Fechar
Buscar no Site

Última fase da Orla do Araçagi está 50% concluída e espaço será inaugurado este ano

Quem passa pela Praia do Aracagi já pode observar as mudanças no cenário paisagístico. Isso porque está em fase de conclusão a obra de readequação da nova orla, fruto de uma parceria entre o Governo do Maranhão e Prefeitura de São José de Ribamar. A intervenção, dividida em quatro fases, está em sua última etapa, com serviços 50% prontos e segue em ritmo acelerado. Ao todo, foram construídos 1.500 metros de extensão, que inclui duas rotatórias, dois retornos, rampa de acesso, ciclovia e cerca de 400 vagas de estacionamento.

“Fizemos ainda o recapeamento asfáltico e a sinalização da Avenida Atlântica, que dá acesso à orla”, explicou o secretário de Estado da Infraestrutura, Clayton Noleto.

O projeto contemplou, ainda, o calçamento do outro lado da Avenida Atlântica. Totalmente nivelado, o lugar passa a ser acessível e seguro. Os colaboradores trabalham na extensão final da orla, esquina da Avenida Atlântica com a Rua Urucutiana, onde os ônibus fazem o retorno. O prazo previsto de entrega da obra é dezembro deste ano.

“No momento estamos fazendo meio-fio, concretagem e muro de arrimo da segunda descida da praia. Esse muro, que tem um metro de altura, foi feito para que os bares não sejam afetados pela maré ou pela erosão. Temos ainda o estacionamento para ônibus e fizemos ainda pontos de drenagem, para ajudar no período chuvoso”, explicou a arquiteta da obra, Nayanne Feques.

O comerciante Pedro Martins está satisfeito com as obras de readequação da orla do Araçagi. Há mais de vinte anos como vendedor, ele descreve as melhorias. “Está tudo muito bonito. Nunca tínhamos visto isso. Aqui é nosso ganha pão, que sustenta nossa família e essa obra traz mais clientes e, claro, mais gente para gastar”, comemorou Pedro Martins.

Mais investimentos

Além da orla do Araçagi, a gestão estadual tem investido em toda a região para garantir melhor segurança e mobilidade urbana. O viaduto Neiva Moreira é um exemplo. A construção, que teve investimentos de R$ 32,6 milhões, faz parte da duplicação da MA-203 (Estrada do Araçagi), avenida que dá acesso para a orla marítima e acompanha o cruzamento da Estrada da Raposa com a Estrada da Maioba.

Na Estrada do Araçagi, o Governo do Maranhão fez mudanças estruturais. O canteiro central foi estreitado para dar mais espaço à estrada, foi implantado sistema de acessibilidade, sinalização, drenagem, além da pavimentação asfáltica e revisão de todo a iluminação com reposição de postes. O projeto reestruturou os três quilômetros de duplicação da MA-203, com a implantação do elevado. A estrutura homenageia o jornalista, político maranhense e nome histórico do PDT, Neiva Moreira, falecido em 2012, aos 94 anos.

Ao conjunto de ações e investimentos já realizados pelo Governo do Maranhão em São José de Ribamar, o prefeito da cidade, Luís Fernando, destacou a importância da gestão articulada com a esfera estadual e municipal, ressaltando o cuidado que o Governo tem tido em garantir qualidade de vida à população da cidade.

“Nós, ribamarenses, jamais esqueceremos esta qualidade do Governo, que é de governar junto aos municípios, de governar para o bem das pessoas. São José de Ribamar agradece pelas parcerias que têm sido feitas pelo Governo Flávio Dino e a administração municipal”, declarou o prefeito Luís Fernando.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

2 respostas para “Última fase da Orla do Araçagi está 50% concluída e espaço será inaugurado este ano”

  1. JOÃO disse:

    A BELA ORLA DO ARAÇAGI É DESENVOLVIMENTO SOCIAL, ECONÔMICO, URBANÍSTICO, MELHORA AS CONDIÇÕES DE VIDA DOS FREQUENTADORES, MORADORES, VISITANTES, TODOS GANHAM COM UMA ADMINISTRAÇÃO BEM FEITA, BEM PROJETADA, O DINHEIRO PÚBLICO BEM EMPREGADO —-ISSO É REDUZIR O ABISMO SOCIAL deixado como herança pela oligarquia sarney.

  2. É verdade, uma obra de suma importância para todos. Agora a poluição sonora há tempos chegou a 100%, cães infectados e famintos rasgam o lixo, proliferam doenças, espantam desportistas, moradores e turistas, sem que o poder público estadual e municipal tomem qualquer providencia, nem quando acionados pelo MP. Outra crítica pertinente, é que na falta de bancos e abrigos em ponto de ônibus, as pessoas sentam em canteiros embaixo dos coqueiros correndo sério risco fatal de ser acertados pelos diversos côcos que caem diariamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens