Fechar
Buscar no Site

Operação cumpre mandados de prisão preventiva em Paço do Lumiar

Aconteceu na manhã desta quarta-feira, 31, a segunda fase da Operação Cooperare, que investiga irregularidades na contratação da Cooperativa Maranhense de Trabalho e Prestação de Serviços (COOPMAR) pela Prefeitura de Paço do Lumiar.

Deflagrada pelo Ministério Público do Maranhão, por meio da 1a Promotoria de Justiça de Paço do Lumiar e do Grupo de Atuação Especial no Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), em parceria com a Polícia Civil e Controladoria Geral da União (CGU), a operação cumpriu mandados de prisão preventiva de Gleydson de Jesus Gomes Araújo, Marcelo Antônio Muniz Medeiros, Raildson Diniz Silva, Marben Costa Bezerra, Hilda Helena Rodrigues da Silva, Carlos Alex Araújo Prazeres, Artur Costa Gomes, Gedian Lima de Macedo, Peterson Brito Santos, Lucas do Nascimento e Aislan Denny Barros Alves da Silva. Os acusados foram denunciados por lavagem de dinheiro, organização criminosa e peculato.

INVESTIGAÇÃO

A primeira fase da Operação Cooperare aconteceu em 2016. Durante as investigações, foi apurado que a COOPMAR, ao longo de três anos, recebeu repasses de 17 prefeituras e também da Federação das Administrações Municipais do Estado do Maranhão (Famem), da ordem de R$ 230 milhões.

Desse total, R$ 12.929.170,11 foram creditados pelo Município de Paço do Lumiar.

Relatórios técnicos da Assessoria Técnica do Ministério Público e da CGU constataram que a COOPMAR não possuía os requisitos necessários para ser classificada como cooperativa de trabalho, funcionando, na prática, como uma empresa privada.

Na época, foram cumpridos mandados de busca, apreensão e de bloqueio de bens, autorizados pela juíza Jaqueline Caracas, da 1ª Vara de Paço do Lumiar.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

3 respostas para “Operação cumpre mandados de prisão preventiva em Paço do Lumiar”

  1. Municípios são alvos de quadrilhas por todo o país. Até aí novidade alguma. Já o MP com seus AGENTES gosta muito de brincar de ser POLÍCIA JUDICIÁRIA, única constitucionalmente apta a investigar crimes. Fazem coisas para serem vistos nos meios de comunicação já que a eles no terreno penal é apenas atribuída a denúncia no processo crime.

  2. Antonio Carlos, Carlos disse:

    Será que vão descer para o Complexo de Pedrinha?. Se a moda pega, Ricardo Murad não foi!, . E agora como é que fica?
    Se for corrupto fudido desce logo, Se for mairumeno, desce, Se for do tipo Ricardo Murad não desce!!!

  3. Sá Vale. disse:

    Essas quadrilhas atuam sempre em conluio com os prefeitos, e as investidas do GAECO não dão em nada.
    o GAECO fez uma investida contra uma ORCRIM que atuava em Duque Bacelar, deu em que mesmo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens