Mais cedo, o governador Flávio Dino reiterou que não conhecia Jean Carlos Oliveira, dono de um imóvel alugado para a Fundação da Criança e do Adolescente (Funac). Também afirmou que não é obrigatório pedir “atestado ideológico” ou filiação partidária para celebrar contratos. “Alguém já pensou se tiver que rescindir aluguéis de imóveis de pessoas filiadas a todos os partidos ?? Seria inconstitucional e absurdo”, declarou.

E continuou: “O curioso é que a filha Roseana que começou esse aluguel do prédio do seu próprio pai Sarney para o Governo. Aí não era favorecimento. Quantos milhões o Governo do Maranhão pagou por esse aluguel ao senador Sarney?”, questiona Dino. O governador lembrou do caso de um aluguel em que o governo Roseana Sarney pagava por um imóvel pertencente a seu pai, o ex-senador José Sarney.

Foi o bastante para a oposição dizer que Flávio estava justificando um possível erro ao compará-lo com gravidades ocorridas nos governos dos Sarneys. Dino reagiu: “Não estou dizendo que erros do grupo Sarney justificam os “nossos”. Estou só provando a imensa DIFERENÇA, ao mostrar o que é “favorecimento”.

Fávio Dino disse ainda que analisará se há impedimento na lei no que diz respeito a Jean Carlos Oliveira ser funcionário da Emap e ao mesmo tempo ter imóvel de sua propriedade alugado ao governo. “Vou analisar juridicamente a situação de o cidadão ser empregado de uma empresa pública. Friso: tal nomeação não passa por mim. Se houver qualquer dúvida jurídica sobre isso, a lei será aplicada, como tem sido sempre no nosso governo. Dúvida jurídica sobre a condição do cidadão de empregado de uma empresa pública. Não sobre filiação partidária, que obviamente não impede”, finalizou.