Fechar
Buscar no Site

Comandante do 3º BPM reúne tropa para traçar estratégias de policiamento do carnaval na cidade de Imperatriz

Na manhã desta sexta-feira (09/02/2018), o Tenente Coronel Ilmar, Comandante do 3º Batalhão de Polícia Militar realizou formatura a fim de repassar as diretrizes sobre o policiamento do Carnaval 2018 em Imperatriz. O evento contou com a presença do Diretor de Saúde da corporação, Coronel Nasser, que na ocasião destacou a importância quanto aos cuidados com a saúde.

O Carnaval 2018 promete um recorde de público em Imperatriz, trazendo consigo a necessidade de elaborar estratégias policiais a serem aplicadas neste período, onde o policiamento será distribuído no Setor da Beira Rio com bloqueios, patrulhas a pé e motorizadas, sem causar prejuízo ao policiamento ordinário em toda a cidade.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Uma resposta para “Comandante do 3º BPM reúne tropa para traçar estratégias de policiamento do carnaval na cidade de Imperatriz”

  1. Lordelo Sales disse:

    EM PINHEIRO, É TEMPO QUE VAGABUNDO ABUNDA!

    Carnaval é um câncer social. Ora, o país tenta passar por um processo depurativo: nunca visto em nossa história, “Mister M” jamais havia passado tantas máscaras a limpo, como nestes dias. Esse ditirambo, alcunhado de carnaval, também urge sofrer uma “Misteremização” total.
    Consumo de álcool e drogas atingem patamares astronômicos, na mesma proporção, o número de acidentes e gastos públicos com segurança e atendimentos médicos. Jovens e adolescentes que iniciam ou se atolam ainda mais na prostituição e nos vícios, pessoas que desaparecem, roubos e assassinatos, casais que se desfazem, proliferação de doenças, financiamentos de ministérios e secretarias estaduais e municipais; para custear a vadiagem com os impostos da maioria que não gosta dessa vagabundagem, com destaque, para a comunidade evangélica.
    Nada mais resta daquela manifestação inocente e espontânea; é venda de vícios e exploração dos fantoches das patuscadas!
    Em Pinheiro, onde resido atualmente; neste período, a cidade vira um antros, entulhada de canalhas vagabundos, oriundos dos quintos dos infernos. Vêm para encherem os rabos de álcool e drogas, perturbarem o sossego público, inflacionarem o comércio local, roubarem e gerarem fartos lucros para traficantes e proprietários de bares.
    Pessoas como eu, que abomina essa fuzarca, nossa elegeria reside em cada folião morto da forma mais trágica possível: estraçalhado por automóveis, em assaltos, de overdose, fuzilado pela polícia etc. Kuá, kuá, kuá, kuá, kuá!!!!! Viva Lucrécia!!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens