Fechar
Buscar no Site

Bolsonaro sobre Base de Alcântara: “Temos interesse de botar a base para funcionar de fato”

Após café da manhã com o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Rossato, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) relatou que um dos assuntos do encontro com o Comando da Aeronáutica foi o projeto para utilizar de forma comercial o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) para o lançamento de satélites. O presidente eleito disse que é favorável ao projeto.

“Da minha parte sim, vai avançar… Temos interesse de botar a base para funcionar de fato”, declarou.

O governo já apresentou o projeto para o uso comercial do centro localizado no Maranhão. O país negocia, inclusive, com o governo norte-americano para a utilização da base de Alcântara pelos Estados Unidos.

Uso comercial

Indicado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro para assumir o Ministério da Ciência e Tecnologia, o tenente-coronel Marcos Pontes defende o uso comercial da Base de Lançamento de Alcântara, no Maranhão. A medida está sendo negociada no Acordo de Salvaguardas Tecnológicas entre Brasil e Estados Unidos.

Para Pontes, o Brasil pode seguir o exemplo do que é feito no Kennedy Space Center, nos Estados Unidos, e usar a base como fonte de geração de empregos, atração de investimentos e desenvolvimento de tecnologia e cientistas. Para ele, a proposta não fere a soberania brasileira.

“Não fere a soberania de jeito nenhum. Da mesma forma que Kennedy Space Center faz lançamento de outros países, com equipamentos de outras nações, podemos fazer aqui a mesma coisa. Existe essa possibilidade e vai ser reestudado tudo isso para termos um centro de lançamento comercial operacional”, disse o futuro ministro.

O centro de lançamento de Alcântara funciona atualmente com 900 funcionários. A base é utilizada apenas para treinamento de foguetes suborbitais que carregam experimentos e são mantidos em ambientes de microgravidade por alguns minutos. Além disso, foram investidos R$ 120 milhões para reconstrução da torre de lançamento e no reforço de sistemas de segurança após a explosão de um foguete brasileiro em 2003 que causou a morte de 21 pessoas.

A intenção do governo de Michel Temer é finalizar o acordo ainda neste ano e permitir que os recursos obtidos com o uso comercial de Alcântara com lançamento de satélites por qualquer país interessado em fazê-lo sejam empregados para, pelo menos, multiplicar por três os recursos para o programa de desenvolvimento do seu programa espacial, o que representaria cerca de R$ 140 milhões por ano.

“O fato é que o Brasil tem a capacidade para fazer isso e tem uma base bem localizada, extremamente operacional que gere mais conhecimento, mais tecnologia”. Pontes acredita que o projeto pode auxiliar o desenvolvimento da região.  “Podemos usar a tecnologia para ajudar o desenvolvimento social também. Uma base dessa pode gerar empregos, novas empresas, várias coisas para aquela região”, afirmou.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Uma resposta para “Bolsonaro sobre Base de Alcântara: “Temos interesse de botar a base para funcionar de fato””

  1. Leonildo disse:

    ESSA BASE – ESPACIAL- DE ALCÂNTARA deve ser um CABIDE DE EMPREGOS –DO PT—LULA–DILMA–TEMER—–um cabide descarado –900 funcionários para espantar MOSQUITOS—– quando muito—– UMA VERGONHA ESSE BRASIL–PT–LULA-LADRÃO – PTRALHAS–TEMER——- CRUZ CREDO —XÔ SATANÁS —PARA O INFERNO ESPACIAL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

mais / Postagens