Fechar
Buscar no Site

Exclusivo: A mente de Adélio Bispo, o homem que esfaqueou Bolsonaro


Veja – No dia 1º de setembro, o garçom Adélio Bispo de Oliveira abriu sua página no Facebook e enviou a seguinte mensagem a Jair Bolsonaro: “Espero que esta sua valentia realmente exista no dia em que você me vê (sic)”. Num português claudicante, Bolsonaro é chamado de “marionete do capitalismo” e de “bonequinha de Washington”. Por fim, o garçom faz uma ameaça: “Vc merece tomar um tia (tiro) nesta cabeça de b… q vc tem”. Cinco dias depois dessa mensagem, Oliveira provou que não estava blefando. Ele foi ao encontro do candidato em Juiz de Fora, no interior de Minas Gerais, e tentou matá-lo com uma facada no abdômen. Preso, disse que praticara o crime em razão de suas divergências ideológicas e religiosas com o candidato do PSL — sobretudo por causa do discurso “racista e antissemita” do deputado.

Cinco meses antes de atacar Bolsonaro, Adélio Bispo de Oliveira também enviou mensagens ao ex-presidente Lula. Em uma delas, manifestou seu apoio à candidatura do petista. “Se estão tentando barra (sic) sua candidatura, claro que é pq sabem dos riscos de se perder o poder em uma disputa democrática”, escreveu. O texto foi postado na página do Facebook chamada Lula Oficial. O título da mensagem era: “Adelio Bispo de Oliveira para Lula Presidente 2018”. Em seu comentário, o garçom fez um apelo ao ex-presidente: “O mundo comunista e até parte do mundo capitalista te agradeceria se vc escrevesse sua biografia e colocasse claramente os elos de ligações entre seus inimigos e a maldita maçonaria (sic)”. E alertou o petista para tomar cuidado com uma conspiração: “E verá que não são meramente homens que se declaram (…) seus inimigos, mas um sistema nazista secreto que existe no Brasil já a (sic) muito tempo”. Ao final, desejou sorte ao ex-presidente.

ÓDIO –  Dias antes do atentado, Oliveira escreveu uma mensagem a Bolsonaro, dizendo que ele merecia um tiro na cabeça. A conta não era do candidato

O garçom também enviou três mensagens à presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann. Numa delas, de março deste ano, deu palpites sobre a escolha do candidato petista a presidente: “Caso Lula não venha realmente concorrer, espero vê (sic) vc na disputa, segunda alternativa o Mercante (refere-se a Aloizio Mercadante)”. E “alertou” para o fato de que, assim que as candidaturas fossem anunciadas, haveria uma caçada aos candidatos ordenada pelo juiz Sergio Moro e por “toda a maçonaria”. Oliveira ainda se opôs à possibilidade de uma aliança do PT com o candidato Ciro Gomes, do PDT, hipótese discutida na pré-campanha. Disse que Jaques Wagner estava “equivocado” quando pedia que o PT cedesse, pois, no seu raciocínio, o partido cedeu ao chegar ao poder “e deu no que deu”.

A aparente proximidade com o PT, a ameaça encaminhada a Bolsonaro e o apoio a Lula, que na época do crime ainda era o candidato oficial do PT à Presidência da República, poderiam sugerir uma relação de causa e consequência quando se busca compreender a motivação do atentado. Em vez disso, as mensagens são apenas o retrato doloroso de uma mente perturbada, pois elas nem sequer chegaram aos pretensos destinatários. Durante as investigações, a Polícia Federal quebrou o sigilo telemático do garçom e encontrou suas mensagens endereçadas a Bolsonaro e a Lula. Só que os perfis com os quais Oliveira se comunicava — “Jair Messias Bolsonaro” e “Lula Oficial” — são falsos e, portanto, não pertencem a nenhum dos dois.

ALERTA – O criminoso escreveu mensagens de apoio à candidatura do ex-presidente, advertindo para uma “conspiração”. A conta não era de Lula

A polícia concluiu que Oliveira tentou matar Jair Bolsonaro sem a ajuda de outras pessoas. VEJA teve acesso à íntegra do inquérito que investigou a tentativa de assassinato. São 567 páginas de depoimentos, laudos e informações que reconstituem os passos de Oliveira desde o momento em que ele teria tomado a decisão de tirar a vida do candidato do PSL até o instante em que o atacou.

O crime começou a se materializar com uma coincidência. Oliveira estava em Juiz de Fora à procura de emprego quando soube pelos jornais que o deputado faria campanha na cidade. Segundo ele, já havia algum tempo que “vozes” o instruíam sobre o que precisava ser feito. Era a oportunidade perfeita para atender às instruções que ouvia mentalmente. Dois dias antes da visita, o garçom começou a fotografar e filmar lugares por onde provavelmente o presidenciável passaria. Os policiais encontraram em seu celular imagens da Câmara Municipal, da praça central e de um hotel, roteiros previstos na agenda de Bolsonaro. Para cometer o crime, ele escolheu uma faca de cerca de 30 centímetros de um jogo de duas peças que comprara em Florianópolis, Santa Catarina. Sua intenção inicial, como escreveu na mensagem, era matar o candidato com um tiro na cabeça. Chegou até a treinar os disparos, mas, como não havia tempo nem tinha dinheiro para comprar um revólver, optou por uma solução mais simples.

DELÍRIO – O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, é apontado por Oliveira como membro de um “grupo da maçonaria” por trás de uma conspiração

Com tudo esquematizado em sua mente, Oliveira partiu para a execução do plano às 10h08 de 6 de setembro. Naquele momento, deixou a pensão onde estava hospedado, foi até uma lan house no centro da cidade e acessou sua conta no Facebook. Vinte minutos depois, deixou a loja e rumou para o lugar onde Bolsonaro começaria a cumprir sua agenda na cidade. Passava do meio-dia quando Oliveira chegou a um shopping, a 100 metros do hotel onde o candidato do PSL almoçava com empresários locais. O garçom gravou vídeos do hall de entrada, da reunião dos apoiadores do candidato e exibiu até o jornal que, mais tarde, usou para esconder a arma do crime. Para não chamar atenção, ele se juntou a um grupo de manifestantes que protestava em frente ao hotel. Às 15h12, menos de vinte minutos antes do crime, gravou as últimas imagens, que mostram o instante em que tentava se aproximar do presidenciável — Bolsonaro, nesse momento, já estava nos ombros dos apoiadores. O vídeo tem apenas cinco segundos.

A partir daí, para reconstituir o atentado, a Polícia Federal analisou mais de 150 horas de imagens feitas por manifestantes ou gravadas por dezoito câmeras de segurança instaladas em dez pontos do trajeto feito por Bolsonaro no centro de Juiz de Fora. Minutos antes do ataque, o candidato do PSL chegou à Praça Halfeld, acenou para os militantes e se dirigiu à escadaria da Câmara Municipal. A manifestação seguiu adiante, com o candidato sendo carregado pelos militantes. A cada passo, Adélio tentava se aproximar mais de seu alvo, buscando a melhor oportunidade para atacá-lo, já com o jornal numa das mãos escondendo a faca. Para forçar a aproximação, dizia que queria tirar uma foto de Bolsonaro e até gritava frases de apoio ao presidenciável — protegido por um cordão de quase vinte seguranças. Após várias tentativas, Oliveira conseguiu furar o cerco e atingir Bolsonaro com a faca.

PALPITES – A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann: estratégia e sugestão de nomes para compor a chapa petista que disputaria as eleições

Crimes assim naturalmente alimentam teorias de conspiração. Mas afinal por que Oliveira quis matar Bolsonaro? As explicações foram apresentadas em três depoimentos prestados por ele à Polícia Federal. No último deles, gravado em vídeo onze dias depois do crime, Adélio reafirma que praticou o atentado por motivos ideológicos e religiosos e também “respondendo às ameaças que ele (Bolsonaro) tem feito, pelas ideologias que ele acredita, por ameaças de morte a pessoas” (veja o quadro abaixo). A Polícia Federal concluiu a primeira parte da investigação, conduzida pelo delegado Rodrigo Morais Fernandes, e constatou que no dia do ataque Oliveira agiu por conta própria. Acusado de cometer crime contra a segurança nacional, ele poderá ser condenado a até dez anos de prisão. Por precaução, um segundo inquérito foi instaurado, para apurar se houve alguma conspiração, se outras pessoas participaram do atentado ou o influenciaram, incluindo suspeitas sobre o envolvimento de uma organização criminosa. Preocupada com o acirramento da disputa no segundo turno das eleições, a PF também reforçou a segurança dos candidatos, que agora contarão com uma escolta de 35 agentes, e intensificou a vigilância sobre as redes sociais.

VIOLÊNCIA – A faca, de 30 centímetros, que Oliveira usou para ferir Bolsonaro: a ideia inicial era disparar um tiro

Em Sergipe e São Paulo, duas pessoas foram intimadas a prestar esclarecimentos sobre mensagens postadas nas redes sociais que incitavam atos de violência contra os candidatos e eleitores de Haddad e Bolsonaro. Num dos casos, uma garota sugeriu num vídeo um novo atentado contra Bolsonaro antes do segundo turno. No Paraná, um homem gravou uma imagem do momento em que estava na urna pressionando o número de Bolsonaro com a ponta de uma arma. A filmagem se tornou um viral. Os policiais passaram a apurar a identidade do eleitor que violou o próprio voto. Usando técnicas modernas de reconhecimento facial, descobriram o transgressor: era um marceneiro do Paraná, que virou alvo de mandado de busca e apreensão. A arma era de brinquedo, mas o fanfarrão passou pelo constrangimento de ter sua casa invadida pelos federais. Casos como esses estão sendo monitorados pela área de inteligência da PF.

O atentado contra Bolsonaro foi a mais violenta e dramática demonstração de intolerância ocorrida na eleição presidencial. Mas, infelizmente, não foi a única. Nos últimos dias, foram registrados vários casos de violência política. E o mais sério de todos ocorreu em Salvador, onde o mestre de capoeira Romualdo Rosário da Costa, conhecido como Moa do Katendê, de 63 anos, foi assassinado com doze facadas nas costas na segunda-feira 8, em uma discussão de bar. O agressor, Paulo Sérgio Ferreira de Santana, de 36 anos, confessou o crime e disse que matou por motivação política. Testemunhas relataram que ele se identificou como eleitor de Jair Bolsonaro. Depois da discussão, Santana deixou o bar, foi para sua casa, onde pegou uma faca. Voltou para o local e desferiu os golpes contra a vítima, que morreu ali mesmo. Santana foi preso.

INTOLERÂNCIA – Em Porto Alegre, uma mulher foi marcada com a suástica a canivete. Na Bahia, Romualdo da Costa foi morto a facadas

No Recife, uma jornalista foi atacada e ameaçada de estupro ao sair de um local de votação no dia da eleição. Dois agressores se aproximaram e afirmaram que ela era “riquinha” e “de esquerda” e utilizaram um canivete para feri-la no braço e no queixo. Um deles, segundo relatos, vestia a camiseta do candidato Bolsonaro. Em Porto Alegre, outro caso repulsivo: uma garota de 19 anos procurou uma delegacia e denunciou ter sido agredida por três homens. Segundo ela contou à polícia, o motivo da agressão foi o fato de estar usando uma mochila com o adesivo #Elenão, símbolo do movimento contra Bolsonaro. A vítima disse ter recebido um soco e, na sequência, os agressores usaram um canivete para tatuar a suástica nazista em seu corpo. A polícia ainda investiga a versão da mulher e trabalha com a hipótese de um ataque homofóbico.

“Deus me ordenou”
VEJA teve acesso ao depoimento em vídeo prestado por Adélio Bispo de Oliveira à Polícia Federal. A seguir, as explicações que deu para ter perpetrado o atentado contra Bolsonaro.

VOZES – O mapa do inquérito: a rota de Oliveira até o local do crime

“Por divergências ideológicas e respondendo às ameaças que ele tem feito, pelas ideologias que ele acredita, por ameaças de morte… contra pessoas que têm ideologias diferentes das dele. Dos muitos discursos. Discursos racistas, quando fala de negros, quando fala de quilombolas. Tem muita coisa. Tem discursos antissemitas. A gente já ouviu o discurso dele. Discursos contra o povo árabe, basicamente como se todos fossem terroristas, como se o Brasil não pudesse ter relacionamento com o povo árabe, enquanto temos um árabe governando o país, um libanês (refere-se a Michel Temer).”

O PLANEJAMENTO
“A responsabilidade é inteiramente minha, de mais ninguém. (…) Me veio à cabeça. Quando vi nos jornais que ele estaria (em Juiz de Fora). Dois, três dias antes, eu acho. Nem acreditei. Já estava em cima. Resolvi jogar na loteria, digamos assim. Talvez eu conseguisse, talvez eu não conseguisse (atacar Bolsonaro).”

EM NOME DA RELIGIÃO
“Essa é a segunda razão pela qual eu fiz. Esse bom Deus, esse meu Deus que me ordenou a fazer. O Bolsonaro… Ele é um impostor. É meio cristão, mas não é cristão… Está tentando puxar o público evangélico, recrutar os evangélicos para ser o presidente da República, mas ele é um impostor infiltrado pela maçonaria no meio protestante. Ele não tem nada… Basta fazer uma pergunta para ele em relação à Bíblia.”

A ARMA DO CRIME
“Parte de um jogo que comprei, para uso doméstico. Tentei levá-la comigo (refere-se à faca), escondida no corpo, escondida na roupa. Tava enrolada num papel de jornal.”

NA HORA H
“Um pouco antes, sim (refere-se ao fato de ter ouvido vozes), mas teve um momento que eu quase desisti porque achei que seria impossível a aproximação. Era impossível se aproximar. Quase desisti.”

Colaboraram Laryssa Borges e Hugo Marques

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

6 respostas para “Exclusivo: A mente de Adélio Bispo, o homem que esfaqueou Bolsonaro”

  1. Milson disse:

    Tão dizendo que esse miserável não bate bem da cabeça,era pra tá era morto esse infeliz.

  2. Kelvin disse:

    100 MILHÕES de brasileiros patriotas,decentes,honestos, VERDE AMARELO,que ama o Brasil, cristãos…. VOTAREMOS em. …JAIR MESSIAS BOLSONARO PRESIDENTE do BRASIL…… Brasil acima de tudo DEUS acima de todos…. . DEUS…..PODER de Deus…..JAIR MESSIAS BOLSONARO PRESIDENTE do BRASIL…… glória a Deus.

  3. João disse:

    NO BRASIL SOMENTE … FICHA LIMPA…..leva facada……..os fichas sujas…. não.

  4. Carlos disse:

    Esse vagabundo foi mandado por outros vagabundos vermelhos com certeza!!!

  5. E A LOUCURA ? disse:

    Perturbado mental, louco, psicopata, doido. Pelos relatos dos amigos e parentes, fica evidente a doença desse moço.

  6. Aston Beckman disse:

    Esse Adelio,talvez tenha origem em “adelo”, que, no grego,significa: oculto,escondido, velado etc.Esse quadrado deveria ter molhado a ponta da faca com ricinina, ou ao menos,colocado-a infusão na estricnina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens