nacional e, depois o mundo.

A Tribo é um dos principais culturais pelo qual o estado nordestino é considerado “a Jamaica brasileira”.

Acumulando experiência e hits ao longo de uma árdua jornada no cenário musical brasileiro, um tanto hostil para o estilo, a Tribo de Jah prevaleceu e mantém uma base de público fiel por onde passa. É com essa bagagem que a banda desembarca em Fortaleza, hoje, para show no Reggae Club, localizado na Praia de Iracema, às 22h.

O grupo não venceu somente as dificuldades econômicas, estruturais e culturais, mas também as físicas. O grupo é formado por três integrantes cegos e um com visão parcial. A gênese do grupo aconteceu na Escola de Cego do Maranhão, em que compartilhavam o gosto pela música em instrumentos precários disponibilizados no local onde estudavam. A escola passou a ficar pequena e os amigos passaram a fazer apresentações em palcos externos como banda de baile na capital São Luís e no interior do estado.

O quarteto enveredou mesmo pelo reggae a partir da entrada do vocalista, guitarrista e compositor Fauzi Beydoun, que até então atuava como radialista em programas populares no Maranhão e cultivava o sonho de montar uma banda com influências de grandes nomes do ritmo de origem jamaicana.

“A gente está lançando o décimo quinto CD da carreira com o título de Pedra de Salão”, afirma Fauzi em entrevista por telefone. “A Tribo fez uma reimersão nas suas raízes e ao mesmo tempo, um manifesto em defesa do reggae estilo de raiz (roots) que no Maranhão tem a característica da dança “agarradinho”, e é uma cultura que tem sido muito descaracterizada ultimamente com o advento de novas tendências musicais”, detalha.

O fato relevante também é que, com esse CD a banda confirma a sua grande forma depois de 28 anos de carreira, justificando o fato de ser considerada a principal referência do reggae nacional no exterior.  “O fato de ter tocado nos principais palcos do reggae no mundo (desde o Japão, América do Norte, Europa, África, etc.) obviamente agregou uma considerável bagagem à trajetória da banda. Mas o fato mais relevante talvez no trabalho da banda ainda seja a sua originalidade, por sua história peculiar e pelo reggae genuíno que produz cada dia com mais domínio e propriedade”.

A Tribo canta em português, inglês, francês e espanhol, conforme a língua do local onde a banda está tocando, contribuindo bastante para a aceitação de sua música pelo público de outros países.

Exterior – Passando além das fronteiras do Brasil, a banda fez incursões na Guiana Francesa, Uruguai, turnês na Argentina e continua recebendo propostas para tocar em países como Peru, Equador, etc. A nível internacional, a banda se tornou a grande referência do reggae do Brasil, tendo feito diversas turnês de costa a costa nos Estados Unidos, chegando a países como México, Canadá (onde a banda tocou nas principais cidades).

A banda participou do lendário Reggae Sunsplash Festival, no berço do estilo musical, na Jamaica, passando também por países na África e Europa.

Mais informações – Show da banda Tribo de Jah, às 22 horas, no Reggae Club – Rua José Avelino, 508, Praia de Iracema. Ingressos: R$ 20. Contato: www.reggaeclub.com.br.

Seleção da série A

Corinthians, Cruzeiro, Internacional e Goiás se deram bem na terceira rodada e dividem a liderança do Campeonato Brasileiro com sete pontos. O Fluminense perdeu a chance de manter os 100% de aproveitamento ao ser surpreendido pelo Vitória em pleno Maracanã. Botafogo e Atlético-MG continuam em baixa, assim como o Figueirense, único time que ainda não pontuou e no domingo perdeu o clássico para o Criciúma.

A Seleção do Futebol Interior da terceira rodada será comandada por Wagner Lopes (foto), que fez sua estreia na vitória do Criciúma sobre o rival Figueirense. O meia Alecsandro teve uma atuação impecável contra o Palmeiras e é o dono da camisa 9. O argentino D’Alessandro e Marquinhos, que calou o Maracanã, formam o meio-campo com David e Souza.

 

Goleiro: Cássio (Corinthians) – O sistema defensivo corintiano voltou a ter grandes exibições e boa parte se deve a confiança passada por Cássio. Contra a Chapecoense, por exemplo, o goleiro fez apenas uma grande defesa – chute de Ricardo Conceição no fim da partida -, mas ganhou todas pelo alto e também esteve atento quando precisou sair no chão.

Lateral-direito: Mayke (Cruzeiro) – Depois de aparecer muito bem no ano passado, Mayke virou apenas opção no banco de reservas neste início de 2014, mas sua atuação contra o Atlético-PR mostrou que pode sim brigar por uma vaga entre os titulares. Presença constante no ataque, o lateral precisa melhorar apenas sua marcação.

Zagueiro: Jubal (Santos) – A partida entre Santos e Grêmio foi uma das piores até aqui no Brasileirão. Os zagueiros, de ambos os clubes, foram os únicos que se salvaram. O jovem Jubal não comprometeu, se deu bem sobre os atacantes tricolores e só não marcou o gol da vitória porque Marcelo Grohe fez uma linda defesa.

Zagueiro: Jackson (Goiás) – O Atlético-MG estava pressionado pela eliminação na Libertadores e começou em cima do Goiás, mas o bom sistema defensivo esmeraldino conseguiu segurar o ímpeto do adversário. Depois disso, o time mineiro se perdeu e encontrou muitas dificuldades para escapar da marcação. Jackson ganhou todas de Jô e mostrou muita tranquilidade em campo.

Lateral-esquerdo: Pará (Bahia) – A partida se encaminhava para o 0 a 0, mas Pará desceu em velocidade pelo lado esquerdo e tocou para Maxi Biancucchi encher o pé no cantinho de Jefferson. Mas não foi apenas por causa da assistência que o lateral entrou na seleção. Ele não deu espaços para que Edilson pudesse aparecer lá na frente, como de costume.

Volante: Souza (Cruzeiro) – Preocupado com a Libertadores, Marcelo Oliveira poupou praticamente o time inteiro, mas o Cruzeiro mostrou a força do elenco e porque é um dos candidatos ao título. Souza dominou o meio-campo no duelo contra o Atlético-PR e, além de ter marcado um gol de pênalti, foi seu o cruzamento na cabeça de Marcelo Moreno, que garantiu a vitória celestre. Se continuar assim, o “Foguinho” tem tudo para brigar por uma vaga entre os titulares.

Meia: David (Goiás) – O Atlético-MG ainda estava abalado depois da eliminação nas oitavas de finais da Libertadores e não fez uma boa partida. Mas méritos também para o Goiás. Motorzinho esmeraldino, David tinha como primeiro objetivo ajudar na marcação. E ele fez isso e ainda achou uma oportunidade para garantir a vitória do Verdão, acertando uma bomba de fora da área.

Meia: D’Alessandro (Internacional) – D’Alessandro mostrou neste domingo o motivo que o fez ídolo do Internacional. O argentino estava mesmo endiabrado. Atormentou a defesa do Sport durante todo o combate, fez as melhores jogadas de ataque e ainda marcou um golaço, após bela trama individual. Resultado: Colorado venceu por 2 a 1 e subiu para a segunda colocação.

Meia: Marquinhos (Vitória) – O Vitória calou o Maracanã lotado neste sábado. O Leão derrotou o Fluminense por 2 a 1, com show do meia Marquinhos. O ex-meia de Palmeiras e Flamengo fez um golaço de fora da área e ainda contou com a sorte para fazer o seu segundo no embate. O jogador ficou responsável também por armar a equipe durante o duelo.

Atacante: Alecsandro (Flamengo) – Foi um dos mais irritados na saída do primeiro tempo e não era para menos, já que o Flamengo não tinha visto a cor da bola contra o Palmeiras. Em entrevista aos repórteres, na saída do gramado, prometeu a virada e foi o grande comandante do time carioca na primeira vitória do Brasileirão. Além de marcar dois gols, prendeu zagueiros, deu assistência e arrancou sorrisos da massa rubro-negra.

Atacante: Silvinho (Criciúma) – O veloz atacante infernizou os lentos zagueiros do Figueirense, principalmente depois que Nirley foi expulso, já que os espaços aumentaram. Além disso, Silvinho deu a primeira vitória ao Tigre depois de receber passe dentro da área e tocar na saída do goleiro. Ele ainda teve outras duas oportunidades e em uma delas Tiago Volpi fez linda defesa.

Técnico: Wagner Lopes (Criciúma) – Não teve muito tempo para trabalhar, mas mostrou ser pé quente. Logo em sua estreia, Wagner Lopes deixou o clássico contra o Figueirense com a vitória e, de quebra, o Tigre deixou a zona de rebaixamento, somando seus primeiros três pontos. Treinador da nova geração, Lopes tem um futuro promissor pela frente. No entanto, o time catarinense precisa ser reforçado se não quiser cair para a Série B. O mesmo vale para os outros dois catarinenses: Figueirense e Chapecoense. Destaques também para os experientes Abel Braga, do Internacional, e Mano Menezes, que aos poucos, vai arrumando o desorganizado Corinthians.

 

Eleição: No Maranhão, Campos diz que mandará Sarney para a oposição

Política – O Povo (28 de abril de 2014)

 

Na terra do senador que foi aliado de FHC, Lula que está com Dilma, ex-governador pernambucano disse que não terá Sarney ao seu lado. Afirmou ainda que atual governo foi eleito pelo Nordeste, mas nada faz pela região.

 

Em discurso para plateia de mais de três mil pessoas no interior do Maranhão, o pré-candidato a presidente da República e ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) afirmou que, se for eleitor, irá mandar o senador José Sarney (PMDB-AP) para a oposição.

Em ato político na noite de sábado, 27, em Timon (MA), cidade a 328 km de São Luís e vizinha de Teresina (PI), o presidente nacional do PSB rechaçou a hipótese de ter o grupo da família do ex-presidente José Sarney em seu palanque na disputa presidencial deste ano.

Governado por Roseana Sarney (PMDB), filho do ex-presidente, o Maranhão é o principal reduto político da família Sarney, aliada da presidente Dilma Rousseff (PT). Na disputa estadual, o PSB de Campos estará na chapa do pré-candidato Flávio Dino (PCdoB), em oposição ao candidato governista Lobão Filho (PMDB), apoiado pelo grupo de Sarney.

“Eu serei presidente da República e respeitarei, sim, o presidente (José) Sarney, mas no meu governo ele (Sarney) vai ser oposição nos quatro anos. Porque acho que o Brasil precisa de um presidente que olhe no olho de cada homem e diga: a fartura em Brasília acabou”, disse Eduardo Campos, sob aplausos.

A referência era ao fato de Sarney ter estado ao lado de praticamente todos os governos nas últimas décadas. Apoiava o regime militar, foi vice de Tancredo Neves, assumiu em seu lugar e, em seguida, apoiou tanto Fernando Henrique Cardoso (PSDB) quanto Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e, agora, Dilma.

Nordeste – Ao lado do ex-deputado federal Flávio Dino, Campos atacou a presidente Dilma Rousseff e disse que ela esqueceu o Nordeste. “O Nordeste não teve o prazer de ver uma obra estruturadora. Uma obra sequer. Uma barragem, uma adutora. (…) O governo que está aí foi eleito pelos nordestinos, mas não faz nada pelo Nordeste”, disse o ex-governador.

Eduardo Campos afirmou ainda que sua pré-candidatura é vítima do mesmo “jogo de terrorismo” que Lula sofreu da “turma” de Fernando Collor em 1989, com ameaças de que iria acabar com programas assistenciais.

“Eles estão apostando no desânimo do povo para votar em branco e nulo. A última aposta deles é divulgar nas comunidades que irei acabar com o Bolsa Família. Eles estão fazendo o mesmo jogo do terrorismo, o mesmo jogo sujo que a turma de Collor fez contra Lula em 89 e fez contra Brizola e Jackson Lago (ex-governador do Maranhão que morreu em 2011)”, disse.

“Não venham com essa que não vai colar. Mentira tem pernas curtas. Isso é a política do desespero e vamos desmontar uma por uma”, afirmou Campos. O ex-governador seguiria para Recife, após visitar Belém e Manaus (da Folhapress).

Seleção da série B

A marcação forte, pegada e a briga por espaços tem caracterizado o Campeonato Brasileiro da Série B. Não foi diferente na terceira rodada, que começou terça-feira, teve jogos sexta-feira e depois sábado. Por isso, a Seleção Futebol Interior tem três volantes e tem um quarto, improvisado na defesa (Jonas, do Sampaio Corrêa).

Apesar do esquema armado no tradicional 4-4-4, poderia ser entendido como um 4-3-3 ou 3-5-2. Afinal todas estas variações são usadas pelos técnicos durante os jogos.

Goleiro: Vagner (Avaí) – Campeão paulista pelo Ituano, uma conquista indiscutível após desclassificar o Corinthians, eliminar o Palmeiras e vencer o Santos, o goleiro confirma sua ótima performance. Fez, pelo menos, duas grandes defesas que garantiram a primeira vitória do seu time em cima do Vila Nova-GO, em Goiânia. A principal delas numa falta cobrada por Radamés – aquele mesmo, marido da Viviane Araújo – e que o goleirão saltou e salvou em cima da linha, no alto, mandando para escanteio.

Lateral-direito: Arnaldo (Portuguesa) – A sua escalação pelo técnico Argel Fucks no lugar de Régis, inicialmente, gerou certa preocupação. Afinal de contas, ele tinha acabado de chegar do Mirassol, um dos times em destaque no Paulista da Série A2. Zagueiro: César Gaúcho (Oeste) – Na base da garra e da disposição, o Oeste vai somando seus pontinhos dentro da Série B e parece superar, aos poucos, o baque provocado pelo rebaixamento no Paulistão Chevrolet. Este espírito tem muita ligação com César Gaúcho, que não é dono de técnica refinada, pelo contrário, mas vai à luta. Ele marcou um dos gols no empate, por 2 a 2, com o Sampaio Corrêa, em São Luís (MA).

Zagueiro: Jonas (Sampaio Corrêa) – Mesmo jogando na cabeça de área, como um terceiro zagueiro, levou muito perigo ao gol do goleiro Paes em chutes de fora da área. Precisou ser o elemento do time maranhense, já que os meias da Bolívia Querida tiveram dificuldade para penetrar na defesa do Oeste. Pode ajudar bastante a equipe durante toda a Série B do Brasileiro.

Lateral-esquerdo: Marlon (Vasco) – O lateral foi o grande nome da primeira vitória do Vasco no Campeonato Brasileiro da Série B. O jogador fez um primeiro tempo discreto, porém, na etapa complementar voltou com tudo. Foi o dono do lado esquerdo de campo e ainda marcou dois na goleada do Cruzmaltino diante do Atlético-Go por 3 a 0. Volante: Juninho (Ponte Preta) – Fez sua estreia com a camisa alvinegra no último sábado e mostrou que será muito importante na dura caminhada da Ponte Preta rumo ao acesso. Depois da Luverdense abrir o placar, a Macaca empatou com um lindo gol de Juninho, que pegou de primeira e mandou no ângulo do goleiro. Na etapa final, foi deslocado para a lateral-esquerda e mostrou muita disposição. Certamente será titular. Resta saber em qual posição. A tendência é que entre no lugar do limitado Magal. A Rádio Futebol Interior elegeu Juninho, ao lado de Misael (Luverdense) como os melhores em campo.

Volante: Naldo (Joinville) – Eleito pela Equipe Medalha de Ouro, da rádio Cultura/Jovem Pan, de Joinville como o melhor em campo na vitória, por 3 a 2 sobre o Icasa, por 2 a 1. Outros jogadores também atuaram bem e foram citados, como o atacante Jael, que até marcou um dos gols.

Volante: Andrei Girotto (América-MG) – Mais uma vez foi decisivo para o Coelho, líder da competição. Marcou um gol de falta e outro de cabeça e já tem três gols pelo time mineiro, que parece bem organizado pelo técnico Moacir Júnior. O América mostrou eficiência nas bolas paradas.

Meia: Ricardinho (Ceará) – Usou de sua especialidade, a cobrança de falta, para iniciar a recuperação do Ceará que saiu perdendo para o Náutico, por 2 a 0. Mas o Vovô, campeão cearense da temporada, buscou o empate e evitou o pior, que seria a derrota em casa. Atacante: Misael (Luverdense) – A Luverdense foi superior a Ponte Preta durante toda a partida e merecia ter saído com um melhor resultado. Se isso acontecesse, Misael seria o principal responsável. Além de abrir o placar e dar o cruzamento para Lê marcar o segundo do LEC, o veloz atacante infernizou os zagueiros pontepretanos com sua velocidade. Foram pelo menos quatro finalizações perigosas de Misael.

Atacante: Denis Marques (ABC) – É um matador nato, mas irrequieto e, muitas vezes, com fama de desagregador. Mas tem correspondido no ABC, tanto que marcou os dois gols na vitória sobre o América, na Arena das Dunas. Ele poderá brigar pela artilharia da competição, desde que mantenha seu ritmo forte.

Técnico: Zé Teodoro (ABC) – Ele prometeu e cumpriu: está dando corpo ao maior campeão estadual do país, com 52 títulos. Tanto que venceu o rival América-RN, por 2 a 0, no clássico-teste realizado na Arena das Dunas, em Natal (RN). Seu time tem sete pontos, igual ao América Mineiro, líder pelo saldo de gols: 5 a 3. E carimbou as faixas do campeão potiguar. Outros técnicos também merecem citações, como Moacir Júnior, muito consciente no América Mineiro, ou Hemerson Maria, do Joinville, que vai se recupera da perda do Campeonato Catarinense.

 

Seleção da série A

O Fluminense é o único time com 100% de aproveitamento depois da segunda rodada do Campeonato Brasileiro, realizada neste final de semana. Por outro lado, a dupla catarinense Figueirense e Criciúma continua sem pontuar, figurando na zona de rebaixamento com os cariocas Flamengo e Botafogo. Além dos jogos, o que marcou também a rodada foi a despedida corintiana do Pacaembu, já que a partir de agora mandará os jogos para o Itaquerão.

A Seleção do Portal Futebol Interior da segunda rodada vem armada no 4-3-3 e o técnico não poderia ser diferente: Cristóvão Borges, um dos responsáveis pela grande campanha que o Fluminense vem realizando no Brasileirão. Criticado pela torcida corintiana, Emerson foi muito bem sua estreia pelo Botafogo e está entre os melhores da rodada, formando o trio ofensivo com Rafael Moura e Lucas Coelho.

Goleiro: Fernando Prass (Palmeiras) – Apesar da derrota por 1 a 0, o goleiro mais uma vez foi muito bem no jogo. Fechou o gol e não teve culpa no gol sofrido. Se não fosse Fernando Prass, o Palmeiras teria sofrido uma goleada em pleno Pacaembu.

Lateral-direito: Cicinho (Santos) – O jovem time do Peixe começou muito bem o Campeonato Paulista, liderou a fase de classificação, mas perdeu o título para o Ituano, considerado zebra, mas que foi melhor dentro de campo. Na verdade a “Molecada da Vila” tem muitas qualidades técnicas, mas precisa ganhar maturidade. Nisso tem sido importante as presenças de alguns jogadores mias experiente, como Cicinho, que não deixa a peteca cair pelo seu lado. Ele foi um dos poucos que se salvaram no magro e feio empate com o Coritiba, ao lado do goleiro Aranha.

Zagueiro: Antonio Carlos (São Paulo) – Mais uma vez o zagueiro artilheiro mostrou porque é fundamental no time do Muricy Ramalho. Sólido na defesa, o jogador não comprometeu na hora de afastar as bolas, e não teve culpa no gol sofrido. Já no ataque, marcou o gol do empate no último lance do jogo, salvando o São Paulo da primeira derrota.

Zagueiro: Ferron (Sport) – Está mesmo numa fase altamente positiva. Foi um gigante na vitória do Sport sobre a Chapecoense, por 2 a 1, na Ilha do Retiro, em Recife. Na verdade ele suportou mais fisicamente do que seu companheiro Durval, herói do título pernambucano, no meio de semana, mas que estava cansado. O curioso é que Ferron passou quase dois anos na Ponte Preta, no atuou por perto de 150 vezes. No Leão da Ilha se encaixou com Durval e conquistou nos últimos dias dois títulos importantes para sua carreira: da Copa do Nordeste e do Centenário do Pernambucano.

Lateral-esquerdo: Fábio Santos (Corinthians) – Em uma partida bastante truncada e não muito boa tecnicamente, Fábio Santos acabou se destacando. Aparecendo constantemente na frente, deu o passe para Gil marcar o segundo gol e garantir a vitória corintiana. De quebra, esteve próximo de deixar sua marca, mas esbarrou no travessão.

Volante: Fahel (Bahia) – Sem dar sustos na proteção à zaga, Fahel fez uma grande partida contra o Figueirense. Comandou o Bahia nas saídas de bola e ainda marcou um belo gol, o segundo na vitória do Tricolor Baiano por 2 a 0.

Volante: Amaral (Goiás) – Um dos grandes líderes do time do Goiás, Amaral também mostrou, contra o Criciúma, que pode ser aquele volante que marca e também sai para o jogo. Ele arriscou dois chutes perigosos de fora da área e ainda deixou a sua marca, após receber um cruzamento de bicicleta e concluir com classe ao gol.

Meia: Valdívia (Internacional) – Homônimo do craque do Palmeiras, o meia do Colorado provou que tem um grande futuro pela frente. Aposta de Abel Braga contra o Botafogo, ele deu passe para os dois gols marcados por Rafael Moura.

Atacante: Rafael Moura (Internacional) – O He-man voltou com tudo com o seu faro de gol. Contra o Botafogo, neste domingo, ele marcou os dois gols do Colorado na partida no bom estilo de centroavante. No primeiro, concluiu de cabeça, sua especialidade. Depois, só tocou para dentro um belo passe recebido de Valdívia.

Atacante: Emerson Sheik (Botafogo) – Demorou, mas a estreia do ex-atacante do Corinthians aconteceu e não poderia ter sido melhor. Mesmo sob pressão, Emerson Sheik marcou um gol e deu passe para outro, provando que ainda tem muita lenha para queimar.

Atacante: Lucas Coelho (Grêmio) – Enderson Moreira poupou os titulares visando a Copa Libertadores. No entanto, os reservas, em sua maioria garotos, deram conta do recado e venceram o Atlético-MG. Esperto, Lucas Coelho aproveitou falha da zaga, deu uma meia lua em Victor e tocou para o gol aberto. Além disso, incomodou bastante os adversários.

Técnico: Cristovão Borges (Fluminense) – Com humildade assumiu o comando do Tricolor das Laranjeiras no lugar do show-man Renato Gaúcho. Desta forma também recuperou a autoestima de alguns jogadores e contou com a sorte de outro lado. O atacante Fred, por exemplo, andou levando dura, e com razão, da torcida por passear tanto nas ruas do Rio de Janeiro. Lugar de “atleta profissional” e que ganha mais de um milhão de reais por mês é dentro de campo e não nas praias, nem se forem as belas praias do Rio.

O Fluminense quer evitar a péssima campanha do ano passado, quando seus jogadores se perderam pelo títulode2012 e levaram o ano “na valsa”. Agora somou seis pontos em dois jogos e já lidera sozinho o Brasileirão. E tem elenco para ir longe. Disso ninguém duvida.

 

Seleção da série B

A segunda rodada do Campeonato Brasileiro da Série B mexeu com o coração do torcedor desde a terça-feira, quando foram realizados dois jogos. Na sexta e no sábado, mais jogões e shows de gols e artilheiros, que mostraram que neste ano a briga pela artilharia será rodada a rodada.

Ao final dos jogos, algumas surpresas: o novato Luverdense vem fazendo sucesso e bateu o favorito Vasco, que segue sem vitórias. O América-MG desbancou o Ceará, que foi campeão cearense na quarta-feira, com uma goleada por 3 a 0. O Bragantino venceu o Avaí fora de casa e ABC e Náutico mostraram que podem ser boas surpresas no futuro.

Com tantos jogos bons e grandes gols, a Seleção Futebol Interior da Série B não poderia vir diferente, senão com três atacantes. E olha que muito artilheiro ficou de fora, como Jael, do Joinville, Giancarlo, do Paraná e Alexandro, da Ponte Preta, que marcaram dois gols. É duro escalar só três!

No comando está a grande promessa Júnior Rocha, que faz o seu primeiro trabalho com o Luverdense e vai bem. Mesmo com um elenco barato, ele mostrou que consegue lapidar talentos e tornar o LEC uma força a mais na divisão.

Goleiro: Gabriel Leite (Luverdense) – O jovem arqueiro foi muito importante na vitória do Luverdense sobre o Vasco. Como o time mato-grossense sempre esteve a frente no placar, a pressão do ataque vascaíno durou o jogo inteiro e Gabriel Leite segurou com boas defesas. Quem também esteve muito bem foi Leandro Santos, do Bragantino, que derrubou o Avaí, por 2 a 1, em Florinanópolis.

Lateral-direito: Raul Prata (Luverdense) – No Luverdense desde o ano passado, quando o time conseguiu o acesso na Série C, Raul Prata agora vem fazendo sucesso e chamando a atenção de grandes clubes pelas suas ações na Série B. Contra o Vasco, neste sábado, só faltou fazer chover, sobretudo ofensivamente. No primeiro gol do LEC, deixou quatro adversários para trás e só não marcou porque o goleiro praticou grande defesa e no rebote Reinaldo marcou. Destaque também para Patrick que, de falta, fez o gol da vitória do ABC sobre o Boa Esporte, por 1 a 0. E Elsinho, do América Mineiro, que marcou um dos três gols na vitória sobre o Ceará, tetracampeão cearense.

Zagueiro: Ligger (Oeste) – O elenco ainda é limitado e sofre ainda o impacto do inesperado rebaixamento dentro do Campeonato Paulista. Mas o zagueirão continua mantendo a sua regularidade, jogando sério e com firmeza, e contribuindo de forma decisiva para a vitoria do Oeste sobre o América-RN, por 2 a 1.

Zagueiro: Guilherme Mattis (Bragantino) – Remanescente do elenco do Bragantino do ano passado, Guilherme Mattis tem a confiança do técnico Marcelo Veiga. Muito forte no jogo aéreo, o defensor ganhou fama pela sua serenidade em campo. Neste sábado, ele até gol marcou, de cabeça, contra o Avaí, fora de casa.

Lateral-esquerdo: Raí (Náutico) – Ele foi um achado no time do Náutico. Se não marca com tanta eficiência, vai muito bem atacando. Contra o Vila Nova, acertou um belo cruzamento que resultou no primeiro gol de Rodrigo Careca.

Volante: Élton (Ponte Preta) – Depois de deixar boa impressão na estreia, o volante tem se mostrado a melhor contratação feita pela Ponte até o momento. Não chegou com a “grife” de Edno, mas tem sido muito mais efetivo. Contra o Atlético foi o melhor em campo na Macaca. Sabe sair jogando e faz muito bem uma função de terceiro homem no meio, que já fora de Elias, em 2008 e que hoje defende o Corinthians. Deu um cruzamento primoroso para o primeiro gol de Alexandro.

Volante: Andrei Girotto (América-MG) – Experiente, o volante do América-MG é muito importante no esquema utilizado pelo técnico Moacir Júnior no Coelho. Além de marcar com eficiência, ele apoia o ataque. Como a partida contra o Ceará neste sábado estava muito aberta, ele se mandou ajudou na armação e ainda marcou, de cabeça, um gol aos 41 minutos.

Meia: Eloir (Sampaio Corrêa) – Eloir já está bastante tempo defendendo o Sampaio Corrêa e não é ídolo por acaso. Com um futebol atrativo e bons chutes de fora da área, ele consegue ser aquele meia que marca e também ataca com eficiência. Contra o Icasa, na sexta-feira, deixou a sua marca, aos 41 minutos do primeiro tempo.

Atacante: Juninho (Atlético-GO) – No melhor estilo “capetinha” infernizou a lenta defesa da Ponte e, principalmente, o perdido lateral Magal. Rápido e habilidoso, o jogador abusou de cair nas costas dos defensores alvinegros e explorou a avenida na esquerda. No primeiro gol, fez o cruzamento para Júnior Viçosa cabecear. Na segunda etapa, sofreu o pênalti que resultou no segundo gol rubro-negro.

Atacante: Rodrigo Careca (Náutico) – Depois de se destacar no Campeonato Paulista pelo São Bernardo, Rodrigo Careca chegou badalado ao Náutico e já se firmou entre os titulares. Neste sábado, contra o Vila Nova, mostrou que tem faro de gol, marcando duas vezes. Não bastasse os gols, ele saiu de campo como o melhor jogador da partida, tendo dado dribles e chutes de efeito ao gol.

Atacante: Obina (América-MG) – Como se diz no velho jargão, comeu a bola contra o Ceará. Se você se acostumou a ver aquele atacante fora de forma do Flamengo e do Palmeiras, pode esquecer. Aberto na direita, como um ponta, Obina deitou e rolou sobre Vicente, principalmente no primeiro tempo. Tanto que fez o cruzamento para o gol de Elsinho e ainda deixou sua marca na segunda etapa. Correu muito. Algo que nunca ocorrera em outras equipes. Outros que poderiam aparecer na seleção são Giancarlo do Paraná, Alexandro, da Ponte Preta, e Jael, do Joinville, autores de dois gols cada nesta rodada.

Técnico: Júnior Rocha (Luverdense) – Técnico da jovem geração, Júnior Rocha vai provando que tem um ótimo futuro pela frente. No ano passado, levou o Luverdense ao acesso inédito para a Série B. Logo na estreia, conseguiu um bom empate com o Vila Nova e neste sábado fez história, conseguindo a primeira vitória do time de Lucas do rio Verde na Série B justamente diante do Vasco. Foi a primeira vez que um clube venceu atuando na Arena Pantanal. Alguns técnicos estão no caminho certo, como Marcelo Veiga, acostumado ao Bragantino, que sempre faz uma campanha regular. OU então, Zé Teodoro, que parece estar também organizando bem o ABC de Natal, que ano passado esteve nas mãos do retranqueiro Leandro Campos.

 

 

Página 1 de 13112345...102030...Última »