Fechar
Buscar no Site

Flávio Dino anuncia cortes, mudanças na equipe e ausência nas eleições

flavio-2015-02-flavio_dino

O governador Flávio Dino reafirma política de austeridade no Estado e diz que fará mudanças em sua equipe

O governador Flávio Dino, em entrevista exclusiva ao Jornal Pequeno, anunciou que fará cortes orçamentários, para que o Maranhão possa fazer frente à crise econômica do país:

“O nosso empenho, o nosso esforço agora é exatamente no que se refere ao custeio. Nós vamos ter que, em 2016, adotar medidas restritivas em relação ao custeio; conter, por exemplo, a expansão de gastos com servidores públicos, para com isso manter as finanças públicas em condições razoáveis”, afirmou.

Flávio Dino admitiu que poderá fazer mudanças em sua equipe de governo, logo no início do ano, mas ressaltou que a prioridade absoluta será manter a política de austeridade iniciada logo após a sua posse no Palácio dos Leões.

“Em 2015, já economizamos mais de R$ 300 milhões em regalias, gastos abusivos e imorais, e conseguimos fazer com que esse dinheiro pudesse ser aplicado em programas sociais importantes, como o programa Bolsa Escola – que vai em janeiro dar a famílias de baixa renda a possibilidade de comprar material escolar para seus filhos, – e o programa Escola Digna, que começa a substituir as escolas de taipa por novos prédios decentes e adequados”.

O governador enfatizou que a honestidade e a transparência são ferramentas para construir mais justiça social, o objetivo central da ação política transformadora de seu governo. Eis a íntegra da entrevista:

Jornal Pequeno – De que forma estão se refletindo, no Maranhão, a crise econômica e a crise política do país?

Flávio Dino – A nossa observação é exatamente esta: temos duas crises que estão diretamente embricadas. Uma sobrevive em razão da outra. Em verdade, se nós olharmos os fundamentos macroeconômicos do país, nós temos uma situação difícil, mas também não é desesperadora.

Uma vez que a gente tem uma taxa de juros que deve diminuir, porém esta taxa de juros hoje de 14% já foi 40%, já foi 25%, precisa cortar, ainda mais. Porém é uma taxa que o País já sobreviveu a ela. A desvalorização do real ajuda as exportações, portanto, ajuda também investimentos estrangeiros diretos. Então, é também um dado positivo.

Nós temos 380 bilhões de dólares de reservas internacionais no Brasil. Em suma, nós temos caminhos de recuperação da nossa economia. Infelizmente, exatamente a segunda crise embricada à crise econômica, que é a crise política, tem impedido os passos na direção correta para que esta crise seja superada. E isto impacta muito fortemente as finanças públicas, uma vez que nós temos uma diminuição da atividade econômica, uma recessão, o que impacta na arrecadação tributária. No caso do Maranhão, tanto no que se refere às transferências constitucionais federais também no que se refere à arrecadação tributária própria.

Então o que o horizonte oferece neste instante é muita nebulosidade em razão da dimensão da crise política que hoje é alimentada por um fator externo à política, que é a Operação Lava Jato. Enquanto não houver uma equação política para restabelecer o diálogo entre os vários partidos, e com isso restabelecer a governabilidade institucional, seja do governo – Poder Executivo – seja do Congresso Nacional, vai ser difícil a gente sair da crise econômica. E aí exatamente nós temos um cenário para 2016 de grave constrangimento nas finanças públicas federais e também nas finanças públicas estaduais.

JP – As finanças públicas do Estado estão equilibradas?

Flávio Dino – Nós, em 2015, tomamos todas as medidas para evitar que o Maranhão sofresse, tanto que chegamos ao fim do ano com a folha de remuneração dos servidores já com data fixada para pagamento, o que hoje é quase uma exceção, em relação a vários Estados. Porém, estamos muito preocupados com o ano de 2016.

JP – Pode haver mudança na previsão ou na política de investimento?

Flávio Dino – Vamos continuar no caminho de aplicar bem o pouco dinheiro disponível. Foi o que nós fizemos em 2015. As economias que nós fizemos com gastos supérfluos, ou gastos ilegais, chegaram à ordem de R$ 325 milhões, segundo dados da Secretaria de Transparência e Controle.

Estes recursos que foram economizados é que nos permitiram manter um nível de investimento, com recursos próprios, como por exemplo o Programa Mais Asfalto, além evidentemente de cuidarmos da aplicação de recursos do BNDES. Então estas são as vertentes de investimento para o ano que vem. Nós vamos continuar a procurar cortar gastos que podem ser cortados, para manter investimentos e obras com recursos próprios e do BNDES.

O nosso empenho, o nosso esforço agora é exatamente no que se refere ao custeio. Nós vamos ter que, em 2016, adotar medidas restritivas em relação ao custeio; conter, por exemplo, a expansão de gastos com servidores públicos, para com isso manter as finanças públicas em condições razoáveis.

JP – Quais os maiores avanços do atual governo?

Flávio Dino – Eu cito em primeiro lugar esta forma transparente e honesta de governar. É uma conquista. Nós saímos de nota zero, no ranking da CGU, para nota 10, no ranking da CGU. Isto significa dizer que nós temos uma certificação que nos tirou do último lugar e nos colocou no primeiro, numa governança honesta, proba.

O segundo aspecto que eu gostaria de destacar é o foco em políticas sociais para os mais pobres. Isto abrange o Programa Mais IDH, abrange o fato de hoje, neste momento que concedemos esta entrevista, as primeiras 1.300 famílias do Programa de Sistemas Integrados de Tecnologias Sociais (Sistecs) estarem recebendo a primeira parcela de R$ 1.200 de crédito para investimento em alimentos. Isto abrange programas como o Bolsa Escola, que vai ser pago agora no mês de janeiro, e outros tantos programas voltados à promoção dos direitos dos mais pobres.

E o terceiro ponto que eu gostaria de destacar são exatamente as obras. Nós temos hoje centenas de obras em andamento. Chegam seguramente a 500 obras em andamento, entre o Programa Mais Asfalto, obras do governo federal de reforma de escolas que estão, por exemplo, em andamento, mais as obras do BNDES tem garantido inclusive que o nosso setor privado possa manter um funcionamento que em muitos Estados não tem sido possível. Por isso a gente contabiliza muitos acertos. Evidente que nós temos pontos sensíveis a aprimorar como, por exemplo, a temática da segurança pública.

JP – Um eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff atrapalharia ou causaria algum tipo de embaraço ao Governo do Maranhão?

Flávio Dino – Isto seria desastroso para o País, em primeiro lugar, porque longe de resolver a crise institucional isto, se ocorresse, iria aprofundá-la, na medida em que existem segmentos sociais expressivos que não aceitariam um caminho inconstitucional.

Portanto, se teria uma luta social muito intensa e nós teríamos um paradoxo. Porque se houvesse o impeachment da presidente Dilma, logo em seguida deveria haver o impeachment do hipotético presidente Michel Temer, porque os mesmos decretos que ela editou, que foram adjetivados como “pedaladas fiscais”, o próprio vice-presidente, no exercício da Presidência, também editou.

Então se ela houvesse, por hipótese, cometido crime de responsabilidade, que não cometeu, por conta destes decretos, ele também cometeu; então nós teríamos que ter um outro impeachment logo em seguida. De modo que isto, evidentemente, é insensato, falta bom senso para este caminho. E na medida em que o Brasil sofre, o Maranhão então teria este problema.

JP – Haveria um retrocesso no Maranhão?

Flávio Dino – Nós experimentamos aqui, nos governos Zé Reinaldo e Jackson Lago, o que significa governar o Estado de modo independente, com o poder federal forte contra nós. E nós lutamos muito para conseguir neutralizar isto. E se houvesse este hipotético impeachment nós iríamos ter um cenário indesejado, porque exatamente nós voltaríamos, em certo sentido, às políticas de boicote e de sabotagem que hoje não existem. Mas que infelizmente, num retrospecto atinente aos governos Zé Reinaldo e Jackson, fazem crer que aconteceriam. Por isso eu reafirmo a minha crença de que o impeachment é inconstitucional e é nocivo aos interesses do País e do Maranhão.

JP – Como o seu governo vai lidar, do ponto de vista político, com as eleições municipais de 2016?

Flávio Dino – O governo não vai participar das eleições, porque a tarefa do governo é governar. Nós não teremos recursos públicos financiando campanhas. Isto é inclusive uma revolução no Maranhão. Mas o governador vai participar intensamente, porque tem compromissos assumidos em 2014, e este vai ser um parâmetro fundamental.

Todos aqueles que estiveram comigo na campanha serão respeitados. E os compromissos que eu fiz em 2014 serão honrados. Então, como governador, como militante político, estarei sim presente nas eleições municipais, buscando em primeiro lugar unificar ao máximo o quanto possível o nosso campo, os nossos partidos que fizeram com que eu estivesse aqui no governo e, quando isto não for possível, buscando acordos de procedimentos entre os vários partidos, a fim de permitir que nós mantenhamos esta unidade estadual.

JP – E nos municípios onde não houver esta possibilidade de acordo?

Flávio Dino – Em algumas situações, em que nada disto for possível, aí a tendência é que eu guarde uma posição de neutralidade como, por exemplo, o caso de São Luís, em que se desenha uma disputa polarizada entre dois candidatos que participaram diretamente da minha campanha em 2014, que é o prefeito Edivaldo Holanda Júnior e a deputada Eliziane Gama. Então, neste caso, eu devo manter os acordos de 2014 e, por isso, manter uma posição pessoalmente equidistante em relação a estes candidatos. Não obstante, o meu partido, é claro, irá tomar uma posição partidária, mas não significa o meu envolvimento pessoal.

JP – Estão sendo cogitadas mudanças na composição de sua equipe de governo?

Flávio Dino – Estão sendo cogitadas, sim, e serão feitas. Porque a mudança é uma lei da vida. Nós sempre temos de estar nos adequando aos novos desafios. Nós temos neste momento um processo de debate em relação a alguns casos, envolvendo não só a figura do secretário, mas também as equipes. Porque eu considero que a atividade de governar é necessariamente coletiva. Então nós estamos debatendo simultaneamente. Alguns casos vão resultar em mudança de secretários e, em outros casos, vão resultar apenas em mudanças de equipes.

JP – Em resumo, que avaliação se pode fazer deste seu primeiro ano de governo?

Flávio Dino – Que somos um governo honesto, um governo dedicado, um governo corajoso, um governo que tem muito mais acertos do que erros. Claro, evidentemente, não é um governo perfeito, porque a perfeição não é um atributo humano, infelizmente. Então nós reconhecemos que há pontos em que nós temos que evoluir mais, e eu estou lutando para que isto aconteça.

Mas é um governo aprovado pela sociedade. Eu sempre me guio menos pela minha avaliação, e mais pela avaliação da sociedade. Porque a minha costuma ser muito rigorosa comigo mesmo, porque eu sou perfeccionista ao extremo.

Então eu tenho como parâmetro aquilo que as pesquisas estão mostrando: que de um modo geral há um reconhecimento deste nosso trabalho, tanto que agora mesmo recebi pesquisas de Pinheiro e de Vargem Grande, e o nosso governo com aprovação superior a 60% quase 70%. São dados que nos animam bastante.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

19 respostas para “Flávio Dino anuncia cortes, mudanças na equipe e ausência nas eleições”

  1. Luís disse:

    Tem que tirar toda equipe da SEJUV pois eles não consegue dialogar com a juventude do nosso Estado não nos representa

  2. Cessar disse:

    Verdade equipe da SEJUV e fraca e não trata a juventude do Estado com respeito

  3. Lampião disse:

    Isso só pode ser brincadeira dessa ….. O que ele quer é aparecer nacionalmente. Nas a primeira lapadada, vai ser slno cachorro vira-latas dele, o prefeito, que fez a pior administração dos últimos 30 anos em SL. E nos blogueiros. Comedores de resto da mesa dele.

  4. Maurício disse:

    Espero que no pacote de mudanças nosso nobre governador retire essa equipe da SEEJUV, pois nem de longe representam a juventude do estado do Maranhão.

  5. Kleber santos disse:

    Brincadeira flavio dino tem feito pesquisa em todos os municípios do Maranhão e mais tem chamado todos que estão na frente das pesquisas vc sabe disso caro jornalista

  6. Estevão disse:

    É papudão, as condições econômicas eram boas por fatores exógenos como o boom das commodities e não foi aproveitado o momento para atender os fundamentos econômicos. Os ptralhas não tem nenhum coelho na cartola para sairmos da cilada em que nos meteram com muito arrocho e sem nenhuma perspectiva de melhora a médio prazo. Preferiram apostar no consumo e endividamento público, consequentemente endividamento das famílias, para se perpetuar no poder. As reservas de mais de 370 bilhões não serviram nem para evitar o rebaixamento do grau de investimento do brasil pelas agências internacionais. Se mexer nelas, não tem a mínima condição de repor como a China e Malásia fazem, além do mais é bom ele saber que destes 370 bilhões, 108 bilhões estão no mercado de derivativos, ou seja um perigo em quase 1/3 das reservas sem contar com o aumento nos juros do EEUU, investimentos sairão deste para aquele. E quanto ao gasto com servidores, basta exonerar todos os inúteis que entraram neste governo e os cargos criados para atender acordos políticos. O restante, é só conversa para boi dormir, tudo para um suposto futuro improvável.

  7. Carol disse:

    Que a secretária de educação juntamente com sua equipe volte de onde nunca deveria ter saído, p semed, ou qq outro lugar,mas que caia fora da SEDUC.Chega de clientelismo,tá parecen terra de ninguém.

  8. André Ribeiro (Esportista) disse:

    Eu gostaria de saber sinceramente o que foi que aquela catástrofe de secretário fez pelo esporte maranhense? Sinceramente, o que se ver hoje no ambito esportivo do Maranhao é uma politicalha asquerosa. Projetos da Lei do Incentivo todos para pessoas de classe alta, até um tal de Rafael Suzuki, que nem maranhense é, foi contemplado, para stock car (esporte que maranhense nenhum participa e nao tem capital p custear). Estive no periodo da campanha em uma reunião q o então governador na época, candidato, esteve presente com o Ministro do Esportes Aldo Rabelo. Confesso que fiquei otimista e que o esporte do Maranhao pela primeira vez seria tratado com respeito. Mas nada, absolutamente nada, do que foi dito foi cumprido. O que temos hoje é um secretario que brinca de ser secretário, debocha dos esportistas maranhenses, passa o dia inteiro escrevendo idiotices em redes sociais, faz daquela secretaria um cabide eleitoral para o irmão em Arari, burla as licitações (essa transparência funciona mesmo???), além da incompetência exacerbada que o constitui. Todo o secretariado do esporte deve ser mudado, inclusive dos adjuntos. Que andam com o rei na barriga, e encantados eternamente pelo cargo. Trabalho que é bom, não vemos. A sec adjunta veio de Brasilia, mas tem phd em tratar mal os outros e deixar crianças vindas do interior com fome, pq nao era de responsabilidade do estado alimentá-las. Colocou uma processada por maus tratos a criança, bullyng, para ir a Londrina com as crianças, simplesmente pq queria mostrar p a presidente da federacao maranhense de ginastica que qum manda é ela. Arrota pata todo mundo que ninguem mexe nela, pois é irmã da chefe de gabinete e cunhada do 1° secretario do estado. Falando em Ginastica, um polo esportivo de ginastica completamente equipado está sendo devolvido, pq os secretarios nao acham importante se ter um complexo esportivo de grande relevancia, está sendo equipado em outro estado. O outro adjunto, entende só de pedestais,parece que anda eternamente num andor, percebe-se nitidamente o despreparo daquele rapaz. Espero sinceramente que o governador cumpra o que foi dito naquela reuniao no periodo de campanha. Ainda temos 3 anos de governo e continuar nesse erro, nessa demanda de despreparados, pode ter certeza, irá influenciar fortemente nas eleições de 2018. O esporte maranhese no governo da mudança foi a maior de todas as decepções.

  9. José Martins disse:

    Governador, leia os blogs, os jornais…Escândalo e insatisfação maior dq na pasta da SEDUC, não há, uma imoralidade.
    E realmente procede. De acordo com as notícias, nos meios de comumicação, a secretária geral colocou na sua equipe pessoas q ela intitulou pessoas como de confiança, equipe de base q trabalha com ela há anos na SEMED e na política. No entanto, ela esqueceu do item competência. Por exemmplo, a secretária adjunta criou um cargo para o próprio marido em uma supervisão da superintedência das modalidades, ele nem prof. é, tão pouco do quadro da SEDUC.Depois,criou tb um cargo para uma amiga como supervisora dos quilombolas.E essa imoralidade está acontecendo na superintendência das modalidades, onde o superintendente, logo após assumir tal cargo, tirou a sua esposa da sala de aula, professsora de educação física, e relotou na seduc, na supervisão do ens.fundamental. E hoje nessa mesma superintendência(modalidades), trinta por cento dos professores foram devolvidos, por meio de sorteio(q critério!) para as escolas, pq tem carência de professor nas escolas da rede estadual. Esse discurso é, no mínimo, contraditório, o senhor não acha, senhor governador? Quer dizer que se tira técnicos q estão trabanhando na SEDUC, de forma honesta e com seriedade,para substituir pelos parentes e amigos dos chefes??? Esses são alguns exemplos da falta de respeito com os profissionais da educação, e com a socidade, pois em qse um ano nada foi para melhorar a educação no Maranhão pela secretária e equipe.Lamentável….

  10. Paula disse:

    Que absurdo,nessa SEDUC! Apadrinhamento geral.Governador Flávio Dino,mude esse povo da pasta da SEDUC. SOCORROoooo!

  11. Vilma disse:

    Ele bate no peito dizendo que é honesto e faz contrato com uma instituição de procedência duvidosa para concurso do estado de professor. Me poupe!

  12. HENRIQUE disse:

    Um grande mentiroso, primeiro corte no funcionalismo, babaca, enquanto isso seu protegido Márcio “Rato” Jerry recebe seis milhões de reforço financeiro para sua secretaria, onde serão abrigados os cabos eleitorais em 2016, pilantra

  13. Pedro disse:

    Onde está a HONESTIDADE e TRANSPARÊNCIA desse governo, desses secretários e secretárias?
    GATO COMEU,Sr° Governador? Já deu,já era. #forasecretariosecia

  14. Roberto disse:

    Não entendi, Governador.Como é que se troca o secretário e ou secretária, e não se troca a equipe deles. É preciso q sai o secretário/secretária e equipe, caso contrário as coisas continuarão as mesmas,ou seja,vão continuar na”estaca zero”, ainda por cima,ilegal e imoral.Cumpra o q o senhor disse no seu discurso de posse MUDANÇA JÁ,mas pra melhor.

  15. Guilherme disse:

    Recebeu resultados de pesquisa de vargem grande que aqui não foram divulgadas, e tem como resultado aprovação ao seu governo, que em um ano de governo não fez nada por Vargem Grande. Lamentável!!

  16. Virginia disse:

    Andre Ribeiro esportista falou tudo. Nunca houve tanta incompetência no esporte como essa equipe que está lá. Todos são de uma prepotência e soberba fora de série. A falta de atenção é grande, se VC quer conversar com um dos secretários, o chá de cadeira é grande e não vale a pena, pq VC sai de lá sem esperança alguma, o embaraço e a falta de conhecimento da causa é grande. O complexo de ginastica está sendo devolvido para a confederação brasileira de ginastica, por pura má vontade e falta de intesse dos secretários. Um complexo de ginastica todo equipado, desde a vestimenta para as crianças bem como toda a aparelhagem, isso tudo por falta de um ginásio para a realização das atividades. Aqui em São Luis nós temos um ginásio exclusivo para a pratica de ginastica, mas está interditado. Desde o começo do governo, foi falado com os secretários sobre essa situação. A confederação brasileira sentiu o desinteresse da secretaria, pelo fim do prazo da implantação do projeto, e está solicitando dr volta para implantar em outro estado.Meu Deus do céu, o atual governo já não fez nada pelos esportistas maranhenses e quando aparece uma oportunidade dessas, é completamente descartado pelos atuais dirigentes. Como assim??? O governo não seria para os pobres? Mas o que eu só vejo é rico sendo beneficiado no esporte do Maranhão ou quanro não é isso inventam um projeto (alonga vida) de aula aerobica no estaciobamento da sedel, como se isso fosse um grande legado deixado para os esportistas maranhenses. Isso é uma vergonha!!! Além de ser pifio, tem comunidade, associacao de bairros, que faz muito melhor. O que me surpreende é A secretaria adjunta, tão cheia de “méritos”, méritos de que??? Foi a Brasília e o que fez pelo esporte do Maranhão? É o mesmo que faz agora como adjunta: nada!! Ou melhor, faz pior. Por pura intransigencia, mandou para os Jogos da Juventude, uma processada por bullying, para ir como técnica da seleção maranhense de ginástica. Todos os anos, sempre houve um acordo com as federações e a Sedel para indicação dos técnicos para acompanharem as crianças, até pq quem tem maior conhecimento de suas áreas, o convívio direto com as seleções, com as equipes, com os técnicos são as federações. Mas a arrogancia foi tao grande, que ela disse aos quatro cantos q quem mandava era ela e ia quem ela quisesse. Não adianta ter doutorado, mestrado, o que for, se não tem conhecimento pratico da coisa. O histórico dessa senhora como prepopete e arrogante é bem maior que o de competente.
    Mas claro, com o currículo que ela tem de irmã da chefe de gabinete do governador e cunhada do secretário que ma da e desmanda no estado, quem tira? Só Lamé to pelo esporte maranhense. Que foi enterrado de vez nessa atual gestão.

  17. Maria Vitória disse:

    Conclusão2015,a maioria das secretarias precisam de novos secretários,tanto geral qto adjunto, e mudança de das suas respectivas equipes. Qual o critério p esses cargos? Currículo Comprovado? Seletivo? Provão? Ficha limpa? Ou QI mesmo? Socorroooooo……

  18. José Reinaldo H C Rodrigue disse:

    Concordo plenamente com o que disse o Gov Flávio Dino, sobre o inpeachment da Dilma. ” …….porque se houvesse inpeachment ….Dilma…… logo haveria oimpeachment do hipotético Pres. Temeros mesmos decretos que ela editou o ……….Temer no exercício da presidência também editou”. Diante disso fui compelido a raciocinar junto com o Governador. Se o TSE cassou o honrado e saudoso Dr Jackson Lago, logo por pura analogia, com provas reais e robustas deverá cassar a dupla Dilma/Temer . Agora data vênia por questão de ordem! Agora vou discordar! Criar o boato,a falácia de que se Dilma sumir, o Maranhão será pior, mais atrasado, mais abandonado……com menos obras, sem refinarias, sem metro, …o caos! Qual grande obra pronta,em curso ou projetado por Lula/Dilma no MA? Nem a duplicação de cm, sim cm da BR. 135 ! Alguém precisa avisar o gov que arquinimigos, SP, Pr, GO, Mg até 2014, andam demãos dadas com o Planalto. Aliados de pesocomo RJ, recebem auxílios num estalar de dedos. Teresina,nossso vizinho pobre, vai trocar, vou repetir, vai trocar os vagões obsoletos do metro, por vagões mais modernos fabricados no Ceará. Enquanto isso para não me alongar muito, nosso Govarnador realiza com recursos próprios o obrigatório e necessário “mais asfalto”. O pior de tudo é que a lei de mobilidade urbana, contempla metroferrovia………pac 2 de 2009(?) cadê o projeto ? transporte de massa com qualidade, melhora segurança, gasto saúde,educação,lazer,etc Assim vou pedir vistas na sua reeleição. Não decepcione seu eleitor!

  19. Caíque Matos disse:

    Realmente, melhorando todos esses setores, será possível reeleição ou eleição p outro cargo. Mudança, em 2016, Sr.Governo,mude o rumo dessa história.Renove esse secretariado, e suas respectivas equipes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens