Fechar
Buscar no Site

Como Bolsonaro quer acabar com o feudo de Sarney e Renan no Senado

Os Divergentes – Diferente da Câmara, em que se avalia a capacidade de somar votos, no Senado a unidade é um valor em si. Os deputados são eleitos pelo voto proporcional, estados mais populosos formam as maiores bancadas. No Senado, cada unidade da federação elege os mesmos três senadores, a representação de Roraima é igual a de São Paulo, uns com apoio de milhões outros de alguns milhares.

Por esse critério federativo, por serem ampla maioria na distribuição geográfica, representantes do Norte e do Nordeste há décadas presidem o Senado. Desde o começo da década de 90 todos os presidentes do Senado chegaram ao parlamento pelas mãos dos eleitores do Norte e do Nordeste. Inclusive os que assumiram pelas renúncias de Antônio Carlos Magalhães, Jader Barbalho e Renan Calheiros, envolvidos em escândalos, com a única exceção de Rames Tebet  (MS) — pai da senadora Simone Tebet, candidata hoje à presidência do Senado.

Essa longa tradição — aliada a outra de que cabe a maior bancada partidária a indicação do presidente da Casa — virou pano de fundo para a estratégia da turma que há décadas dá as cartas no Senado tentar continuar no poder. Mesmo tendo sofrido fortes baixas nas urnas- foram derrotados Romero Jucá, Edson Lobão, Eunício Oliveira, Valdir Raupp, entre outros –, os que sobreviveram, como Renan Calheiros e Jader Barbalho, com o aval de José Sarney, tentam se manter à tona.

Faz tempo que Sarney e Jader só atuam nos bastidores. Renan é o cara da ribalta. Antes mesmo do desfecho eleitoral no segundo turno, sua turma plantou a primeira semente, com uma suposta contabilidade de que ele já tinha o apoio de metade dos senadores para voltar ao comando do Senado. As urnas acabavam de dar um cavalo de pau na composição do Senado e seu MDB encolhido. Mesmo sendo uma história de carochinha, foi comprada pelo valor de face por parte da mídia que cobre política.

As plantações de Renan continuam rendendo abobrinhas. A mais nova é de que ele tem apoio dentro e fora do Senado, mas, magnânimo, admite abrir mão para um outro candidato de centro. Quando foi candidato a vera, Renan, com as lições recebidas de Sarney, escondia as cartas para conseguir ser ungido na hora da decisão.

Quem acompanha de perto o que está rolando nos bastidores do Senado, entre os remanescentes e os que estão chegando, já descarta Renan do baralho. A carta escolhida por seu time é o senador reeleito Eduardo Braga (AM). É com ela que esperam vencer a disputa interna no MDB. Está difícil de emplacar inclusive na própria bancada do MDB.

O que dava gás ao grupo de Renan era o mesmo combustível que agora pode derrotá-lo.  O carro-chefe deles era a pregação da defesa das prerrogativas parlamentares diante de supostos abusos judiciais, a necessidade de  enquadrar o Ministério Público e a Polícia Federal, e conter a Lava Jato. Como sempre, o alvo deles era o juiz Sérgio Moro.

O primeiro tropeço foi nas urnas. A estridente tropa de choque contra as investigações sobre corrupção de políticos — Romero Jucá, Lindbergh Farias, Vanessa Grazziotin, Roberto Requião, João Alberto, Edson Lobão, Gleisi Hoffmann — foi dizimada pelas urnas. Com mais quatro anos de mandato, o intrépido Fernando Collor simplesmente fugiu da avaliação dos eleitores alagoanos.

A agenda para enquadrar Ministério Público e Polícia Federal, portanto, foi amplamente rejeitada pelos eleitores. O pior, no entanto, para essa turma, que se preparava para um revide contra a Lava Jato, veio depois das eleições.

Ao aceitar ser superministro da Justiça no governo Bolsonaro, Moro assumiu o comando de  todas as tropas do estado brasileiro para esse combate. Desarmou, mais uma vez, o jogo de Renan, Jader e Sarney. E de aliados deles como Ciro Nogueir

Em vez de dar as cartas no Senado como esperavam, eles agora vão tem que encarar a agenda legislativa de Sérgio Moro, antes bancada pela opinião pública, agora impulsionada por Bolsonaro.

Os aliados de Bolsonaro no Senado buscam ampliar sua base de apoio. Conversam com senadores  de vários partidos que vão participar da próxima legislatura. Dizem que o foco não é inchar os partidos governistas. Mesmo assim, contabilizam, por exemplo que dois dos cinco senadores eleitos pela Rede vão trocar de time e ingressar no PSL de Bolsonaro.

O surpreendente é que o próprio Bolsonaro estaria indo pessoalmente à luta. Fora da agenda pública, ele tem recebido senadores de partidos não alinhados. Do PSDB, por exemplo. Um deles me disse que o propósito dessas conversas é a busca de uma alternativa para pôr fim à hegemonia da turma que no MDB há décadas manda no Senado. Por esse entendimento, a prioridade do MDB como maior bancada só não será contestada se o senador ou senadora escolhido não for da turma de Renan e Sarney e não faça oposição ao governo Bolsonaro.

A conferir.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

8 respostas para “Como Bolsonaro quer acabar com o feudo de Sarney e Renan no Senado”

  1. Vicente disse:

    Esse STF é uma piada….custa BILHÕES por ano ao povo brasileiro. …O RENAN com 17 processos no STF….17 e numa boa….rindo dos trouxas brasileiros que aceitam tudo. ….STF uma vergonha do BRASIL.

  2. Capelobo disse:

    Cara , ele VAI ACABAR e com os VERMELHOS, seja COMUNISTA ou PETISTA, vai juntar tudinho junto com os da cor do arco iris e vai mandar FUZILAR.
    Te cuida John, o PPP e o AJUSTO JUNENTO já fugiram.

  3. Vandinei disse:

    Pagamos ater pelo papel higiênico usados por eles que poderia se jornais, ao menos quando eles usassem veriam fotos de bandidos que estrupam e matam famílias todos os dias, veriam a mortandade de inocentes que morrem quando suas leis liberam bandidos.

  4. Silveste disse:

    Só em acabar com a máfia de Renan,Sarney e Jáder, só pra falar nos que restaram, já estaria prestando um enorme serviço ao cidadão decente brasileiro.Esse trio é que restou de pior ao Brasil.

  5. Cardoso disse:

    E tu é tão besta que bota tuas besteiras por trás do muro sem ter nem a coragem pessoal de se manifestar.

  6. Walter filho disse:

    Joaquim Levy Ministro da Anta Petista no BNDES isto é brincadeira de mau gosto com o povo brasileiro

  7. Juntar,( tudinho junto) bela frase do abestalhado mandioca, intitulado capebosta. Que cabra sem noção, vai trabalhar CAPBOSTA , os cleptoclã que tu bajula, já estão extinto dá política maranhense, agora tu vai comer bosta seca, abestalhado, puxa saco, qualirão, mandioca intitulado capeloba, e capeloba intitulado mandioca, dois em um, um emprestável que ás vezes vira dois, só no Maranhão para nascer esses tranqueiras. Mandioca capeloba é tipo lombriga, se sair dá merda morre kkkkkkkkkk.

  8. WILIAM disse:

    QUERO VER SE VÃO —RIR—ASSIM NAS TREVAS DO INFERNO—-DIANTE DE SATANÁS —— NO SOFRIMENTO—NA ESCURIDÃO –NA DOR ESTREMA DO INFERNO–UMBRAL— destino final de TODOS os canalhas–ladrões–ladrona–ratões–ratazana de bilhões do povo —-DESTINO FINAL = O INFERNO—- cem anos de sofrimento dia e noite……..canalhas aproveitam e ri–ri–ri —aqui na Terra —-depois——-vão chorar lágrimas de sangue ——aguardem canalhas…… A JUSTIÇA DE DEUS—– DEUS PODE—DEUS QUER—DEUS FAZ ==== e alguém vai reclamar para DEUS ??????????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens