Fechar
Buscar no Site

Delegado é afastado a pedido do Ministério Público do MA

Atendendo a pedido formulado pelo Ministério Público em Ação Civil Pública (ACP) por ato de improbidade administrativa, a Justiça determinou, em medida liminar, no último dia 30, o afastamento do delegado Jorge Antônio Silva Santos de suas funções na Delegacia de Polícia de Mirinzal até o julgamento definitivo da Ação. O delegado está, inclusive, proibido de frequentar a Delegacia.

Na ACP, proposta pelo promotor de justiça Frederico Bianchini Joviano dos Santos, em 24 de maio, o Ministério Público afirma que o delegado de polícia age com desídia no desempenho do cargo, não tomando as providências devidas em inquéritos policiais e autos de prisão em flagrante. O membro do Ministério Público ressalta que a falta de providências acontece até mesmo em casos de violência doméstica, homicídio, tortura e estupro de vulnerável, entre outros.

Na Ação, o Ministério Público elencou 16 investigações que ficaram paradas por anos sem qualquer conclusão, Há um caso de lesão corporal seguida de morte ocorrido em 2009 em que não foram realizadas as diligências requisitadas. Outro caso do mesmo ano, a respeito de um crime de tortura, não teve o inquérito policial sequer instaurado.

O delegado Jorge Santos também não responde às requisições do Ministério Público encaminhadas à Delegacia de Polícia. Um ofício a respeito de um caso de violência doméstica foi reiterado quatro vezes e, mesmo assim, não teve nenhuma resposta da autoridade policial.

Questionado, o delegado justificou sua inércia pela falta de condições de trabalho. Ofício encaminhado pela Secretaria de Estado da Segurança Pública, no entanto, informa que materiais como computadores e impressoras foram encaminhados à Delegacia de Mirinzal. “O Ministério Público não fecha os olhos sobre a pouca estrutura da Polícia Civil, sobretudo na Comarca de Mirinzal. Destaca-se que, mesmo com sua estrutura mínima, o requerido não faz o básico. Nada justifica um auto de prisão em flagrante ficar parado por três, quatro, oito anos”, afirma Frederico Bianchini.

Para o promotor de justiça, o delegado “baseia-se nessa falta de estrutura para não trabalhar e, consequentemente, contribuir para o aumento da violência e o sentimento de descrédito na justiça e da sensação de impunidade na comarca”.

Além do afastamento imediato do cargo, o Ministério Público do Maranhão requereu a condenação de Jorge Antônio Silva Santos por improbidade administrativa. Entre as penalidades previstas estão a perda da função pública, suspensão dos direitos políticos por três a cinco anos e pagamento de multa de até 100 vezes a remuneração recebida no cargo de delegado.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

2 respostas para “Delegado é afastado a pedido do Ministério Público do MA”

  1. Mandioca disse:

    A NOTA abaixo está sendo veiculado em todos os PORTAIS do Brasil .
    Depois que flávio dino colocou um lacaio dele na presidência do tribunal de justiça, tudo é possível.
    Eu ACREDITO QUE SEJA VERDADE, mas há uma remota hipótese de que seja FAKE.
    Dizem que todos os LORDES e LORDESAS Já estão com os ingressos para os jogos do Brasil na primeira fase, afinal de contas a Rússia e bem ali.

    http://www.areuniao.com
    Suas excelências do Maranhão
    2018-06-04 | Enio Basilio Rodrigues

    Há que se reconhecer como somos injustos ao não dar o devido valor ao denodo da justiça pátria, em busca constante de aperfeiçoamento dos seus integrantes. Magno exemplo disso é a atitude desprendida de uma vintena de juízes do rico estado do Maranhão: estes magistrados, com grande espírito de sacrifício, irão fazer um curso, em terras distantes, sobre lavagem de dinheiro e organização criminosa.

    Para tanto, viajarão a Palermo, no mês de junho quando, por coincidência, se inicia a alta temporada nessa paragem, uma das mais caras da Europa.

    Diante dessa atitude, o poder judiciário, solidariamente, fez questão de pagar as despesas dos 20 togados, desde a inscrição, as passagens aéreas de primeira classe, as devidas diárias no Hotel Porta Felice & SPA (cujo terrazzo, indicado para um espartano desjejum, é mostrado na foto) além de um soldo diário de 2.985 reais.

    Ao menos foi concedido a esses heróis o direito de levar suas esposas, também com as despesas devidamente cobertas e que, enquanto os maridos mourejam no seminário, poderão comprar lembrancinhas nas lojas de Dolce & Gabanna que, como você sabe, são de lá.

    É emocionante ver quando se faz justiça.

  2. Hertz Leal disse:

    Numa dada oportunidade, eu estava em Pinheiro, quando assisti a esse delegado macho chamar pro mano a mano, um coronel por demais odiado pela população baixadeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens