Fechar
Buscar no Site

Opinião: Um voto na seriedade

Por Antônio de Lisboa Machado Filho*

O General e político francês Charles De Gaulle (1890-1970), que foi um dos mais expressivos comandantes militares dos Aliados, durante a Segunda Guerra Mundial, tornou-se um dos principais Estadistas do pós-guerra. Uma das mais notáveis frases que são atribuídas a ele teria sido dita enquanto visitava o Brasil, em 1962, durante o Governo João Goulart: “O Brasil não é um País sério.” – frase esta que, cada dia mais, assume um caráter atualíssimo, ao mesmo passo que nunca deixou de mostrar aos brasileiros como somos – lamentavelmente – vistos aos olhos da comunidade internacional.

Talvez, para muitos de nós, pouco importe o que estrangeiros pensem a respeito do nosso País, mas a verdade é que toda crítica emitida com sincero racionalismo deve ser recebida como algo necessário à sanha por aprimoramento e como referencial que possamos usar como balizador de nosso processo evolutivo – se é que almejamos alcançar o mesmo patamar das Nações mais evoluídas da Terra.

A tarefa que a cidadania impõe a todas e todos que somos brasileiros, maiores de dezesseis anos, alfabetizados ou não – exceto se conscrito -, é de uma responsabilidade tão grande como, talvez, na história eleitoral desse País, jamais se tenha visto igual. É em nossas mãos que, dentro de sete meses, no dia sete, estará a oportunidade de usar o voto livre, consciente e não contaminado, com o mesmo efeito do diclorodifeniltricloroetano, mais conhecido como DDT, primeiro pesticida moderno, usado durante e logo após a mesmíssima Segunda Guerra Mundial de De Gaulle, para combate aos mosquitos vetores de doençascomo a malária e a dengue.

Entretanto, os artrópodes aqui referidos – e contra os quais deverá ser usado o voto com o efeito neutralizante – serãoalguns (refiro-me aos viciados) dos políticos que já criaram raízes dentro das urnas e, até agora, mostraram-se extremamente nocivos aos interesses coletivos e benevolentes aos particulares – seus e de seus bajuladores. A muitos desses políticos, aliás, o eleitor já conferiu, em vão, inúmeras oportunidades, reelegendo-os sucessivamente sem que os reste como justificar tanta inércia na defesa e na proteção do interesse público e no cumprimento das promessas que conquistaram o voto desse mesmo eleitor. E neste ano, de eleições gerais, temos a chance de apostar em outros ou nos mesmos nomes, mas sempre lembrando que a força e o poder do voto livre são capazes de nos conduzir à vitória, afastando, de uma vez por todas, a velha e incômoda pecha de que o Brasil não é um País sério!

* Advogado, professor, Conselheiro do CEE/MA, ex-Vereador de São Luís

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

8 respostas para “Opinião: Um voto na seriedade”

  1. O professor Lisboa falou a pura verdade pra nós se conscientizar não votanto no atrazo dessa velharia que não fizeram nada pelo Maranhão

  2. José disse:

    Muito equilibrada a ponderação do Lisboa. Caberá à população, neste momento tão nebuloso da nossa breve história democrática, conscientizar-se sobre o poder que emana do voto. As escolhas precisam ser minuciosas e muito bem estudadas. Parabéns pela análise.

  3. Val Machado disse:

    Parabéns! ExcelenTe artigo.O brasileiro deve votar com serenidade e sem paixão, pensando no que é melhor para a coletividade.

  4. Val Machado disse:

    Parabéns!Excelente artigo. O brasileiro precisa aprender a votar com mais seriedade e menos paixão, pensando no bem da sociedade.

  5. João Victor Gama disse:

    Parabéns, Lisboa! Um artigo digno de respeito, revestido de ideias transparentes e evoluidas.

    Que o leitor alcance o sentido do texto e perceba os valores éticos e morais nele contido.

    O Brasil precisa de pessoa assim! Avante.

  6. Walter Trindade disse:

    Hoje um grupo de alunos me perguntou que cenário eu consigo enxergar com a atual conjuntura política do país. Dei minha opinião respondendo que não existe cenário nenhum. Sugeri que eles observem e formem suas próprias opiniões sobre que tipo de político querem para reprentá-los nos próximos 4 anos.

    Como professor sou um formador de opinião, mas nessa eu me isento.

  7. Roberth disse:

    Levaria a sério, não fossem esses escritos vindos de quem vem… Alguém que vira as costas aos seus apoiadores e eleitores não é digno de ocupar cargo público, qualquer que seja ele. Felizmente os eleitores ludovicenses negaram a esta pessoa a renovação do mandato. DEUS NOS AGRACIE COM A FELICIDADE DA SUA AUSÊNCIA EM QUALQUER CARGO ELETIVO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens